21.6 C
New York
junho 18, 2019
Livros

Degustador de café lança obra sobre a arte de saborear

O livro “Degustador: profissão esperança” é um guia completo sobre a degustação de diversas bebidas

Alaerte Barbosa, degustador de café há mais de cinquenta anos, lança, com a Autografia, o livro “Degustador: profissão esperança” – um guia completo sobre a degustação de diversas bebidas, além do café, como cachaça, azeite, vinho, uísque e cerveja. A obra traz suas origens, lendas e histórias, além de curiosidades e metodologias para a degustação dos ingredientes.

Através de um linguagem divertida e leve, o autor leva ao público uma obra perfeita para quem deseja saber mais sobre a profissão, mas também para os amantes das bebidas abordadas. Apesar de trazer a técnica, o livro é descontraído, bem humorado e mostra toda a paixão do autor pela degustação.

Com a palavra, Dr. Marcelo Motta, médico e cafeicultor, cluster turístico no circuito do Vale do Café no Rio de Janeiro” e desenvolvedor do Projeto Café no Vale, reinserindo a cafeicultura nas áreas da Mata Atlântica devastadas pelo Ciclo do Café em 1830:

“O mestre Alaerte é, sem dúvida, um dos ícones de referência em Cafés de Qualidade. É um parceiro incentivador, crítico, fiel escudeiro em minhas ideias e também no desenvolvimento e execução do Projeto Café no Vale. O Mestre Alaerte soube me acolher e buscar com sua extrema paciência, conhecimento, respeito, consideração, empatia e delicadeza, aflorar e desenvolver a minha sensibilidade. Consegui superar os conhecimentos. Estou consciente de que sou ainda um iniciante, porém, como diz o provérbio chinês, ‘até a mais alta torre começa do chão’. A base do curso, em especial, foi o Alaerte quem me deu”.

Com a palavra, Marcos Palmeira, ator e cafeicultor:
Um dos parceiros do degustador Alaerte Barbosa é a fazenda de produtos orgânicos Vale das Palmeiras, do ator Marcos Palmeira. Confira seu relato sobre o autor:

“O mestre Alaerte disse uma expressão que ficou gravada na minha memória. Café é uma arte; a qualidade começa no grão cru, evolui na torra adequada (média ou moderadamente escura) para não ficar com gosto de café queimado. Consolida-se com o aroma intenso, característico e marcante. Realiza-se com o excelente sabor suave e muito doce por natureza. Se for orgânico, fica mais valorizado, preservando ainda mais suas propriedades. O café faz parte da alma do brasileiro, seja no café da manhã, após as refeições, seja na leitura de um bom livro como este, o café é indispensável nesses momentos inesquecíveis. Felicidades e boa sorte!”.

O autor:
O autor tem formação Superior (administrador), é empresário, consultor técnico de café, professor de cursos de classificação e degustação de café, barista, apreciador e torrador de café. Completou 54 anos de trabalho como degustador de café, sendo que 30 anos dedicados ao extinto Instituto Brasileiro do Café-IBC, 1 ano na Bolsa de Gêneros Alimentícios, 8 anos na Associação Brasileira dos Industriais do Café e 15 anos como Diretor da empresa Grão Mestre Café, ministrando cursos para diversos seguimentos da cafeicultura brasileira.

Posts relacionados

Jorge Maranhão lança livro sobre a influência do barroquismo no Brasil

Redação

Quinta-feira é dia de Sarau Literário no Renascença Clube

Redação

Livro “As Cidades Invisíveis” é  escolhido para Clube de Leitura do Museu do Amanhã neste sábado

Redação

Paulo César Pinheiro – 70 anos

Redação

Livro celebra 25 anos de trajetória da artista Valéria Costa Pinto

Redação

Carreira ideal aos cinquenta: Dupla estreia no mercado de livros infantis e explora narrativa sobre os dramas da infância

Redação

Deixe um comentário