22.5 C
Rio de Janeiro
novembro 17, 2018
Exposição

Elefantes são acorrentados no Rio para chamar a atenção para maus tratos aos animais na América do Sul

Pão de Açucar
Pão de Açucar

Rio de Janeiro, 1º de novembro – Vários pontos do Rio amanheceram com bebês elefantes da Elephant Parade 2018, maior exposição a céu aberto da cidade. E entre quase 60 esculturas, 7 elefantinhos se destacam por um detalhe triste: estão acorrentados. A ação da marca Amarula, em parceria com a ONG Santuário de Elefantes do Brasil (www.santuariodeelefantes.org.br), pretende chamar a atenção dos cariocas para a situação precária em que vivem diversos desses animais na América do Sul: aprisionados, maltratados, estressados.

“O problema dos elefantes atualmente não está no radar das pessoas. No mundo, a cada 15 minutos um elefante é morto pelo marfim e, no Brasil, muitos ainda vivem aprisionados. O objetivo desta ação é duplo: dar visibilidade para esta causa tão importante e apoiar o Santuário,  de quem somos parceiros, na arrecadação de fundos para resgatar elefantes e levá-los para a sede do projeto na Chapada

dos Guimarães”, diz Theo Leal, Gerente de Marketing da Distell na América Latina.

Segundo informações da ONG, em torno de 50 elefantes permanecem em cativeiro de forma precária na América do Sul.  São animais usados nos circos e moradores de zoológicos, locais onde ficam acorrentados ou expostos em espaços muito pequenos para o seu tamanho e sua necessidade de movimentação. O animal que em seu habitat natural costuma caminhar de 15 a 20 km diários é obrigado a viver em espaços muito pequenos para o seu tamanho e sua necessidade de movimentação.  Algumas vezes são acorrentados e, com isso, impedidos de caminhar. E para mostrar suas habilidades e realizar performances nos circos passaram por anos de tortura  e maus tratos em seus chamados “treinamentos”.

O projeto de lei federal (PL 7291/2006) que visa proibir o uso de animais silvestres e exóticos em espetáculos circenses tramita desde 2006 na Câmara dos Deputados, sem nunca ter sido levado a plenário. Atualmente, somente 12 estados brasileiros têm leis contra a prática.

Ao final da Elephant Parade, as sete obras patrocinadas por Amarula serão leiloadas e o dinheiro arrecadado será destinado ao Santuário, para ajudar no resgate de mais elefantes.

Como participar
Com a intervenção, Amarula reforça o compromisso global com a preservação dos elefantes e convida o público a divulgar a causa em suas redes sociais compartilhando fotos das obras. “A cada 15 minutos perdemos um elefante no mundo e em 20 anos eles podem ser extintos. Abra seu #CoraçãodeElefante e junte-se a esta causa” é um dos exemplos de mensagens que estarão expostas em placas junto às obras.

Entre os locais escolhidos para receber a intervenção estão o Pão de Açucar, na Urca, Parque dos Patins e Parque das Táboas, na Lagoa, Avenida Vieira Souto, Avenida Atlântica, Leblon e Arcos da Lapa.

 

 Artista                 Obra                                    Local                                                                 Bairro

Luca EwbankBrendaAv. Pasteur, 520 – BondinhoUrca
Binho RibeiroJardineiro ao EntardecerLagoa Rodrigo de Freitas – Parque dos Patins – LagoaLagoa
Rafael MantessoSunsetLagoa Rodrigo de Freitas – Parque das Taboas – LagoaLagoa
GuinrÂmago AbertoAv. Vieira Souto X Esquina com Joana AngelicaIpanema
Linda ValenteUma tarde de domingoAv, Atlântica,1702 – Quiosque Raibow – CopacabanaCopacabana
Mariana RevellesBob CariocaAv. Ataulfo de Paiva, 1228 – LeblonLeblon
Renan CristianSaideiraR. dos Arcos, 24 – LapaLapa

Posts relacionados

Exposição ‘Dos Marigo – Fotografias’ na Galeria do Ateliê

Redação

Kilombo – A África que habita em nós

Redação

“A Arte nos Bastidores” com foco na temporada do musical “Elza” no Teatro Riachuelo

Redação

Deixe um comentário