Danilo Caymmi celebra os 50 anos dos festivais da canção

Andança, composição de Danilo Caymmi, Edmundo Souto e Paulinho Tapajós, foi lançada no Festival Internacional da Canção de 1968 e se tornou um sucesso imediato na voz de Beth Carvalho. Conquistou o 3º lugar no festival, ficando atrás de Caminhando (Pra não dizer que não falei de flores) de Geraldo Vandré e da campeã Sabiá (Tom Jobim/Chico Buarque). Esse resultado provocou uma das maiores vaias já vistas no maracanãzinho, palco da finalíssima, pois o público em sua maioria torcia para a canção-manifesto de Vandré.

Esse era o clima do ano de 1968 no Brasil, que o jornalista Zuenir Ventura batizou de “o ano que não terminou”. O país já estava em seu 4º ano de golpe militar e a famosa Passeata dos Cem Mil, com artistas e estudantes nas ruas sem uma repressão forte do governo poderia indicar que o regime militar estava perdendo força. Mas em dezembro de 1968, com a instauração do AI-5, um golpe dentro do golpe, se iniciou o maior período de repressão da história brasileira.

No show Andança 50 Anos Danilo Caymmi, artista com 50 anos de carreira e 17 discos lançados, relembra musicalmente essa época em que os festivais da canção eram o principal palco de lançamento de novos compositores e cantores. Dos primeiros festivais Danilo vai lembrar a participação de seus irmãos. No Festival Internacional da Canção (FIC) de 1966 a vencedora foi Saveiros, do seu irmão Dori Caymmi (e letra de Nelson Motta) e interpretada por sua irmã, Nana Caymmi. No festival da TV Record de 1967 foram apresentadas O Cantador (Dori Caymmi/Nelson Motta) e Bom dia (Nana Caymmi/Gilberto Gil) e outros clássicos da MPB como Ponteio (Edu Lobo/Capinam) e Eu e a Brisa (Jhonny Alf).

Nessa mesma época foi fundado no Rio de Janeiro o movimento Música Nossa por grandes nomes da música como Antônio Adolfo, Joyce, Rildo Hora, entre outros. Boa parte das canções compostas por esse grupo foi definida como “toada moderna”, que segundo o pesquisador Zuza Homem de Mello “procurava juntar influências harmônicas da bossa nova a estruturas tradicionais da música brasileira, no caso a toada”. Andança é uma toada moderna, assim como Sá Marina (Antônio Adolfo/Tibério Gaspar) e Viola Enluarada (Marcos e Paulo Sérgio Valle), duas canções que também estão no repertório deste show. Sobre Viola Enluarada vale lembrar que logo após o festival de 1968 Danilo Caymmi dividiu o palco com Marcos Valle e Milton Nascimento num show de grande sucesso reunindo canções com forte apelo popular que já nasciam clássicas. Neste novo espetáculo Danilo vai cantar duas composições daquele show: Travessia (com Fernando Brant), segunda colocada no II FIC em 67, e Vera Cruz (letra de Marcio Borges) que foi desclassificada na eliminatória mineira no mesmo festival de Andança.

Assim como em todos os shows de Danilo o público participa de Andança com um coro em uníssono no contracanto do refrão: “Me leva amor, amor, por onde for quero ser seu par”. Aos 50 anos, Andança e o ano de 1968 ainda estão vivos e serão cantados por Danilo Caymmi nesse show que retrata um dos momentos mais importantes da Música Brasileira e da história recente do país.

O conteúdo moral é a melhor herança que a geração de 1968 pode deixar para um país cada vez mais governado pela falta de memória e pela ausência de ética”. -Zuenir Ventura em “1968, o ano que não terminou”

REPERTÓRIO

  • Andança (Danilo Caymmi/Edmundo Souto/Paulinho Tapajós)
  • Sabiá (Tom Jobim/Chico Buarque)
  • Caminhando (Geraldo Vandré)
  • Travessia (Milton Nascimento/Fernando Brant)
  • Viola Enluarada (Marcos e Paulo Sérgio Valle)
  • Casaco Marrom (Danilo Caymmi/Renato Corrêa/Guarabira)
  • Ponteio (Edu Lobo/Capinam)
  • Saveiros (Dori Caymmi/Nelson Motta)
  • O Cantador (Dori Caymmi/Nelson Motta)
  • Vera Cruz (Milton Nascimento/Marcio Borges)
  • Sá Marina (Antônio Adolfo/Tibério Gaspar)
  • Eu e a Brisa (Jhonny Alf)
  • Bom dia (Nana Caymmi/Gilberto Gil)
  • Wave (Tom Jobim).

Sábado: 20h e 22:30h

Setor Premium: R$120,00 (inteira)/ R$60 (meia)

Setor Lounge: R$90,00 (inteira)/ R$45 (meia)

Abertura da casa: 19h. Após o término do primeiro set, o público deverá deixar o salão em até 30 minutos. Para o segundo set, a entrada do público na varanda da casa será liberada a partir das 20:30 sujeita a lotação. Às 22:00, será liberada a entrada no salão. Após o término do show, o público deverá deixar o local em até 30 minutos.

Classificação: Livre (menores acompanhados dos responsáveis)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.