20.5 C
New York
junho 26, 2019
Cinema

Crítica | Um Ato de Esperança

📷 A2 Filmes / Divulgação

Um Ato de Esperança retrata o embate da racionalidade científica contra os fundamentalismos religiosos

Dentre o conjunto de sistemas culturais e de crenças que relacionam a humanidade com a espiritualidade, conhecidas como religião, existe uma denominação cristã chamada Testemunhas de Jeová, que possuem adeptos em 240 países e territórios autônomos, com cerca de 8,5 milhões de praticantes. São conhecidas pelo seu trabalho regular e persistente de pregação de seus princípios e dogmas de casa em casa ou em locais públicos.

Confira >>> Crítica | Nós

Acreditam em Deus (chamado pelos seus adeptos de Jeová) e Jesus, mas ao contrário do que reza as demais religiões cristãs (como catolicismo e protestantismo), são antitrinitarismo,  ou seja, recusam-se a acreditar no conceito de um Deus Trino (três pessoas consubstanciais: o Pai, o Filho e o Espírito Santo), rejeitando a doutrina de Trindade.

Ian McEwan, autor britânico e ateu, publicou em 2014 o seu romance The Children Act (o título é uma referência ao Children Act 1989 , uma lei do Parlamento do Reino Unido que pode ser comparada ao Estatuto da Criança e Adolescente brasileiro). Sua inspiração para o desenvolvimento do seu romance se deu através de uma reunião com um grupo de juízes, onde o anfitrião o apresentou um volume encadernado com os seus próprio julgamentos e também as visitas que recebia das Testemunhas de Jeová, quando os abordava com a pergunta: você deixaria seu filho de 8 anos morrer, se para salvá-lo fosse preciso uma transfusão de sangue?

Além de serem conhecidas por recusarem muitas das doutrinas centrais das demais religiões cristãs, eles se recusam em aceitar transfusões de sangue, para eles o líquido é precioso e um presente de Deus. Ao passar por uma transfusão, removeria sua pureza. Com este cenário, o livro de McEwan ganhou uma adaptação cinematográfica, cujo título Um Ato de Esperança, estreia nesta quinta-feira, 21 de março, em circuito alternativo brasileiro.

Na sinopse, com seu casamento com Jack (Stanley Tucci) em ruínas, a juíza Fiona Maye (Emma Thompson), proeminente membro da Alta Corte Britânica, tem em suas mãos uma decisão que pode mudar muitas vidas. Pelo poder que a justiça lhe concede, Fiona pode obrigar um garoto chamado Adam (Fionn Whitehead) que está entre a vida e a morte a receber uma transfusão de sangue, um procedimento simples, que pode salvar sua vida. Entretanto, ele se recusa a receber o tratamento por motivos religiosos. Quebrando o protocolo, a juíza decide ir visitá-lo no hospital. Essa visita mudará para sempre não apenas sua perspectiva sobre a vida, como também despertará sentimentos que até então ela não se permitia experimentar.

📷 A2 Filmes / Divulgação

A vencedora do Oscar®, Emma Thompson (Razão e Sensibilidade) interpreta a Fiona Maye idealizada pelo seu criador da obra original. Ela é uma mulher talentosa, independente, forte e oficia na Vara da Família da Alta Corte britânica. Diante de um dilema: movidos por um dogma religioso, Testemunhas de Jeová se opõem a transfusões de sangue, Fiona precisa lidar com o caso de Adam Henry (interpretado brilhantemente por Fionn Whitehead, que também atuou em Dunkirk). Enquanto vive no dilema entre seguir a vontade de uma família religiosa, que pode custar uma vida e cumprir com o que está estabelecido na legislação, ela vive uma crise no seu casamento.

O marido Jack, vivido aqui pelo sempre talentoso Stanley Tucci (Um Olhar do Paraíso) sai de casa para viver um romance, ela precisa julgar o caso de Henry com toda a segurança que só a sua experiência profissional pode lhe proporcionar. Até que ela toma uma atitude nada convencional: visitar o garoto no hospital e saber qual é a sua real vontade.

Neste momento, o espectador não consegue adivinhar a decisão que magistrada irá tomar. Graças a condução de  Thompson e Whitehead em cena. A química é muito forte e ambos protagonizam um grande momento. Ora dramatizando versos de poesias, ora tocando violão. Outra observação interessante é que geralmente, Juízes são retratados nos cinemas julgando crimes violentos. Um Ato de Esperança traz uma juíza atuando em complexos assuntos familiares e que envolvem menores de idade.

Com uma Emma Thompson empoderada, Um Ato de Esperança é mais uma grande drama inglês, que enaltece o poder da sua protagonista. Apresenta um roteiro interessante e uma direção de alto nível. É uma obra para ser apreciada na tela grande.

Cotação: Muito bom

Assista ao trailer:

Posts relacionados

Animação com João Guilherme, “CORGI: Top Dog” Ganha nova data de lançamento

Redação

Festival do Rio 2018 apresenta ao público cinco filmes ambientados na Amazônia

Redação

Deslembro estreia nos cinemas dia 20 de junho

Redação

Crítica | Shazam!

Redação

San Diego Comic-Con 2018 | Warner Bros. Pictures leva público ao delírio com novos trailers dos principais lançamentos 2018 e 2019

Alyson Fonseca

IV Festival Oscarito de Curtas no Teatro Riachuelo Rio

Redação

1 comentário

Crítica | Shazam! - Sopa Cultural abril 3, 2019 at 12:03

[…] Confira >>> Crítica | Um Ato de Esperança […]

Resposta

Deixe um comentário