Berta Loran no “Vai Que Cola”

Ontem,  2ªf, dia 02 de outubro, a atriz comediante Berta Loran participou do primeiro capitulo do “Vai Que Cola”. Capitulo de despedida do ator Paulo Gustavo do sitcom. Como sempre, arrasou. Logo em sua entrada, contou piadas para o público, brincou com o Marcus Magella, improvisou com o Paulo Gustavo e foi acarinhada por todo elenco.  Ao final, PG pediu aplausos para a veterana.

Falabella é Deus no Teatro.
Miguel Falabella estreou nesse fim de semana a comédia “GOD” no Oi Casa Grande. Ele interpreta o personagem DEUS que desce à terra pra consertar aquilo que considera errado. Imagine quantas confusões ele pode provocar.

No fim de semana ele recebeu muitos amigos, entre eles a diretora Jaqueline Laurence, os atores Edwin Luisi, Françoise Fourton, Luisa Thiré, Totia Meirelles, Silvia Massari, Marcos Caruso (foto),  o autor/diretor Flavio Marinho, o rei das marchinhas João Roberto Kelly, os cenógrafos José Dias e Colmar Diniz e até o ministro do STJ Luis Roberto Barroso. Todos se divertiram muito com essa comédia imperdível!

Em cartaz no Oi Casa Grande até 29/10, com apresentações sempre 6af e sábado 21h e domingo 19h.

Ministro do STF Assiste GOD.
Três dias de Teatro Lotado. Foi assim a estreia da comédia GOD no Oi Casa Grande. Entre muitos colegas da classe artística, quem também se divertiu com Miguel Falabella interpretando Deus, foi o Ministro do Supremo Tribunal Federal LUIS ROBERTO BARROSO que assistiu o espetáculo ao lado da sua esposa Tereza Cristina Van Brussel Barroso.  Eles adoraram e deram boas risadas. O ministro foi cumprimentado por muita gente que o reconheceu na plateia.

Falabella é enredo da Unidos da Tijuca.
Neste sábado (30/09), Miguel Falabella convidou os colegas de sua produção, GOD, em cartaz no Oi Casa Grande/ Leblon, para prestigiarem o ensaio da Escola de Samba Unidos da Tijuca, onde será enredo para o próximo Carnaval: “Um Coração Urbano: Miguel, o Arcanjo das Artes, Saúda o Povo e Pede Passagem”, de autoria de Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, com ele na foto abaixo.

Falabella apoia Fernando Horta para presidência do Vasco da Gama.

Não restam duvidas, Miguel Falabella apoia o presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta à presidência do seu time, o Vasco da Gama. Fora Eurico! Sorte Fernando Horta!

Romário lança livro Bomba e pede prisão aos cartolas da CBF.


No início de setembro, durante a Bienal do Livro, o ex-jogador e senador Romário lançou seu livro ““Um Olho na Bola, Outro no Cartola – o Crime Organizado no Futebol Brasileiro” (Editora Planeta, 256 páginas, R$ 44,90).

O craque quer ver os principais dirigentes do futebol brasileiro, em especial o comando da CBF na cadeia. Para isso, reuniu em 256 páginas todo o tipo de crimes, que segundo ele, foram cometidos pelos dirigentes do nosso futebol.

No livro, ele denúncia a corrupção no mundo do futebol. Na semana anterior ao lançamento, a CBF quis embargar o lançamento, mas não conseguiu. “Tô tranquilão, tudo o que tá lá, tá documentado. Tenho provas, então não podem chiar. Vai doer, mas não podem chiar. É uma bomba dentro de um livro. Vai mostrar prá todo mundo que tipo de corrupção, de sacanagem existe por trás do futebol brasileiro e dentro da CBF”, adiantou.

Em entrevista à ESPN e também no Programa “Bem Amigos” do Galvão Bueno, no Sportv, Romário declarou:

“Eu espero e tenho certeza que o presidente atual (Del Nero) será preso e o anterior, Ricardo Teixeira e o Zé Maria Marin, também. Isso será um grande acontecimento, que pode ter um grande efeito positivo no nosso futebol e automaticamente na CBF. Tem que mudar 90% a administração da CBF e colocar pessoas capazes. Pessoas que entendam o que estão fazendo e pessoas em que o bem esteja acima de qualquer outro interesse”.

