29.9 C
Rio de Janeiro
setembro 24, 2018
Notícias

Agenda Trapiche Gamboa

Roda do cantor e bandolinista Pedro Amorim
SÁBADO, 25/ago, às 21h30

Pedro Amorim
Pedro Amorim

O instrumentista, cantor e compositor Pedro Amorim, que se destaca também como bandolinista e é um dos integrantes do quarteto “Samba de Fato” (grupo que se apresenta exclusivamente no Trapiche Gamboa), realiza a sua roda de samba em que reúne o vasto repertório do samba tradicional de Candeia, Cartola, Noel Rosa, Nelson Cavaquinho, Pixinguinha, Ary Barroso, Dorival Caymmi, Vinicius de Morais e Geraldo Pereira, entre tantos outros, dando lugar também à sambas de roda baianos, composições próprias como as do seu último CD “Voz Nagô — Afro-sambas de Pedro Amorim e Paulo César Pinheiro” (em que se apropriam artisticamente de elementos do candomblé e da capoeira, desenvolvendo, a partir deles, um conjunto de 14 afro-sambas, lundus, chulas e jongos nunca antes reunidos) e também sambas de atuais compositores. Ele é acompanhado por Julião Rabello Pinheiro (violão), Paulino Dias, Thiago da Serrinha e Marcus Thadeu (percussão).

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 20h30.

Tradicional roda de jongo, samba, maracatu e ijexás do grupo “Razões Africanas”
QUINTA-FEIRA 30/ago, às 19h30

Razões Africanas - foto: Alcinoo Giandinoto
Razões Africanas – foto: Alcinoo Giandinoto

Composto pelas cantoras Lazir Sinval, Deli Monteiro e Luiza Marmello (também integrantes do consagrado grupo “Jongo da Serrinha” ao lado da Tia Maria do Jongo), músicos de mão cheia (Anderson Vilmar, Marcelo Mattos e Leo Careca – percussão, Rafael do Cavaco e Fabio Pereira – harmonia) e tambores que já guardam história, o grupo Razões Africanas garante há alguns anos as já tradicionais e contagiantes noites de quinta do Trapiche.

Eles promovem uma roda com muito jongo, ijexás, samba, maracatu e canções em língua africana, realizando um resgate e valorização da nossa cultura. É um encontro de vozes, sons e energias que vibram em torno do legado da Mãe África à nossa terra, carregado de encantamento e umbigada!

Couvert: R$25 (lista amiga: R$20). Livre. A casa abre às 18h30.

Roda de samba do cantor e compositor Douglas Lemos – pré-lançamento de seu 1º CD
SEXTA-FEIRA, 31/agosto, às 21h30

Douglas Lemos - foto: Gabriel Miranda
Douglas Lemos – foto: Gabriel Miranda

O compositor e cantor carioca Douglas Lemos estreia sua roda de samba no Trapiche Gamboa e já com o tempero especial de pré-lançamento do seu primeiro CD “Ruas da Minha História”.

Cria do bairro da Glória, desde muito cedo começou a se enveredar pelo universo lírico da canção popular. Tendo como referência gigantes da música brasileira, como João Nogueira, Paulo César Pinheiro, Aldir Blanc e Moacyr Luz, Douglas estudou violão com o músico Rafael Mallmith e canto com a intérprete Amelia Rabello. Atento à poesia das histórias marcadas no asfalto da cidade, aos 25 anos o compositor possui um repertório autoral com cerca de 60 canções e, nos últimos anos, fez shows na Europa e no Uruguai. É fundador da roda de samba Sambachaça, que propaga o resgate de composições históricas e incentiva o encontro de novos compositores e já cantou em alguns espaços importantes do Rio de Janeiro, como o “Bar Semente” e a “Casa do Choro”.

Nesta noite, Douglas conta com algumas participações surpresa, entre amigos compositores e músicos, e apresenta algumas faixas de seu CD de estreia. Convida os amigos e os sambistas que apreciam não só o resgate e a manutenção do bom samba tradicional como também as novas composições que alimentam o gênero e mantêm a roda girando.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 19h30.

PROMOÇÕES:
*Aniversariantes da semana com ID (+ um convidado) não pagam.
*Até 00h, na compra de cinco cervejas, a sexta é de graça.

Trapiche Gamboa
Situado no berço do samba, na Gamboa, entre a Pedra do Sal, a Ladeira do Valongo e o Largo da Prainha, entre o centro da cidade e o bairro da Saúde, o Trapiche Gamboa é um grande sobrado do século XIX (1857) e foi inaugurado como casa de shows em 2004. Ele se tornou um refúgio para o samba de roda (a mais autêntica forma de música brasileira) e consagrou-se como uma das maiores, mais bonitas e aprazíveis casas (de samba) da cidade. Importantes sambistas já passaram por lá e exímios músicos da nova safra do samba do Rio de Janeiro frequentemente realizam as magistrais rodas da casa.

A arquitetura de 1857 e com pé direito de 13 metros está conservada com piso original e parede de pedra revestida com óleo de baleia. Antes de abrigar a casa de samba, o sobrado era uma oficina mecânica.

Quem é do samba ou quer conhecê-lo melhor e mais de perto, seja carioca ou turista, deve visitar o Trapiche Gamboa, endereço de uma boa combinação de petiscos e de roda de samba como a dos antigos terreiros. No segundo andar, há ainda um mezanino onde é possível bater um papo com menos barulho. Já no terceiro andar, uma varanda oferece ar fresco com um barzinho à disposição. É bem aconchegante e convidativo.

Classificação da casa: durante a semana: livre com responsável | sextas e sábados: 18 anos.

Abertura da casa: quintas: 18h30 | sextas: 19h30 | sábados: 20h30.
Horários dos shows: quintas: 19h30 | sextas e sábados: 21h30.
Aceita cartões de crédito e débito.
Faz reservas de mesas (tels.: 2516 0868).
Capacidade: 250 pessoas.

Rua Sacadura Cabral, 155 – Gamboa (próximo à Praça Mauá, entre a Pça. Mauá e o Hospital dos Servidores)

Tels.: 2516-0868 / 2233 9276

www.trapichegamboa.com

Facebook: https://www.facebook.com/trapichegamboa?fref=ts

Instagram: http://instagram.com/trapichegamboarj/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCV0bChwM5Ba9L_SIblPxbVQ

Posts relacionados

Workshop sábado no Recreio com grandes mestres do sapateado

Redação

Após sucesso em 2018, Game XP anuncia edição 2019 e pré-venda começa dia 20

Redação

São Paulo International Wine & Cachaça Trade Fair cumprem seus objetivos: impulsionar o mercado de bebidas adultas no Brasil

Redação

Deixe um comentário