22.5 C
Rio de Janeiro
novembro 17, 2018
Teatro & Dança

Desaparecimento de Luísa Porto

Desaparecimento de Luisa Porto - foto: Pablo Henriques
Desaparecimento de Luisa Porto - foto: Pablo Henriques

O poema Desaparecimento de Luisa Porto, escrito por Carlos Drummond de Andrade, originalmente publicado em 1948, serviu de ponto de partida para o espetáculo criado pelo diretor Diogo Liberano e que estreia curta temporada no Teatro Gláucio Gill a partir do dia 9 de novembro.

O diretor Diogo Liberano define o espetáculo como um poema cênico  inspirado no poema de Drummond que conta a situação do desaparecimento de uma mulher de 37 anos no Rio de Janeiro, chamada Luísa Porto, e todo o sensacionalismo da mídia (sobretudo a mídia impressa) acerca do caso. “É um poema altamente crítico em relação a uma questão que, atualmente, está ganhando contornos perversos como é o caso das fakenews. Pareceu-me importante chamar a atenção do espectador – e também nossa, é claro – da importância do cuidado em relação ao outro. , explica Liberano. “É uma grande paródia o sensacionalismo da nossa mídia que, obviamente, nos remete Á onda de fascismo crescente que estamos vivendo no Brasil contemporâneo”, completa.

A composição visual do espetáculo  que tem cenário e figurinos criados por Elza Romero, é  feita a partir de materiais e materialidades que remetem ao universo da obra civil. “De alguma forma, a peça é sobre a construção, destruição e reconstrução de alguma humanidade, alguma civilidade do homem contemporâneo. Assim, usaremos tapumes em cena, escadas, telas de proteção à obras, bem como jornais impressos. Esse universo de materiais está em cena para ser composto, recomposto, posicionado e reposicionado. É um material que solicita ao elenco uma ação de composição e decomposição. Como costumo dizer, é um cenário para jogo (ao invés de ser uma tentativa de reproduzir lugares e atmosferas da dramaturgia de modo literal)” garante o diretor.

Sinopse:

Desaparecimento de Luísa Porto
Rio de Janeiro, 1948, 2018. Uma mulher de 37 anos vai à feira e não volta mais. Após seu desaparecimento, a cada dia, notícias tentam prever o seu destino enquanto pessoas tentam encontrá-la de fato. Onde está Luísa? Em meio à produção de notícias sobre o seu paradeiro, sua mãe, entrevada numa cadeira de rodas, não cessa de chamar pela filha desaparecida. Quem matou Luísa?

Ficha técnica
Dramaturgia a partir do poema de Carlos Drummond de Andrade – Diogo Liberano
Diretor Assistente – Andrêas Gatto
Luz – Livs Ataíde
Direção Musical – Edvan Moraes
Oficina de Voz – Leandro da Costa
Cenário e Figurinos – Elsa Romero
Voz – Renata Frisina
Corpo – Soraya Bastos
Projeto gráfico – Rita Ariani
Fotografia – Pablo Henriques
Direção de Produção: Marcia Quarti 

Elenco: Amanda Carrijo, Antonio Tostes, Érico Novikoff, Cecília Imbelloni, Giovanna Loureiro, Giulia Amanda, Isabel Nardy, João Marco Luz, Júlia Iribarne, Karina Bublitz, Maria de Castro Maia, Nathália Aguado, Paulo Vitor Rocha, Pedro Rodrigues, Renata Rego, Roberta Bokel, Yago França.

SERVIÇO:
Temporada: de 9 a 19 de novembro de 2018 – de sexta a segunda-feira às 20h

Teatro Glaucio Gill
Praça Cardeal Arcoverde, s/nº – Copacabana – Tel.: 2332-7904
Capacidade: 150 lugares
Preço: 30 reais
Classificação etária: 14 anos
Duração: 85 minutos

Posts relacionados

“Teatro Breve de Garcia Lorca” estreia temporada no Memorial Getúlio Vargas

Redação

Arena Chacrinha promove o 1º Festival de Teatro Infantil entre os dias 10 e 14 de outubro

Redação

Isaura Garcia – O Musical estreia montagem no Oi Casagrande

Redação

Deixe um comentário