Romário adianta que no livro conta detalhes de como cartolas movimentam dinheiro ilícito e os interesses nefastos na venda dos jogos da Seleção Brasileira.

“Descobrimos contas de laranjas, que algumas pessoas do futebol, como o Del Nero, tem fora (do  País). Através dessas contas eles movimentam dinheiro ilícito e ilegal. Infelizmente, no que se refere aos jogos amistosos da Seleção, o Brasil nem sempre leva seus melhores jogadores, leva os mais famosos e os mais conhecidos porque determinadas parcerias determinam isso. São dois exemplos de casos que descobrimos”.

Carlos Vereza perdoa Judas em monologo teatral

Semana passada, o ator-autor-diretor Carlos Vereza esteve no Programa “Conversa Com Bial” divulgando seu novo espetáculo, “Iscariotes, a Outra Face”, um oratório livremente inspirado no Evangelho de Judas Iscariotes.

Segundo ele, a proposta da peça é promover o perdão para toda família e amigos, através do perdão a Judas. “Eu sempre achei estranho que Judas fosse estereotipado como a caricatura do mal absoluto. Não é possível que o império romano, que dominava mais da metade do mundo, necessitaria de um beijo para identificar o mestre?”   

Na versão tradicional da história cristã, Judas é apontado como o traidor de Cristo. Já na versão criada por Vereza, a partir de um evangelho apócrifo, que ficou perdido por 1.600 anos e foi encontrado em uma caverna no deserto egípcio, Judas foi o discípulo mais amado por Jesus. O autor afirma que foram três anos de intensa pesquisa e estudo sobre o evangelho de Judas para chegar ao resultado diferente e polêmico, que é apresentado ao público.

“Não pretendo e nem acredito que ele seja a versão definitiva de um acontecimento que mudou, definitivamente, a história da humanidade dois mil anos atrás. Tento, apenas, entender este apóstolo tão estigmatizado nas narrativas canônicas, em um contexto sócio-político e religioso da época”, explica Vereza, que tem mais de 40 novelas no currículo, 30 peças  teatrais e mais de 10 prêmios conquistados em sua trajetória.

O espetáculo que estreou em abril/2017 em Petropolis, fará temporada, a partir da 2ª quinzena de outubro,  no Teatro Fashion Mall, no RJ.

Confiram em https://gshow.globo.com/programas/conversa-com-bial/noticia/carlos-vereza-discute-a-montagem-de-monologo-sobre-judas.ghtml

“Bingo…” é o filme brasileiro indicado a uma vaga ao Oscar 2017.

“Bingo, o Rei das Manhãs”, de Daniel Rezende e o ator Vladimir Brichta como personagem título,  foi o filme indicado pelo Brasil para tentar uma vaga entre os indicados ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

O filme é a cinebiografia de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do palhaço “Bozo” no programa matinal homônimo da televisão brasileira durante a década de 1980. Barreto alcançou a fama graças ao personagem, apesar de jamais ser reconhecido pelas pessoas por sempre estar fantasiado. Esta frustração o levou a se envolver com drogas, chegando a utilizar cocaína e crack nos bastidores do programa.

O filme é muito bom mesmo e será exibido no 10º Festival de Cinema Brasileiro em Moscou, na   Rússia.  

Karl Marx Baixa no Leblon

Isso mesmo, Karl Marx ( 1818 – 1883 ) filósofo, sociólogo, jornalista e revolucionário socialista, baixa no palco do Oi Casa Grande ( dias 03 e 10 /10, 3ªf 20h), na pele do ator Jitman Vibranovski no espetáculo “Marx Baixou  Em Mim: Uma Comédia Indignada” escrita por Howard Zinn, intitulada originalmente “Marx em Soho”.  

O filósofo que revolucionou o mundo pede para descer à Terra porque está indignado e quer limpar o seu nome detratado pelos defensores do capitalismo, que vitorioso resultou, como previsto por Marx, na riqueza ficando nas mãos de poucos.

Ao final da apresentação o ator Jitman promove um debate com a plateia e passa o “chapéu” pra quem quiser colaborar com a continuidade do espetáculo. Entrada Gratuita.

Cenas do espetáculo:

Estress, Nunca Mais!

