Bangu Shopping dará o pontapé inicial ao recebe o Rolé Carioca no bairro

O próximo Rolé Carioca, no dia 27 de agosto, será especial. O passeio-aula, que já se consolidou como parte do calendário cultural da cidade, desvendará as histórias e curiosidades de Bangu. O roteiro começa no Bangu Shopping, onde funcionava a fábrica de tecidos.

O charmoso bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro será didaticamente decupado pelos professores Rodrigo Rainha e William Martins. Realizado pelo Estúdio M’Baraká, o Rolé passará ainda em 2017 por Santa Teresa, Cachambi e São Cristóvão, além dos passeios já realizados pela Glória, SAARA e pela região da Central do Brasil.

O professor Rodrigo Rainha fala, entusiasmado, sobre o bairro: “Bangu é a terra da mudança.  Bangu é onde a fábrica de tecido recriou uma comunidade e os negros ganharam espaço no futebol. Bangu é onde a estrada Real cruza com a Estrada de Ferro, ambas rumando para integrar a Zona Oeste industrial da segunda metade do século XX.  Bangu é a terra de Ademir da Guia, de Zizinho, de Guilherme Silveira.  Salve Bangu, e salve o Rolé por mergulhar na história de Bangu.”

O percurso escolhido dará ao público um belo panorama do bairro: Antiga Fábrica Bangu (Bangu Shopping) – Cassino Bangu – Paróquia São Sebastião e Santa Cecília – Casa de Silverinha (Guilherme Silveira) – Sede do Bangu Atlético Clube – Grêmio Literário José Mauro de Vasconcelos – Calçadão de Bangu.

A cidade é o lugar da conversa. Ao dar a chance das pessoas se encontrarem entre si e com a cidade, cria-se uma pulsação. Assim cria-se uma interação com potencial de transformação. O encontro de moradores e visitantes com a cidade, sua história viva e em constante transformação é o objetivo do Rolé Carioca.” diz Isabel Seixas, coordenadora do projeto.

Bangu

Uma fábrica, uma vida, um bairro…  Um Rio de Janeiro desconhecido para sua população, mas que tem um povo orgulhoso, de sua história, de seu passado, de suas conquistas…  Que fala de 1933 e 1966, dos ataques poderosos do clube que lhe deu tanto orgulho.  Um povo que fala de Silverinha e, com saudades, da fábrica Bangu.

O Rolé Carioca veste a sua alma suburbana e, de marmita na mão e sorriso no rosto, desembarca em Bangu.  Com alma do povo e uma bola embaixo do braço vem descobrir as histórias de um dos bairros proletários mais famosos do Rio de Janeiro.

Respeito, muito respeito, você está em Bangu. Aqui jogaram Zizinho e Ademir da Guia. Aqui futebol e trabalho são coisas muito, muito sérias!!! No Bangu o negro pode jogar futebol antes que o fizesse em qualquer outro clube. Antes de muitas regiões nobres e cantadas em verso e prosa, em Bangu já havia estação de trem. Muito respeito, você está em Bangu.

ROTEIRO

Antiga Fábrica Bangu (Bangu Shopping)

Inaugurada em 1893, a Fábrica de Tecidos Bangu foi uma das maiores exportadoras de tecidos do Brasil e responsável por grande parte da urbanização do bairro: desde a estação ferroviária até a construção de casas, vilas e ruas. Tombado em 2000, o edifício histórico abriga desde 2007 o shopping e houve uma revitalização do bairro, degradado com a decadência e posterior encerramento das atividades da fábrica.

Casino Bangu

Fundado em 1907, foi sede da antiga Sociedade Musical Progresso de Bangu e esteve abrigado em edifício construído pela fábrica na Rua Ferrer n° 127 – atual Rua Cônego de Vasconcelos. Em 1929, uma briga judicial devolveu o imóvel à fábrica, e o Casino acabou fixando sua sede na Rua Fonseca, n° 534, onde permanece até os dias atuais.

Paróquia São Sebastião e Santa Cecília

Consta que, na antiga Fazenda Bangu, já existia uma pequena ermida dedicada ao culto dos mártires São Sebastião e Santa Cecília. A construção da nova capela, em 1908, atendeu também aos interesses da Fábrica Bangu, que já mantinha várias atividades sociais e esportivas e ainda nenhuma de cunho religioso.

