28.7 C
New York
julho 22, 2019
Teatro & Dança

Espetáculo de dança Cosmogonia Africana – A Visão de Mundo do Povo Iorubá entra em cartaz no Teatro Municipal Carlos Gomes

Foto: Valéria Martins
Foto: Valéria Martins
O trabalho desenvolvido pelo grupo Tambor de Cumba apresenta a versão africana para o mito da criação do universo entre os dias 5 e 14 de julho

O espetáculo de dança Cosmogonia Africana – A Visão de Mundo do Povo Iorubá propõe contar para o público o mito da criação do mundo, a partir das tradições culturais dos africanos iorubás. Dirigido pela bailarina e professora Aninha Catão, após um ano da estreia, o trabalho segue em turnê e entra em cartaz, entre os dias 5 e 14 de julho, no Teatro Municipal Carlos Gomes.

Ao compreender a cultura afro-brasileira como também ferramenta de educação e resgate da identidade da população negra do país, Aninha Catão elaborou este projeto com a finalidade de evidenciar os impactos da diáspora africana, no Brasil. Dessa forma, ao lado do seu grupo artístico, o Tambor de Cumba, o espetáculo desperta no imaginário dos espectadores como aconteceram as primeiras formas de vida pela ótica dos iorubás.

Ao som de tambores, coreografias típicas da cultura afro-brasileira explicam o papel dos elementos da natureza, como o fogo, a terra, o ar e a água, assim como os ancestrais deste grupo africano, que o são relacionados a tais elementos – os orixás. O Cosmogonia Africana – A Visão de Mundo do Povo Iorubá é baseado no importante trabalho, homônimo à iniciativa, de Marcelo Monteiro. 

“A grande importância de assistir o Cosmogonia Africana – A Visão de Mundo do Povo Iorubá é essa oportunidade de aprender sobre a história ancestral dos africanos escravizados aqui no Brasil. Esta é a chance de conhecer um pouco sobre nós mesmos, a nossa origem e a nossa cultura. Então, o espetáculo tem o papel de evidenciar a existência de um riqueza cultural magnífica, no Brasil, herdada do continente africano, em especial do povo iorubá. Este espetáculo tem alcançado o público da forma mais democrática possível, por meio da gestualidade mitológica, não apenas entretendo-o, como também informando. Também propomos a desconstrução da marginalização da cultura negra, destacando o protagonismo do negro e das suas formas de recriar a sua própria existência, com símbolos, formas e reconhecimento.” Afirma Aninha Catão.

Ficha técnica

Pesquisa: Marcelo Monteiro
Direção: Aninha Catão
Direção artística: Aninha Catão
Coreografia: Aninha Catão
Bailarinos: Aninha Catão, Lucimar Brito, Ety Faria, Layza Soares, Marcos Cotta,
Matheus Mello e Maurício Souza
Músicos: André Aladê, Rafael Corrêa, Marcelo Monteiro e Alexandre Munrha
Canto: Nina Rosa
Produção Executiva: Aninha Catão
Produção: Chris Mendonça e Joyce Lima
Preparação de voz e elenco: Ledjane Motta
Figurino e acessórios: Aninha Catão e Carol Moupa
Iluminação: Junior Martins
Fotógrafa: Valéria Martins
Designer: Mariana Gomes e Shikko Alves

Serviço:

Cosmogonia Africana – A Visão de Mundo do Povo Iorubá
Ingresso: 30 R$ – inteira. 15 R$ – meia entrada (bilheteria aberta de quarta a domingo, de 14h às 20h)
Local: Teatro Municipal Carlos Gomes
Endereço: Praça Tiradentes, s/no – Centro, Rio de Janeiro
Telefone: (21) 2224-3602
Datas: 5, 6, 7, 12, 13 e 14 de julho de 2019
Horário: Sextas e sábados às 19h. Domingo às 18h.
Classificação: 10 anos
Duração: 2 horas

Posts relacionados

ÀKILOQNOSKALA estreia Teatro Solar de Botafogo

Redação

Noviça Rebelde em cartaz na Cidade das Artes

Redação

Humorista Gigante Léo apresenta a Comédia ‘Mentira tem perna curta’ no Teatro Miguel Falabella

Redação

“Teatro Breve de Garcia Lorca” estreia temporada no Solar de Botafogo

Redação

Renato Frazão, Aline Bernardi e Luiza Borges apresentam performance musical no espaço Rampa, em Copacabana

Redação

‘Show do Bita  – Viva as Descobertas’ no Teatro Bradesco Rio

Redação

Deixe um comentário