13.1 C
New York
abril 22, 2019
Livros

Degustador de café lança obra sobre a arte de saborear

O livro “Degustador: profissão esperança” é um guia completo sobre a degustação de diversas bebidas

Alaerte Barbosa, degustador de café há mais de cinquenta anos, lança, com a Autografia, o livro “Degustador: profissão esperança” – um guia completo sobre a degustação de diversas bebidas, além do café, como cachaça, azeite, vinho, uísque e cerveja. A obra traz suas origens, lendas e histórias, além de curiosidades e metodologias para a degustação dos ingredientes.

Através de um linguagem divertida e leve, o autor leva ao público uma obra perfeita para quem deseja saber mais sobre a profissão, mas também para os amantes das bebidas abordadas. Apesar de trazer a técnica, o livro é descontraído, bem humorado e mostra toda a paixão do autor pela degustação.

Com a palavra, Dr. Marcelo Motta, médico e cafeicultor, cluster turístico no circuito do Vale do Café no Rio de Janeiro” e desenvolvedor do Projeto Café no Vale, reinserindo a cafeicultura nas áreas da Mata Atlântica devastadas pelo Ciclo do Café em 1830:

“O mestre Alaerte é, sem dúvida, um dos ícones de referência em Cafés de Qualidade. É um parceiro incentivador, crítico, fiel escudeiro em minhas ideias e também no desenvolvimento e execução do Projeto Café no Vale. O Mestre Alaerte soube me acolher e buscar com sua extrema paciência, conhecimento, respeito, consideração, empatia e delicadeza, aflorar e desenvolver a minha sensibilidade. Consegui superar os conhecimentos. Estou consciente de que sou ainda um iniciante, porém, como diz o provérbio chinês, ‘até a mais alta torre começa do chão’. A base do curso, em especial, foi o Alaerte quem me deu”.

Com a palavra, Marcos Palmeira, ator e cafeicultor:
Um dos parceiros do degustador Alaerte Barbosa é a fazenda de produtos orgânicos Vale das Palmeiras, do ator Marcos Palmeira. Confira seu relato sobre o autor:

“O mestre Alaerte disse uma expressão que ficou gravada na minha memória. Café é uma arte; a qualidade começa no grão cru, evolui na torra adequada (média ou moderadamente escura) para não ficar com gosto de café queimado. Consolida-se com o aroma intenso, característico e marcante. Realiza-se com o excelente sabor suave e muito doce por natureza. Se for orgânico, fica mais valorizado, preservando ainda mais suas propriedades. O café faz parte da alma do brasileiro, seja no café da manhã, após as refeições, seja na leitura de um bom livro como este, o café é indispensável nesses momentos inesquecíveis. Felicidades e boa sorte!”.

O autor:
O autor tem formação Superior (administrador), é empresário, consultor técnico de café, professor de cursos de classificação e degustação de café, barista, apreciador e torrador de café. Completou 54 anos de trabalho como degustador de café, sendo que 30 anos dedicados ao extinto Instituto Brasileiro do Café-IBC, 1 ano na Bolsa de Gêneros Alimentícios, 8 anos na Associação Brasileira dos Industriais do Café e 15 anos como Diretor da empresa Grão Mestre Café, ministrando cursos para diversos seguimentos da cafeicultura brasileira.

Posts relacionados

Lagartas e Borboletas

Redação

Dia da Bandeira do Brasil: páginas sangrentas de uma história imperial

Redação

Vencedor do Prêmio Sarau Brasil 2018 lança livro sobre crises existenciais contemporâneas

Redação

Hilber Cunha lança livro em café do Central Prime

Redação

Os fatos mais importantes que marcaram toda a sociedade

Redação

Coffee Table Books: Ousadia na literatura (nada) tradicional no Brasil

Redação

Deixe um comentário