Casa do Silverinha

Imóvel na Praça da Fé nº 21 onde residiu a família do empresário Guilherme da Silveira (1882-1974), conhecido como Silveirinha. Um movimento de moradores tenta o tombamento da casa como patrimônio histórico e cultural do Estado do Rio para criação de um centro de Cultura e Memória de Bangu – Casa do Silveirinha (CMB).

Bangu Atlético Clube

Fundado em 1904, o clube foi campeão do primeiro campeonato disputado por equipes profissionais de futebol em 1933, campeão Carioca de 1966 e vice-campeão Brasileiro em 1985. Mas sua história começa bem antes, no final do século XIX, quando ingleses que trabalhavam na Fábrica Bangu despertaram o interesse dos locais com a narrativa sobre uma modalidade desportiva até então desconhecida. Com bolas trazidas da Inglaterra junto com o equipamento industrial, os jogadores que correram pelo campo provisório montado pela fábrica e depois fundaram o clube são considerados precursores da história do futebol no Brasil.

Grêmio Literário José Mauro de Vasconcelos

Popularmente chamado de Museu de Bangu, este centro cultural recebeu o nome de um ilustre escritor banguense, o autor de “Meu Pé de Laranja Lima” José Mauro de Vasconcelos. Sua denominação também faz homenagem à sociedade congênere que funcionou no bairro entre 1907 e 1939, inicialmente com o nome de Grêmio Philomático (1907/1925) e depois de Grêmio Literário Rui Barbosa (1925/1939).

Calçadão de Bangu

Com o final das atividades da fábrica, Bangu passou a ter uma vocação comercial forte: seja no shopping ou no calçadão, atrai até quem vive em outros bairros.  O comércio popular de Bangu recorre a sistema de climatização, escadas rolantes e uma cobertura para amenizar o calor da rua.

HISTÓRICO DO PROJETO

Realizado desde 2013, o Rolé Carioca atingiu a marca de 100 km percorridos em mais de 30 passeios gratuitos, promovendo as histórias da cidade para um público estimado em 15 mil participantes. No ano de estreia, passou pelos seguintes bairros: Urca, Cinelândia/Lapa, Madureira, Praça Tiradentes/Largo da Carioca, Rio Comprido, Gamboa e Vila Isabel. Em 2014, os passeios foram realizados em Botafogo, Méier, Praça XV/Castelo, Região Portuária, São Cristóvão e Tijuca. Em 2015, quando o evento fez parte das comemorações oficiais do 450º aniversário do Rio de Janeiro, o Rolé visitou o quadrilátero de fundação da cidade formado pelos morros do Castelo, de Santo Antônio, de São Bento e da Conceição; Niterói, Catete, Santa Cruz, Catumbi, Paquetá, Penha e Saara. O Rio de Janeiro sediou os Jogos Olímpicos em 2016 e o Rolé Carioca incluiu em seu roteiro o novíssimo Circuito Porto, além dos bairros Maracanã, Engenho de Dentro, Copacabana, Del Castilho e Laranjeiras.

2016 também foi o ano de expansão do roteiro. Assim, o Rolé ganhou uma versão nacional com passeios em cinco capitais brasileiras. O Rolé Brasil levou centenas de pessoas a dois roteiros distintos em cada uma das cinco capitais visitadas. Em duas ocasiões Fortaleza, Salvador, Curitiba, São Paulo e Florianópolis receberam o Rolé Brasil. Neste ano o projeto ganhou também uma exposição, realizada no Museu do Amanhã.

Em 2017, pelo quinto ano, os patrocinadores do Rolé são a Prefeitura da Cidade do Rio, a Secretaria Municipal de Cultura e a Universidade Estácio, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, destacando seu curso de história. Como co-patrocinador e abrindo espaço para mais amores cariocas, está o site de relacionamento Par Perfeito. A empresa Pro-Nephron e o CRAB inauguram suas parcerias com o projeto como apoiadores.

SERVIÇO

Rolé Carioca – Bangu

Data: 27 de agosto

Ponto de encontro: Bangu Shopping

Horário: 9h

 

Assessoria de imprensa

Mais e Melhores Produções Artísticas

(21) 2208-5952

Paulo Almeida: paulo@maisemelhores.com.br – (21) 98197-5600

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.