Aos (muitos) amigos que vivem estressados, eu indico a massagem relaxante que o Kicko Ribeiro oferece, todos os Sábados, na Praça José de Alencar, no Catete. Marque seu atendimento personalizado através do Tel. 98145-4170 (Kicko).

Caetano em Família!

O cantor e compositor Caetano Veloso, sobe ao palco do Theatro Net Rio (em Copacabana), durante todas as 3ªs e 4ªs feiras 21h, de outubro/2017, com os  filhos Moreno, Zeca e Tom para apresentar o show inédito “CAETANO MORENO ZECA TOM VELOSO”.

Caetano Veloso informa que “Há muito tempo tenho vontade de fazer música junto a meus filhos publicamente. Desde a infância de cada um deles gosto de ficar perto. Cada um é um. Sempre cantei para eles dormirem. Moreno e Zeca gostavam. Tom me pedia pra parar de cantar. Indo por caminhos diferentes, todos se aproximaram da música a partir de um momento da vida. Moreno, que nasceu vinte anos antes de Zeca, formou-se em física. Tom, que nasceu cinco anos depois de Zeca, só gostava de futebol. Moreno e Tom já se profissionalizaram como músicos. Zeca, depois de passar parte da adolescência experimentando com música eletrônica, começou a compor solitariamente. Quero cantar com eles pelo que isso representa de celebração e alegria, sem dar importância ao sentido social da herança. É algo além até mesmo do “nepotismo do bem”, na expressão criada por Nelson Motta.

Faz uns anos, fiz, atendendo a um convite específico, um show com Moreno, que foi uma das melhores coisas que já aconteceram na minha vida. No show que faremos agora, voltaremos a certas canções impossíveis de serem descartadas, como “Um canto de afoxé para o bloco do Ilê” ou “Sertão”. Moreno tem uma linha criativa extremamente refinada. Os trabalhos com o grupo +2 são uma marca profunda e duradoura da sua geração. Seu disco individual é um dos mais belos exemplos de delicadeza da história da canção brasileira.

Logo depois comecei a fazer o trabalho com a Banda Cê e “Recanto pra Gal”. Moreno esteve em todos esses projetos como produtor, trazendo sua sabedoria. No meio tempo, Zeca e Tom foram crescendo. Tom, no começo, nem ligava pra música. Hoje faz parte da banda Dônica e é, de nós quatro, o mais naturalmente dotado para as relações entre as alturas, os tempos e todos os signos musicais. Zeca, que sempre adorou música, justo quando achava que não havia para si mesmo um caminho nessa atividade, compôs um grupo de canções comoventes. Ao ouvir uma delas, Djavan exigiu que ele a mostrasse em público. Ele resistiu, mas nesse show finalmente obedecerá a Djavan. Tom, em sua relação de discípulo com Cézar Mendes, desenvolveu uma capacidade de execução notável. E logo já começava a compor com seu mestre. Entrei como letrista numa dessas canções que ele fez com Cézar. E agora, na preparação desse novo show, fiz letra para uma música só sua.

Assim, no show apresentaremos algumas dessas coisas que cresceram em nós, de nós. E canções minhas escolhidas por eles. “O Leãozinho”, que os filhos de tanta gente pedem, os meus não deixaram de pedir. E coisas como “Reconvexo” têm de estar ali confirmando a linhagem. Há clássicos de Moreno e canções novas de todos (inclusive minhas).

Nas primeiras conversas, imaginamos chamar um pequeno grupo de músicos para enriquecerem os arranjos. Mas, ensaiando, decidimos ficar só os quatro no palco. O som será mais para o acústico e muito singelo. Eu sou o único que só toca violão. Os outros podem se revezar em alguns instrumentos. É um show familiar, nascido da minha vontade de ser feliz. Ter filhos foi a coisa mais importante da minha vida adulta. O que aprendi com o nascimento de Moreno – e se confirmou com as chegadas de Zeca e Tom – não tem nome e não tem preço. Mas nosso show também tem a responsabilidade de apresentar números com qualidade profissional. Creio que não somos uma família de músicos, como há tantas, dado o caráter comprovadamente genético do talento musical, mas seguramente somos músicos de família. Os shows são dedicados às mães deles, a Cézar Mendes e à memória de minha mãe”.  Não dá pra perder.

