Emilinha (foto: Guido Giacomzzi )
Emilinha (foto: Guido Giacomzzi )
Concorrendo ao Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria Melhor Atriz em Musical, pelo espetáculo “Emilinha”, Stella Maria Rodrigues vive a lendária Emilinha Borba, pela segunda vez, no teatro. No palco, Stella veste roupas originais da diva, cedidas pelo fã-clube da cantora. Com a casa sempre cheia, o espetáculo, que vem recebendo convites de teatros de todo o Brasil, encerra temporada no dia 29 de julho, mas retorna aos palcos do próprio Maison, no dia 9 de agosto, às quartas e quintas-feiras, até o dia 31 de agosto, aliás, dia em que Emilinha faria aniversário de 94 anos de idade. E até o dia 30 de julho, no mesmo espaço, Stella mostra  toda a sua versatilidade na comédia solo “Solteira, casada, viúva, divorciada”, em que vive quatro mulheres distintas, com sessão aos domingos.
 
Conhecida atriz de musicais, Stella Maria já deu vida a Emilinha Borba em “Emilinha e Marlene, as cantoras do rádio”, musical de sucesso encenado em 2011, ficando quase um ano em cartaz no Teatro Maison de France. Agora, ela volta ao universo da lendária diva, concentrando-se unicamente na história de Emilinha. A direção é de Sueli Guerra.
 
Neste musical, Stella revive episódios emblemáticos da história de Emilinha e apresenta um vasto repertório de grandes clássicos da MPB, boleros românticos e inesquecíveis marchinhas de carnaval. Grandes sucessos, entre eles CHIQUITA BACANA, ESCANDALOSA, ASA BRANCA, QUEM PARTE LEVA SAUDADE, SE QUERES SABER, MULATA YÊ YÊ YÊ, VAI COM JEITO, TOMARA QUE CHOVA, BANDEIRA BRANCA, entre outros. O roteiro é da própria Stella Maria Rodrigues e os textos de Thereza Falcão.
 
“Emilinha, uma das cantoras mais populares desse país, que aprendi a amar durante o musical ‘Emilinha e Marlene, as Rainhas do Rádio’. Me encanta a magia, o amor dos fãs, o repertório. Uma Época de Ouro.”, conta Stella Maria Rodrigues, que é acompanhada pela pianista e regente Cristina Bhering, pelo baterista Affonso Neto e pelo baixista Raul Oliveira. E conta com a participação do ator e cantor Fabrício Negri em alguns duetos e numa homenagem ao Programa César de Alencar. A eterna rival/amiga Marlene também é homenageada no espetáculo.
 
Em cena, Stella Maria veste roupas originais de Emilinha, cedidas pelo seu fã-clube para o espetáculo. E mais: uma exposição com peças do acervo de Emilinha Borba – faixas, troféus, figurinos – estará no hall do teatro durante toda a temporada. O material também foi cedido pelo fã-clube da cantora, que vem colaborando com a produção ao longo de todo processo.
 
A direção de Sueli Guerra, iluminação de Paulo Cesar Medeiros e a direção de produção de Valeria Macedo.
 
Já em “Solteira, casada, viúva, divorciada”, Stella interpreta quatro mulheres possíveis. Felizes, loucas, divertidas, estranhas, solitárias, sedutoras. Diferentemente da primeira encenação, há 26 anos, com Lília Cabral, desta vez, as histórias das quatro mulheres se entrelaçam, criando uma 
narrativa de fluxo contínuo, na qual cada personagem surge da situação anterior. A direção é de Alexandre Continni.
 
“A encenação busca transcender os rótulos que intitulam o espetáculo, conseguindo a libertação dessas figuras representadas ali. As personagens transbordam nuances, não se limitando ao seu estado civil atual, a partir delas, nós podemos mergulhar em questões que assolam o ser humano, como a solidão, a lealdade, a aceitação, o empoderamento feminino, a liberdade sexual ou até mesmo a falta dela.”, explica o diretor.
 
Numa adaptação feita pelo diretor e pela atriz, as histórias das quatro mulheres se entrelaçam, criando uma narrativa de fluxo contínuo, onde cada personagem surge da situação anterior, indo e voltando ao longo do espetáculo, diferentemente da primeira encenação, há 26 anos, com Lília Cabral.
“A proposta da direção foi entrelaçar essas quatro histórias, contá-las ao mesmo tempo construindo um final apoteótico. Dessa forma elas se complementam e se unificam tratando sobre os dilemas apresentados de forma bem-humorada e delicada.”, conta o diretor Alexandre Continni.
 
A direção de movimento é de Sueli Guerra, a iluminação de Paulo Cesar Medeiros, o figurino de Marcelo Marques e a direção de produção de Valeria Macedo.
 
Serviços:
 
EMILINHA
Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antonio Carlos 58, Centro – Telefone: (21) 2544-2533
Quinta a sábado, às 19h
Duração: 75 min 
Gênero: musical 
Classificação: livre 
 
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada) 
Temporada  até 29 de julho
Reestreia dia 9 de agosto
Quarta e quinta, às 19h
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada) 
Temporada até 31 de agosto.
Capacidade: 353 espectadores
 
SOLTEIRA, CASADA, VIÚVA, DIVORCIADA
Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antonio Carlos 58, Centro – Telefone: (21) 2544-2533
Domingo, às 18h 
Duração: 75 min 
Gênero: comédia 
Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia entrada) 
Classificação: 14 anos 
Temporada até 30 de julho 
 
Capacidade: 353 espectadores