Com “Nuvens Insetos”, Cia Fragmento de Dança inicia mostra de trabalhos no Kasulo

Durante os meses de novembro e dezembro, a Cia Fragmento de Dança reúne trabalhos de seu repertório inspirados na investigação de artistas, obras e conteúdos confessionais, em temporadas que se intercalam quinzenal ou semanalmente, no Kasulo Espaço de Cultura e Arte. Para o ingresso pede-se a contribuição de alimentos não perecíveis para doação.

A ação faz parte do projeto “Atravessamentos”, contemplado pela 20ª edição do Programa de Fomento à Dança, e nasce do desejo de reunir trabalhos da Cia. que discutem questões relacionadas à autobiografia nas artes, não somente como material abordado nos processos criativos, mas também como linguagem cênica. “Sabemos que a discussão sobre o que é real e o que é ficção não tem fim. Tudo é ficção, se você está num palco, mas tudo é real porque nos atravessa no aqui e agora da cena. Como reconhecer o ‘real’ de nós mesmos?”, indaga Vanessa Macedo, diretora da companhia.

A estreia da proposta se dá de 3 a 13 de novembro, com “Nuvens Insetos”, trabalho  inspirado nos afetos que provocam uma “última carta” (de ruptura, de despedida,  suicida). Originalmente criado em 2011, quando a Cia abordou passantes do Centro Cultural São Paulo e coletou cartas a partir da pergunta “o que você escreveria se fosse sua última carta?”, em 2016, a pergunta foi refeita, dessa vez, na Praça da Sé. O contexto e a época possibilitaram experiências diversas, mas há em comum pedidos de desculpa, saudade, histórias interrompidas. A criação reflete sobre o conteúdo dessas cartas e também sobre formas de comunicação, num tempo marcado pelo mundo virtual e pela carência de relações presenciais.

Em “Nuvens Insetos”, a pesquisa também passou pelo estudo da linguagem das libras como possibilidade de explorar outras expressividades no corpo. Real e ficcional se misturam, buscando formas de se encontrar no outro e de encontrar o outro em si.

Próximas temporadas

Três outros trabalhos compõem a proposta que segue nessa linha de abordagem de processos artísticos autobiográficos. “Um Corpo Só” (2015), solo-depoimento em que Vanessa Macedo retoma experiências significativas inscritas em seu corpo, fundindo passado e presente, ocupa o Kasulo de 17 a 20/11.

Nas duas próximas semanas – 24/11 a 4/12 – é a vez de “Beije minha alma” (2008), criação coreográfica premiada no 12º Cultura Inglesa Festival (2008), que investiga a obra da artista plástica britânica Tracey Emin,   conhecida por criar a partir de experiências pessoais de fracasso, humilhação, frustração e culpa, para suscitar questões relacionadas às relações humanas, preconceitos e moralismos da sociedade.

O último trabalho a ser revisitado (de 8 a 11/12), “Corpos Frágeis” (2010), discute o feminino, considerando fragilidade e força como paradoxos próprios da existência, a partir do livro “Corpos Frágeis, Mulheres Poderosas”, de Maria Martoccia e Javiera Gutierrez, que reúne a vida de nove mulheres – entre elas Frida Kahlo e Virginia Woolf – figuras expoentes de seu tempo, que desbravaram questões de gênero e enfrentaram condições específicas de seus corpos relacionadas a doenças, acidentes e vícios.

Serviço: Cia Fragmento de Dança

“Nuvens Insetos”, de 3 a 13/11;

“Um Corpo Só”, de 17 a 20/11;

“Beije Minha Alma”,  de 24/11 a 4/12;

“Corpos Frágeis”, de 8 a 11/12;

(quintas, sextas e sábados, 21h; domingos, 19h)

Kasulo – Espaço de Cultura e Arte

(Rua Sousa Lima, 300, Barra Funda, São Paulo 36667238)

Entrada: alimentos não perecíveis para doação

Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: maiores de 16 anos

Sinopses

Nuvens Insetos (2012)
3 a 13/11
Inspirado nos afetos que provocam uma “última carta”. Cartas de ruptura. Cartas de despedida. Cartas suicidas. Em 2011, os passantes do Centro Cultural São Paulo foram abordados a partir da seguinte pergunta: “O que você escreveria se fosse sua última carta?”. Em 2016, a pergunta foi refeita, dessa vez, na Praça da Sé. Mais de 150 cartas foram coletadas. O contexto e a época possibilitaram experiências diversas, mas há em comum pedidos de desculpa, saudade, histórias interrompidas. A criação reflete sobre o conteúdo dessas cartas e também sobre formas de comunicação num tempo marcado pelo mundo virtual e pela carência de relações presenciais.

Um Corpo Só (2015)

17 a 20/11

Ficção autobiográfica. Dança depoimento. Espaço de memórias. Na retomada de experiências significativas inscritas no corpo, passado e presente se fundem, num elo de negação, afeto e dor. Vanessa Macedo experimenta, de um novo jeito, a relação com os rigores da ginástica rítmica, a paixão pelo teatro, as aulas de piano. Isso tudo se mistura à dança que lhe interessa hoje, fricção entre forma-sentido, sedução por artistas e obras confessionais, discussão do feminino. Sonhos que atravessam e são atravessados de vida e ficção.

Beije Minha Alma (2008)

24/11 a 4/12

Trabalho premiado no 12º Cultura Inglesa Festival (2008) que investigou a obra da artista plástica britânica Tracey Emin, conhecida por criar a partir de experiências pessoais de fracasso, humilhação, frustração e culpa. Na criação coreográfica, busca-se discutir situações ligadas às relações humanas, preconceitos e moralismos da sociedade. Ao espectador, é proposto o lugar de voyeur, observador e invasor de um ambiente íntimo e solitário.

Corpos Frágeis (2010)

8 a 11/12

Coloca em cena a poética do feminino enquanto potência sensível. A pesquisa partiu do livro “Corpos Frágeis, Mulheres Poderosas”, de Maria Martoccia e Javiera Gutierrez, que reúne a vida e obra de nove mulheres, dentre as quais destacamos Frida Kahlo e Virginia Woolf. Em comum entre elas está o fato de terem sido figuras expoentes de seu tempo, desbravando questões de gênero e enfrentado condições de seus corpos relacionadas a doenças, acidentes, vícios. Em “Corpos Frágeis” não há personagens ou traços específicos dessas mulheres, e sim o interesse em discutir o feminino, considerando fragilidade e força como paradoxos próprios da existência.

Ficha técnica

Coreografia e Direção Vanessa Macedo | Assistência de coreografia Maitê Molnar |

Intérpretes Chico Rosa, Daniela Moraes, Diego Hazan, Flavia Tiemi, Maitê Molnar, Rafael Sertori e Vanessa Macedo | Colaboração artística Angela Nolf | Iluminação André Prado (Sandro Borelli – ‘Corpos Frágeis’) | Trilha sonora Gustavo Domingues  (‘Nuvens Insetos’ e ‘Corpos Frágeis’);  Carlos André e Vanessa Macedo, com colaboração de Murilo Emerenciano (‘Um Corpo Só’), Allen Ferraudo (‘Beije Minha Alma’) | Cenografia Nani Brisque (‘Beije minha alma’ e ‘Corpos Frágeis’) | Figurino Nani Brisque (pesquisa original de Beije Minha Alma e Corpos Frágeis), Daíse Neves (Um Corpo Só e releitura dos demais figurinos com colaboração da Cia. Fragmento) | Produção executiva  Margarida Sequeira Duarte

www.ciafragmentodedanca.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.