Chico e Vinicius para Crianças.
Carlos Navas tem 21 anos de carreira e dez discos lançados, dois dos quais infantis. “Algumas Canções da Arca” (2004) e “Canções de Faz de Conta” (2007). Neste espetáculo, apresenta um passeio lúdico pela beleza das canções do Poetinha Vinícius de Moraes eternizadas na série “Arca de Noé”, dos anos 80 e pela obra que Chico Buarque dedicou às crianças. Cantando para os pequenos, já foi visto em palco por mais de 250 mil pessoas desde sua estreia, em 2004. Clássicos como “A Casa”, “O Pato”, “Ciranda da Bailarina” e “História de Uma Gata” são alguns dos pontos altos deste espetáculo alegre e interativo. O espetáculo estará em cartaz na Sala Baden Powell, aos sábados e domingos 16h, a partir do dia 07/10.

Quem lembra do Harlem Globetrotters?

No passado, quando era criança e o time dos Harlem Globetrotters ainda se apresentavam no Estádio do Maracanãzinho, fui assisti-los com meu pai.  Ele achava ótima a apresentação dos astros profissionais do basquete norte-americano. Eram conhecidos como o “time de basquete mais famoso do mundo”, por fazer de suas partidas uma mistura de entretenimento e habilidades performáticas. Hoje em dia, com os jogos da NBA passando ao vivo em nossas Tvs, com jogos e jogadores incríveis, talvez esses gigantes do Harlem não tenham a mesma graça de outrora, mas quem sabe?

Quem quiser, poderá conferir na Jeunesse Arena (Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca), nesta 6ªf 20h e sábado 15h e 19:30h (dias 06 e 07/10).

Peter Pan Voa no Leblon

A magia de um dos maiores clássicos da literatura infantil invade o Teatro Oi Casa Grande, no Leblon, no mês das crianças.

“Peter Pan – O Musical” traz toda a magia a aventura do fantástico universo do menino que não queria crescer e sua saga ao lado de Wendy, a fada Sininho e seus companheiros na Terra do Nunca.  Dirigido por Diney Vieira, o musical apresenta Lucas Santos e Stefany Vaz, astros teens da novela “Carrossel” nos papeis de Peter Pan e Wendy, além de um grande elenco.

O espetáculo fica em cartaz a partir do dia 07/10, durante todo o mês de outubro, sempre aos sábados às 16h e Domingos às 15h.  

Ari Fontoura volta aos palcos cariocas em “Num Lago Dourado”

Ary e Ana Lucia - Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO
Ary e Ana Lucia – Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Adaptação do filme protagonizado por Henry Fonda, Katharine Hepburne e Jane Fonda e recebeu 3 Oscar (melhor ator, atriz e roteiro), quando foi lançado em 1982.

Protagonizada por Ary Fontoura e Ana Lucia Torre, “Num Lago Dourado” exalta o amor de um casal que está junto há quase cinquenta anos. Norman Thayer (Ary Fontoura), um professor aposentado que, prestes a completar 80 anos de idade, divide com a otimista esposa Ethel Thayer (Ana Lucia Torre) suas dores e alegrias.

Norman e Ethel recebem a visita da filha que não viam há anos na casa de campo da família. Ela e o noivo estão a caminho da Europa, e deixam o filho adolescente dele aos cuidados do casal por duas semanas.

Completam o elenco, os atores Tatiana de Marca, André Garolli, Fabiano Augusto e Lucas Abdo, sob a direção de Elias Andreato. Estreia nesse fim de semana, no Teatro dos Quatro / Shopping da Gávea.

Em 1991 assisti a montagem desse mesmo texto com os atores Paulo Gracindo, Nathalia Timberg, Flavio Galvão e Elaine Cristina. Um grande sucesso. Inesquecível!

Ângela Maria e as canções de Roberto & Erasmo.
A voz de Ângela Maria e a obra de Roberto e Erasmo Carlos estão na memória afetiva dos brasileiros há décadas, traduzindo sentimentos bons e relembrando paixões, com uma elegância que não se perde na poeira do tempo. Pontos em comum que fizeram a cantora aceitar a sugestão do produtor Thiago Marques Luiz para este “Ângela Maria e as canções de Roberto e Erasmo”, que marca os invejáveis 67 anos de carreira de Ângela.

