17.3 C
New York
abril 24, 2019
Cinema

Documentário “Diários de Classe” discute a educação de mulheres invisibilizadas pelo sistema

Documentário “Diários de Classe” discute a educação de mulheres invisibilizadas pelo sistema  

Filme aborda questões que permeiam o aprendizado na periferia de Salvador e ainda incita uma reflexão urgente sobre as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio

Racismo, machismo, desigualdade social, preconceito e precariedade da educação são alguns dos temas abordados neste documentário. Em “Diários de Classe”, os diretores Maria Carolina e Igor Souza abordam como todas essas questões refletem na educação de jovens e adultos periféricos em um sistema que os ignora historicamente. Porquê de essas mulheres – que representam os mais de 13 milhões de brasileiros analfabetos – estarem na classe de aula em sua vida adulta? Qual seria o motivo que as afastou durante tanto tempo da escola?

Nas salas de aula de uma penitenciária e em escolas da periferia de Salvador são apresentadas três personagens que guiam o filme: Tifany Moura, Vânia Costa e Maria José Santana. As falas e história destas mulheres negras e ignoradas por uma sociedade estruturalmente racista são diferentes nos mais diversos aspectos, mas na montagem, o filme estabelece uma consciência sutil do elo que conecta a experiência de cada uma destas personagens.

Tifany está em sua trajetória de descoberta com a transsexualidade; Vânia é mãe, encarcerada e tenta aprender o Código Penal para se defender no tribunal; e Maria José tenta conciliar seu emprego de doméstica com os estudos. Ao mesmo tempo que as histórias têm em comum a exclusão de oportunidade e o preconceito derivados de relações de poder e opressão, “Diários de Classe” revela mulheres com uma disposição extraordinária para refletir e agir contra estas posições sócio-históricas forçosamente impostas.

Além disso, a obra observa também as dificuldades de se aprender e ensinar. Os professores assumem papéis que vão além de educadores, são conselheiros e incentivadores de que seus alunos se livrem das amarras que a sociedade os impõem.

Neste ponto, o filme levanta uma reflexão urgente diante das recentes Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação, uma vez que se prevê a realização de até 20% da carga horária do Ensino Médio na modalidade de Educação à Distância (EaD) e, no caso da Educação para Jovens e Adultos (EJA), essas escolas onde o filme se passa, se permite que até 80% do curso seja extra-presencial. Isto é, praticamente se extingue os encontros presenciais e provocadores também responsáveis pela formação crítico sobre a realidade que esses alunos das EJA’s estão inseridos.

A diretora Maria Carolina explica que o objetivo do filme é “contar a história de vida dessas pessoas e o que as levaram a estar dentro da sala de aula já adultas, atrás de aprender aquilo que lhes foi roubado na infância, os estudos”. Igor Souza, diretor, complementa “houve uma prontidão por parte da equipe para se adaptar às situações e uma compreensão por parte das personagens da possibilidade de ampliação de suas vozes”.

O filme participou do 50º Festival de Brasília, 2º Mostra de Cinema Contemporâneo do Nordeste, 7º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e é a segunda vez que os diretores trabalham junto em uma produção, sendo a primeira o curta de animação “Entroncamento” (2015).
 

Leia também  29º Cine Ceará abre inscrições para longas ibero-americanos e curtas brasileiros

Com produção da Lanterninha Produções e distribuição da Elo Company, “Diários de Classe” estreia dia 07 de março em 20 salas de 19 cidades do país pelo Projeta às 7, parceria da distribuidora com a Cinemark que abre uma nova janela para o cinema nacional.

SINOPSE
“Diários de Classe” acompanha o cotidiano de três mulheres – uma jovem trans, uma mãe encarcerada e uma empregada doméstica –, estudantes de centros de alfabetização para adultos em Salvador. Embora trilhem caminhos distintos, suas trajetórias coincidem nos preconceitos e injustiças sofridos cotidianamente. O documentário em estilo direto aposta no recorte espacial da sala de aula a fim de se aprofundar no dia a dia dessas personagens, revelando suas tentativas diárias de contornar o apagamento sistemático de suas existências. 

Brasil, 2017 | documentário, 72min – Cor

FICHA TÉCNICA
Direção – Maria Carolina da Silva e Igor Souza
Assistente de Direção – Érika Saldanha
Montagem – Iris de Oliveira e Maria Carolina da Silva
Fotografia – Gabriel Teixeira
Produção Executiva – Maria Carolina da Silva e Sylvia Abreu
Direção de Produção – Érika Saldanha
Finalização de imagem e som – Cinemática Audiovisual
Supervisor de Pós-Produção – José Augusto De Blasiis
Patrocínio – Arte em Toda Parte ano III
Produção –  Lanterninha Produções
Finalização –  Cinemática Audiovisual
Distribuição –  Elo Company

Filme aborda questões que permeiam o aprendizado na periferia de Salvador e ainda incita uma reflexão urgente sobre as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio

 

 

 

Racismo, machismo, desigualdade social, preconceito e precariedade da educação são alguns dos temas abordados neste documentário. Em “Diários de Classe”, os diretores Maria Carolina e Igor Souza abordam como todas essas questões refletem na educação de jovens e adultos periféricos em um sistema que os ignora historicamente. Porquê de essas mulheres – que representam os mais de 13 milhões de brasileiros analfabetos – estarem na classe de aula em sua vida adulta? Qual seria o motivo que as afastou durante tanto tempo da escola?


