Espetáculo Amor em dois atos terá apresentações nesse final de semana no Galpão Gamboa

Não espere, portanto, que o amor apareça, em cena, apenas como um único tema. Aqui, como quer o autor, o amor é um ponto de partida, um tema-impulso que nos leva a refletir sobre um sentimento especialmente polifônico, capaz de abrir vozes e olhares sobre muitas peculiaridades e dimensões da vida e das relações humanas. Potência comum a todos, o amor é visto, neste projeto, através de um jogo de múltiplas e conflitantes perspectivas, que nos revela diferentes facetas desse sentimento e, também, de como cada um de nós lidamos com ele.

“Amor em dois atos” reúne duas diferentes peças do premiado dramaturgo francês Pascal Rambert, “Encerramento do amor” e “O começo do A.”, dirigidas por Luiz Felipe Reis, e com os atores Julia Lund e Otto Jr em cena. Apresentadas em conjunto, em dois atos, essas duas peças nos possibilitam observar o amor em diferentes momentos: no exato instante do seu início, assim como no ponto final de um relacionamento. E em meio a esse contraponto, o amor, multifacetado, se revela e se rebela em diferentes estados: como força que nos liga uns aos outros, mas que também nos afasta; como fonte geradora de vida, como um sopro que nos dá vontade de viver, mas também o amor em sua desmedida, em seu revés, assumindo um viés destrutivo e, quem sabe, até mortal.

Há, portanto, a dimensão criativa e a pulsão destrutiva de um mesmo sentimento. Há a euforia e a melancolia que tomam os corpos daqueles que se lançam às suas descobertas. E sob o molde de diferentes formatos cênicos e dramatúrgicos, há o amor em forma de canção e também em forma de guerra; a cena como um espaço de sonhos e também como um árido campo de batalha.  Rambert nos coloca diante da complexidade dos grandes sentimentos, e nos encoraja a viver suas dores e alegrias, sem desvios.

Selecionadas para este projeto, em meio as mais de 30 obras assinadas por Rambert, estas duas peças evocam, para além do contraponto entre o começo e o fim do amor, os dilemas do mundo contemporâneo em suas desmedidas, jogos de poder, de argumentação e de (o)posições. “Amor em dois atos” se apresenta, em suma, como um desafiador e poderoso tour de force emocional, uma poética batalha de palavras, gestos e silêncios, onde a complexidade e o colapso dos nossos tempos e corpos se revelam no ato, nos atores, em cena.

SINOPSE.

“Encerramento do amor”:
A obra mais reconhecida e premiada da trajetória de Pascal Rambert, “Encerramento do amor” estreou em julho de 2011 no Festival de Avignon, com interpretação de Audrey Bonnet e Stanislas Nordey, com encenação de Rambert. Em “Encerramento do amor” Rambert apresenta apenas dois performers em cena. São atores que interpretam atores. Em cena, não há enredo, trama, arco dramático, antes ou depois do ato, o que há é o instante da cena, a intensidade do momento em que estes dois personagens travam um embate, um conflito incontornável que marca o fim de um projeto de relação criativa e amorosa idealizado por ambos.

Desde a sua estreia, em 2011, a obra já foi encenada em mais de 15 diferentes idiomas e conquistou os três mais importantes prêmios teatrais da França, o Prix du Syndicat de la Critique (2012), o Grand Prix de Littérature dramatique (2012) e o Les Molières (2013).

“O começo do A.”:
“O começo do A.” foi escrita no ano de 2000, logo após um encontro criativo que se transformou em relacionamento amoroso, entre Pascal Rambert e a atriz e dançarina americana Kate Moran. Naquele ano eles haviam se conhecido e trabalhado juntos na montagem de “A epopeia de Gigalmesh”, que Rambert dirigiu e apresentou no Festival de Avignon. Logo após a estreia, porém, Kate retornaria para casa, em Nova York, enquanto Rambert, de volta a Paris e em plena ressaca amorosa e artística, decide dar vazão a um novo texto. É nesta circunstância, entre a paixão e a distância, que o autor expressa a potência do sentimento amoroso, o principal motor da dramaturgia de “O começo do A/”.