Ângela e Thiago foram falar pessoalmente com Roberto para pedir sua autorização. Roberto os recebeu com um sorriso enorme e por algum tempo eles relembraram momentos felizes, inclusive com Lady Laura, cuja cantora preferida era Ângela Maria. Ângela conversou com Roberto sobre o projeto. “Fique tranquilo que eu sei que você é ciumento e nós vamos escolher o repertório juntos”. Roberto disse que para ele e para qualquer compositor é uma honra ser gravado por Ângela e que ela estava autorizada a gravar o que quisesse.

Com liberdade para escolher o repertório, foram selecionadas canções escritas pelo Rei e pelo Tremendão entre 1969 e 1979.

Aos 88 anos, a eterna rainha do rádio acompanhada por uma superbanda de 8 músicos comandados pelo maestro Billy Magno certamente irá surpreender quem estiver no Teatro Municipal do RJ, no próximo sábado, dia 07/10, as 20:30h.

Biografia de Marco Maciel é lançada no Recife.

O jornalista Ângelo Castelo Branco, lançou na noite da última 2ªf, (dia 02/10), na Academia Pernambucana de Letras (APL), o livro “Marco Maciel, Um Artificie do Entendimento”, uma biografia do político pernambucano, que completou 50 anos de vida pública em 2016.  

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso assinou o prefácio do livro, mas não compareceu ao lançamento por estar nos EUA.  

Estiveram presentes na solenidade, além da esposa de Maciel, Anna Maria e os filhos João Mauricio e Gisela Maciel, que foram de Brasília especialmente para o evento, a irmã do biografado, Lucia Maciel Alves e o ex deputado federal Edinaldo Alves, a sobrinha Monica Maciel e os ex governadores de Pernambuco,  Joaquim Francisco, Roberto Magalhães e João Lyra Neto, entre tantos outros acadêmicos, intelectuais, políticos de diversas gerações, secretários de estado, prefeitos e parlamentares, além de magistrados e admiradores do ex-vice-presidente da República, a maioria autointitulada “macielista”.

O presidente da Cepe Editora, Ricardo Leitão, leu uma carta do governador Paulo Câmara endereçada à esposa do biografado, Anna Maria Maciel.

“Esse livro é fruto de muita conversa, muita pesquisa, muitas entrevistas que ele concedeu ao longo da vida política”, contou Castelo Branco. Segundo ele, inspirado pelo pai, Maciel fez da política seu sacerdócio. “Tanto que começou e terminou (sua trajetória) sem jamais ter tido nenhum vínculo com nenhum tipo de empresa, emprego ou renda que não fosse da vida pública. É uma página importante da história do pensamento político contemporâneo”.

O autor, Ângelo Castelo Branco, trabalhou com Marco Maciel e acompanhou muitos dos momentos registrados no livro; como a elaboração do famoso documento que deu início a redemocratização do País, “O Compromisso com a Nação”.

Esse documento traçou as normas e a filosofia da transição do regime militar para o regime democrático sem derramamento de sangue no País e culminou na eleição de Tancredo Neves, sucedendo o General João Figueiredo, na Presidência da República.

Marco Maciel, 77 anos, não compareceu à cerimônia por estar em tratamento do Mal de Alzheimer, diagnosticada em 2011.

Detalhes na matéria do Jornal Bom dia Pernambuco, abaixo:

http://g1.globo.com/pernambuco/videos/v/livro-lancado-no-recife-conta-historia-politica-e-vida-do-politico-marco-maciel/6190103

Curiosidade: Legião Urbana no Programa “Perdidos na Noite” há 30 anos.

Apresentação ao vivo da banda Legião Urbana no Programa Perdidos na Noite, exibido pela TV Bandeirantes. O Programa foi comandado por Fausto Silva até o ano de 1988, quando foi contratado pela Rede Globo.

Neste vídeo de 1987, a banda brasiliense Legião Urbana, então formada por Renato Russo, Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha,  divulgava seu 3º disco “Que País É Este 1978/1987”.

Fausto pergunta a Dado se estavam fazendo 400 shows por mês e ele afirma que não, que os shows cansam muito e fazer 1 show por mês estava bom demais.   

Fausto pergunta a Renato Russo se ele tinha filhos e ele responde que ainda não. Estava adivinhando. Tempos depois, nasceu seu filho Giuliano.

