“Clarice no país da música” no SESC Copacabana

“Clarice no país da música” integra a programação “A hora de Clarice”, homenagem à escritora na semana de seu aniversário. Sarau músico-literário dia 6/12 (terça-feira), às 20h, entrada franca

Clarice Lispector, uma das mais cultuadas escritoras da literatura brasileira é homenageada pelo Sesc-Rio, no contexto da programação “A hora de Clarice. “Clarice no país da música”, no próximo dia 6/12 (terça-feira), leitura dramatizada acompanhada de violino ao vivo, traz, com a música, abordagem inédita, em relação ao que já foi apresentado sobre a escritora. 

O sarau músico-literário tem a participação dos atores Helena Varvaki, Ester Jablonski e Alexandre Dantas , e do violinista André Bucowicks, sob direção de André Paes Leme. A dramaturgia é da professora do departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, Clarisse Fukelman. 

O projeto se inspira na música,  elemento central de suas criações, marcadas pela cadência e pelo ritmo. Nas obras, ela se refere a diversos compositores. Na abertura de “A hora da estrela”, declara: “Dedico-me à tempestade de Beethoven, á vibração das cores neutras de Bach, a Chopin que me amolece os ossos.” Quando entrevistou Tom Jobim, confessou: “Acho que o som da música é imprescindível para o ser humano e que o uso da palavra falada e escrita é como a música”. 

A dramaturgia, com duração de  60 minutos, resulta de pesquisa minuciosa de Clarisse Fukelman, em livros de ficção,  cartas, biografias e entrevistas com familiares, que revelaram a paixão da autora por música folclórica russa.  

Divulgação

Programação CLARICE NO PAÍS DA MÚSICA
Sesc Copacabana : Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana.Tel.: 2547-0156
Dia 6/12, terça-feira, 20h.
Entrada franca (com distribuição de senhas 30 minutos antes)
Classificação: livre

FICHA TÉCNICA
Direção:  André Paes Leme
Elenco: Helena Varvaki, Alexandre Dantas  e Ester Jablonski 
Violinista: André Bukowski (violino) 
Dramaturgia e pesquisa : Clarisse Fukelman
Produção: Veredas Promoções Culturais    

Stravinsky, Richard Strauss , Debussy, Marlos Nobre, Prokofiev, Carl Orff, Schoenberg, aos dodecafônicos, aos gritos rascantes dos eletrônicos – a todos esses que em mim atingiram zonas assustadoramente inesperadas, todos esses profetas do presente e que a mim me vaticinaram a mim mesmo a ponto de eu neste instante explodir em: eu.  (trecho de A hora da Estrela, outra paragrafação)