Nas salas de aula de uma penitenciária e em escolas da periferia de Salvador são apresentadas três personagens que guiam o filme: Tifany Moura, Vânia Costa e Maria José Santana. As falas e história destas mulheres negras e ignoradas por uma sociedade estruturalmente racista são diferentes nos mais diversos aspectos, mas na montagem, o filme estabelece uma consciência sutil do elo que conecta a experiência de cada uma destas personagens.


Tifany está em sua trajetória de descoberta com a transsexualidade; Vânia é mãe, encarcerada e tenta aprender o Código Penal para se defender no tribunal; e Maria José tenta conciliar seu emprego de doméstica com os estudos. Ao mesmo tempo que as histórias têm em comum a exclusão de oportunidade e o preconceito derivados de relações de poder e opressão, “Diários de Classe” revela mulheres com uma disposição extraordinária para refletir e agir contra estas posições sócio-históricas forçosamente impostas.


Além disso, a obra observa também as dificuldades de se aprender e ensinar. Os professores assumem papéis que vão além de educadores, são conselheiros e incentivadores de que seus alunos se livrem das amarras que a sociedade os impõem.

Neste ponto, o filme levanta uma reflexão urgente diante das recentes Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação, uma vez que se prevê a realização de até 20% da carga horária do Ensino Médio na modalidade de Educação à Distância (EaD) e, no caso da Educação para Jovens e Adultos (EJA), essas escolas onde o filme se passa, se permite que até 80% do curso seja extra-presencial. Isto é, praticamente se extingue os encontros presenciais e provocadores também responsáveis pela formação crítico sobre a realidade que esses alunos das EJA’s estão inseridos.


A diretora Maria Carolina explica que o objetivo do filme é “contar a história de vida dessas pessoas e o que as levaram a estar dentro da sala de aula já adultas, atrás de aprender aquilo que lhes foi roubado na infância, os estudos”. Igor Souza, diretor, complementa “houve uma prontidão por parte da equipe para se adaptar às situações e uma compreensão por parte das personagens da possibilidade de ampliação de suas vozes”.

O filme participou do 50º Festival de Brasília, 2º Mostra de Cinema Contemporâneo do Nordeste, 7º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e é a segunda vez que os diretores trabalham junto em uma produção, sendo a primeira o curta de animação “Entroncamento” (2015).

 

Leia também  'Crô em Família', estrelado por Marcelo Serrado, ganha trailer oficial

Com produção da Lanterninha Produções e distribuição da Elo Company, “Diários de Classe” estreia dia 07 de março em 20 salas de 19 cidades do país pelo Projeta às 7, parceria da distribuidora com a Cinemark que abre uma nova janela para o cinema nacional.
 

SINOPSE

“Diários de Classe” acompanha o cotidiano de três mulheres – uma jovem trans, uma mãe encarcerada e uma empregada doméstica –, estudantes de centros de alfabetização para adultos em Salvador. Embora trilhem caminhos distintos, suas trajetórias coincidem nos preconceitos e injustiças sofridos cotidianamente. O documentário em estilo direto aposta no recorte espacial da sala de aula a fim de se aprofundar no dia a dia dessas personagens, revelando suas tentativas diárias de contornar o apagamento sistemático de suas existências.
 

FICHA TÉCNICA

Direção – Maria Carolina da Silva e Igor Souza

Assistente de Direção – Érika Saldanha

Montagem – Iris de Oliveira e Maria Carolina da Silva

Fotografia – Gabriel Teixeira

Produção Executiva – Maria Carolina da Silva e Sylvia Abreu

Direção de Produção – Érika Saldanha

Finalização de imagem e som – Cinemática Audiovisual

Supervisor de Pós-Produção – José Augusto De Blasiis

Patrocínio – Arte em Toda Parte ano III

Produção –  Lanterninha Produções

Finalização –  Cinemática Audiovisual

Distribuição –  Elo Company

Posts relacionados

Homem-Aranha no Aranhaverso | UCI Cinemas abre pré-venda para sessões da animação da Marvel

Alyson Fonseca

Mostra MIMO no Estação

Redação

“Intimidade Entre Estranhos” ganha trailer

Alyson Fonseca

‘O Paciente – o Caso Tancredo Neves’

Redação

Mostra ‘Os Filmes que driblaram a censura de Franco’ começa dia 30 na Caixa Cultural

Redação

‘Bio – Construindo uma Vida’, de Carlos Gerbase, terá pré-estreia seguida de debate em São Paulo

Redação

Deixe um comentário