Renato afirma: “As coisas não vão piorar, vão melhorar.  É tão chato eles ficarem martelando, que ano que vem, as coisas irão piorar. Eu não acredito, as coisas irão melhorar”.

Monica Martelli faz Sucesso no Teatro com “Minha Vida em Marte”.
Ultimamente tenho ouvido muitos produtores reclamando que as pessoas não têm ido ao teatro e o público sumiu das apresentações.  

Eu sempre tive minhas dúvidas e, desde que soube que a Monica Martelli teve lotação esgotada de sua comédia “Minha Vida em Marte”, em cartaz no Teatro das Artes, no Shopping da Gávea, na 6ªf, dia 22/09, quando vários espetáculos cancelaram suas apresentações, devido a violência na Rocinha, eu tive a certeza que o publico continua prestigiando o bom teatro.

O que tem qualidade, as pessoas assistem e aplaudem de pé.  

Não tenho dúvidas em apostar que o novo espetáculo de Martelli é um dos melhores em cartaz atualmente.

Não percam, não vão se arrepender!

“Uma Linda Mulher” Será um Musical na Broadway.
“Uma Linda Mulher”, o estrondoso sucesso de bilheteria de 1990, vai se tornar um musical da Broadway.

Garry Marshall, diretor do filme, estará na equipe criativa do espetáculo, que terá trilha sonora criada por Bryan Adams e Jim Vallance.

– Desde a primeira vez que vi esse filme, senti que poderia virar um musical. “Uma Linda Mulher” é uma clássica história com uma mensagem bem contemporânea – disse Mitchell em comunicado oficial enviado à Variety.

Samantha Barks, a “Eponine” de “Os Miseráveis” (2012), que fará sua estreia na Broadway, interpretando a prostituta “Vivian”, papel que rendeu uma indicação ao Oscar de melhor atriz para Julia Roberts. Já o magnata Edward, interpretado por Richard Gere nos cinemas, ficará a cargo de Steve Kazee, vencedor do Tony Awards pela versão teatral de “Once”(2012).

O musical terá uma temporada de testes em Chicago no primeiro semestre de 2018 antes de seguir para a Broadway, num teatro ainda indefinido.

E fica a pergunta que não quer calar: Será que teremos a nossa versão brasileira?

Fiquem atentos Sandro Chaim, Aniela Jordan, Miguel Falabella, Frederico Reder, Tadeu Aguiar, Claudio Botelho, Charles Moeller …

HEBE Volta aos Palcos através de Musical de Artur Xexéo.

Mais uma grande personalidade tem sua vida transformada em musical.

Dessa vez, a cantora – sim cantora, sim – e apresentadora Hebe Camargo, tem sua biografia escrita por Artur Xexéo transformada em musical, através do diretor Miguel Falabella.

Com estreia marcada para o dia 12/10, no Teatro Procópio Ferreira em São Paulo, o espetáculo mostra a homenageada, da infância humilde em Taubaté, interior de São Paulo, ao posto de rainha da televisão brasileira.

O espetáculo conta sua escalada profissional e os amores que passaram por sua vida.

Embalado pelas canções que marcaram sua carreira de cantora, o espetáculo atravessa oito décadas nas quais, muitas vezes, os caminhos de Hebe e da TV no Brasil se confundem.

Com 21 atores em cena, orquestra composta por 09 músicos e mais de 30 técnicos envolvidos, a própria Hebe recebe o público que vai ao Teatro e o convida a conhecer a sua história.

A proposta é que o público acompanhe a grade de uma programação de TV típica dos anos 60. Nela, a

garota-propaganda (Giovana Zotti) se atrapalha com os comerciais ao vivo e Leonor (Brenda Nadler), uma fã de Hebe Camargo, responde sobre a vida de seu ídolo ao peculiar apresentador de um programa de perguntas e respostas, Belo Garrido (Daniel Caldini).

É através do conhecimento desta fã que a plateia acompanha o caminho da artista, que será interpretada por Carol Costa, na juventude, e Débora Reis, na vida adulta.

Agora, é só esperar vir para um teatro aqui no RJ ou pegar a ponte aérea para conferir…

Com certeza, mais um ótimo espetáculo.

Contato com o Colunista, através do email
azevedojlaa@gmail.com