Texto vencedor do prêmio de Apoio à Criação concedido pelo Centre National du Théâtre, em 2004, o trabalho, no entanto, só foi encenado pela primeira vez em janeiro de 2005, na Comédie Française, em Paris.

PASCAL RAMBERT.
Dramaturgo, encenador e coreógrafo, Pascal Rambert (n. 1962) escreve e dirige seus próprios trabalhos desde 1982, tendo fundado, em 1984, a sua primeira companhia, a Side One Posthume Théâtre, pela qual estreou com a peça “Désir et Les lits”,  em que assinou o texto e a direção. Autor e diretor demais de 35 criações para diversos palcos da Europa e do mundo, em 2006 foi nomeado como diretor do T2G – Théâtre de Gennevilliers – tornando-se o primeiro sucessor do fundador do teatro, Bernard Sobel.

Desde 2007, portanto, Rambert dirige o T2G – Théâtre de Gennevilliers, que ele transformou em Centro Dramático Nacional de Criação Contemporânea. Ao longo das últimas três décadas, suas criações têm sido representadas na Europa, América do Norte, Norte da África, Rússia e Ásia. Entre elas se destacaram “Une (micro) histoire économique du monde, dansée” (2010), “Clôture de l’amour” (2011), “Memento mori” (2013), “Avignon à vie” (2013), “Répétition” (2014) e “Argument” (2016).

Premiado em 2013 com o Molière, por “Encerramento do amor”, Rambert foi convidado, em 2015, para apresentar o seu repertório no Théâtre des Bouffes du Nord, o famoso teatro de Peter Brook, em Paris. Na casa, encenou cinco de seus textos no programa “Rambert à nu”: “Memento Mori”, “Clôture de l’amour”, “Avignon à vie”, “De mes propres mains” e “Libido Sciendi”. Em 2016, Rambert conquista o cobiçado Prix du Théâtre, concedido pela Académie Française em reconhecimento ao conjunto de sua obra.

EQUIPE DE CRIAÇÃO.

Direção, adaptação e concepção sonora e visual
Luiz Felipe Reis

Textos originais
Pascal Rambert

Tradução dos originais
Marcus Vinicius Borja

Atuação      
Julia Lund
Otto Jr.

Diretor assistente e direção de vídeo
Marcelo Grabowsky

Cenário
José Dias

Iluminação
Tomás Ribas

Figurino
Antônio Guedes

Direção de movimento
Lu Brites

Trilha sonora
Luiz Felipe Reis e Thiago Vivas

Gravação de off
Pedro Sodré

Fotos e direção de fotografia do vídeo
Elisa Mendes

Concepção de ensaio fotográfico
Daniel de Jesus e Elisa Mendes

Design gráfico
Daniel de Jesus

Hair stylist
Gabi Balan e Neandro Ferreira

Make
Gabriel Ramos

Assistente de cenografia
Beatriz Magno

Direção de prodrução
Sérgio Saboya (Galharufa Produções)

Produção executiva
Nathália Pinho

Idealização, coprodução e realização
Julia Lund e Luiz Felipe Reis (Polifônica Cia.)

SERVIÇO.

Amor em dois atos

Data: 04 de fevereiro de 2017, às 20h
05 de fevereiro de 2017, às19h
Local: Galpão Gamboa –  R. da Gamboa, 279 – Gambôa, Rio de Janeiro – RJ, 20220-290
Telefone: (21) 2516-5929
Ingressos: Inteira: R$20 | Meia: R$10 | Moradores da região: R$5
Bilheteria Galpão Gamboa: de 3ª a 6ª » 14h às 18h *
Bilheteria Pequena Central: de 3ª a 6ª » 12h às 17h
*nos dias das apresentações, a bilheteria do Galpão Gamboa abre 1h antes do espetáculo
Classificação indicativa: 16 anos
Gênero: drama

Duração do espetáculo:
“Encerramento do amor”: 80 min
“O começo do A.”: 60 min

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.