24.3 C
Rio de Janeiro
novembro 17, 2018
Notícias

Arte e cultura estarão presentes na 3ª edição do ColaborAmerica, maior festival de novas economias da América Latina

Nos dias 9 e 10 de novembro, a Fundição Progresso receberá várias instituições e empreendedores culturais; Os palestrantes internacionais Marz Saffore e Jason Ulaszek; Além de uma programação especial do Festival Multiplicidade

A 3ª edição do ColaborAmerica terá parte da programação dedicada a palestras, oficinas e intervenções sobre o papel da arte e da cultura na formação de uma nova economia e na redução das desigualdades sociais. Instituições culturais, ativistas e inovadores sociais de todo o mundo irão discutir a importância de museus e centros culturais na construção de novas narrativas sociais e cidades sustentáveis. A programação totalmente gratuita também contará com intervenções artísticas em sobre o tema em parceria com Festival Multiplicidade.

O ColaborAmerica 2018 é uma realização do OuiShare, do Sistema B e da MateriaBrasil, com produção da D+3, patrocínio master do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria Estadual de Cultura, Lei de Incentivo à Cultura e Oi, patrocínio do Instituto C&A, Coca-Cola e Apoio Cultural do Oi Futuro.

O debate cultural do ColaborAmerica será dividido em dois eixos, com representantes nacionais e internacionais. O primeiro, Novos Valores Culturais: Museus e cultura aliados da regeneração!”, traz um painel sobre a ideologia de descolonização das instituições e como museus e instituições culturais podem propagar valores comunitários com um olhar para o todo que inclui os povos representados e não apenas a visão de colonizadores. O debate contará com Marz Saffore, ativista criadora do “Decolonize this Place”, uma iniciativa que apoio a luta indígena, libertação negra e desmitificação racial; Marlucia Santos de Souza, diretora do Museu Vivo do São Bento; e Panmela Castro, fundadora do Museu a Céu Aberto Nami, falando sobre integração comunitária e igualdade de gêneros.

O segundo, “Nova Sustentabilidade Econômica por resiliência no setor cultural”, aborda como a economia colaborativa pode trazer benefícios para o setor cultural e em seu painel traz empreendedores de negócios sociais, e de economia criativa, além do financiamento coletivo e das aceleradoras e incubadoras na área de arte. O painel conta com a presença de Georgia Nicolau, do Instituto Prócomum, de Roberto Guimarães, do Instituto Oi Futuro e Labsônica, e do Fabio Szwarcwald, do QueerMuseu.

Além disso, a programação conta ainda com duas palestras e duas oficinas, também voltados para pensamento crítico aliado uma ação concreta que deisgners, profissionais de cultura maker podem fazer junto com a cultura e a arte para co-criar novas realidades. Luiz Alberto Oliveira, Curador Geral do Museu do Amanhã, reflete o tema da edição de 2018 do ColaborAmerica, “olhar para o todo”, através da sustentabilidade, a filosofia, a ciência e da arte; Yasmin Pereira, a diretora de museu mais jovem do mundo, com 13 anos, com ampla consciência da renovação de um território criativo por meio da renovação da cultura de um povo, pelo Memorial do Homem do Kariri, no Nordeste; Jason Ulaszek, fundador do UX for Good e do Inzovu, duas organizações fundadas para encontrar novas formas de enfrentar e solucionar problemas sociais por meio do engajamento da sociedade pelo design thinking. Ele irá falar sobre o memorial de Kigali, sobre o genocídio em Ruanda e como a organização tornou a experiência de visita ao espaço em uma forma de ativar os públicos para uma ação direta em causas sociais, direitos humanos, ações regenerativas e não apenas em uma experiencial emocional.

“A integração entre os setores cultural e artístico com as redes de economia colaborativa, cultura digital e empreendedorismo constroem uma nova cultura resiliente, inovadora e regeneradora para a complexidade que debateremos no ColaborAmerica’”, afirma a curadora de cultura Lucimara Letelier.

Além da importância dos temas dessa edição, o ColaborAmerica traz em si um forte apelo cultural. A Lapa é o bairro de maior tradição cultural do Rio de Janeiro, carregando uma história de muita arte e sediando a Fundição Progresso, um espaço que reúne iniciativas pioneiras e autônomas em arte, educação, meio ambiente e projetos sociais. Em parceria com o Museu Vivo, uma plataforma de inovação e sustentabilidade para museus, a área de Arte e Cultura foi pensada a partir de um conteúdo emblemático, que gera debates pertinentes aos tempos atuais e traz profissionais que atuam como agentes de mudança no setor cultural.

Serviço:
Data: 9 e 10 de novembro de 2018
Horário: das 10h às 22h
Local: Rua dos Arcos, 24 – Lapa, Rio de Janeiro – RJ
Retirada de ingressos: A partir de 15 de outubro no site http://colaboramerica.org/ 

Time de curadores

Manuela Yamada: empreendedora social, sócia da MateriaBrasil e co-fundadora do ColaborAmerica. Especializada em políticas ambientais, trabalha com
temas de sustentabilidade e economia circular.

Tomás de Lara: colíder Cidades+B Internacional, co-fundador e co-chair do Colaboramerica, conselheiro do Sistema B Brasil e do CEBDS, co-fundador da Goma, tecelão de redes e organizações e professor em cursos de inovação econômica no Brasil e outros países.

Téo Benjamin: engenheiro por formação e empreendedor por vocação. Trabalhou por três anos na Benfeitoria, onde esteve a frente de diversas iniciativas, como o Rio+, o Recorrente e a própria plataforma de financiamento coletivo.

Gabriela Agustini: fundadora do Olabi, uma organização focada em estimular o uso de tecnologias para transformação social.

Batman Zavareze: Idealizador, Diretor Geral e Curador do Festival Multiplicidade desde 2005, uma das plataformas culturais mais importantes de arte tecnologia do Rio de janeiro.

Lucimara Letelier: Fundadora e diretora do Museu Vivo, uma plataforma de inovação para museus e cultura criando pontes multissetoriais para uma nova sustentabilidade social e econômica. Antes, foi Diretora de Artes do British Council.

Guilherme Lito: trabalha com organizações como Escola Schumacher Brasil, Perestroika, Ciclo Orgânico, entre outras, revelando possibilidades de respostas regenerativas para suas realidades.

Manuella Cunha Brito: gestora no GoodTechLab e mestre em Desenvolvimento Internacional pela SciencesPo Paris.

Clariza Rosa: Gerente de Comunicação da Fundação Cidadania Inteligente e integrante da rede Global Shaper.

Rafael Andreoni: mestre em economia política internacional pela UFRJ e co-fundador da Cadenza Filmes.

André Zonenschein: engenheiro de produção com certificado de management operacional pelo CNAM-Paris, desenvolve a estruturação de processos de empresas e projetos em diversos setores.

Posts relacionados

Saladas: seleção de sabores e cores

Redação

CCBB Rio lança atração que une futebol e realidade virtual

Redação

Raiz do Sana no Teatro Rival Petrobras

Redação

1 comentário

Rogerio Robalinho novembro 1, 2018 at 10:58

Voces estão de parabéns : criaram uma ferramenta de grande utilidade pública .

Resposta

Deixe um comentário