Afrofuturismo surge em Ocupação Cultural no Rio

A Ocupação Cultural Mariwô tem se destacado pelo pioneirismo do movimento afrofuturista no Brasil

Mariow
Mariow

Passado e futuro se confundem, elementos ancestrais, hi-tech, mitologias africanas, tecnologia e inovação dialogam intimamente. Assim surge nas ruas do Rio de Janeiro o Afrofuturismo, movimento que tem engajado jovens negros de várias regiões da cidade. A Mariwô é pioneira em usar esse conceito em ocupações culturais no Brasil. A próxima edição do evento, no dia 07 de outubro, às 22h, no Hotel Da Lapa Design, na rua do Lavradio nº 200, Centro, terá o tema Natura AfroTech unindo ancestralidade, tecnologia e os mistérios do fundo do mar a partir de múltiplas narrativas.

A Ocupação Cultural foi lançada em julho com o tema “Brecha no Espaço”. A segunda edição do evento terá o lançamento da coleção de moda Vale Longo da designer Gabi Monteiro, Show de Jeza da Pedra, fashion filme da cineasta Yasmin Thayná, artes visuais e cinco DJs. O produtor da Mariwô Caique Cerqueira contou que o evento guarda novidades e propõe ao público experimentar esse universo aberto a todos:

– O futuro somos nós. O Afrofuturismo está dentro de cada preto e preta. Observo que a nossa ligação vai além do físico, ultrapassa a matéria e se expressa na ancestralidade. Isso pra mim já é o futuro. Esse movimento é muito do que já foi produzido e do que estamos projetando. Somos nós, jovens negros, o rosto contemporâneo do Afrofuturismo, contou Caique.

O Afrofuturismo surgiu na década de 1960 nos Estados Unidos, e um dos pioneiros foi o compositor de Jazz, pianista e poeta Sun Ra. Ele ficou conhecido pela filosofia “cósmica” e pelas apresentações com dançarinos e músicos vestidos com figurinos futuristas inspirados no Egito Antigo e na era espacial. Gabi Monteiro escolheu se inspirar no Cais do Valongo para produzir sua nova coleção chamada Vale Longo. Ela destacou que precisamos nos esvaziar do que foi ensinado para conseguir entender a verdadeira história:

– É impossível pensar no futuro sem entender o que aconteceu com os nossos ancestrais. Eu comecei a pesquisa da coleção por um livro de Louis Agassiz com várias imagens de pessoas recém chegadas da África e de indígenas colonizados. Isso me despertou curiosidade e busquei entender como foi esse período. Pude perceber que as roupas que muitos negros e indígenas usavam eram do colonizador, mas com estilização e adaptadas para o gosto deles. Depois que eu passei por um caso de racismo na universidade comecei a procurar respostas e entendi que não adiantava reproduzir os discursos que são ensinados. Por isso busquei minha própria linguagem. Não precisamos nos encaixar em padrões, podemos criar nossos próprios espaços, explicou Gabi Monteiro.

Assim como Sankofa o Afrofuturismo é passado, presente e futuro e se nutre das expressões culturais afro-urbanas.  O símbolo Adinkra, um sistema de escrita africana milenar, Sankofa é um pássaro que voa para frente com a cabeça voltada para trás e carrega no bico um ovo. Esse símbolo expressa bem os conceitos por trás do Afrofuturismo.

O movimento cultural se estende para a moda, música, dança, audiovisual, artes plásticas, artes ciências e literatura.  Nomes como Janelle Monáe, Ytasha Womack, Oshun, Parliament, Grace Jones, Spike Lee, Jean-Michel Basquiat e muitas outras personalidades estão espalhadas pelo mundo dialogando com o conceito afrofuturista.

Serviço: 

MARIWÔ Natura AfroTech
Data: 07 de outubro (sábado)
Local: Hotel Da Lapa Design, rua do Lavradio nº 200
Abertura: 22h
Página da Mariwô 
Evento no Facebook: Mariwô | Jeza da Pedra @07/10

Ingressos:

Sympla Antecipado: R$: 10,00 + taxa 

R$:10,00 (Até 00h com nome no mural)
R$:15,00 (Até 01h com nome no mural)
R$:20,00 (Após 01h)

Programação:

OCUPAÇÃO
Afrofuturísta Natura AfroTech
Mariwô – Brecha no Espaço

SHOW

LINE UP DJs

Aisha Mbikila + Leid’Exu 
+ Twinshit 
+ BBYDANI Daniel Oliveira 
Daniel Santos 

MAPPING
Byu La

MODA

Lançamento Coleção 
Vale Longo de Gabi Monteiro

Fashion Filme 
Direção Yasmin Thayná

OCUPAÇÃO VISUAL
Nelson Almeida
Candé Costa
Odaraya Mello

CENOGRAFIA
Alex Lemos
Di Honorato

MARIWÔ
Palhas de palmeira em franjas na janela
Escancarada por nós// Por tal// Abre-se já
Mariwô_____________Brecha no espaço
Negro em Diáspora // Conexão Ancestral
Afrourbana // Multirritimada // Baianidade

BAR
Bar aceita dinheiro, cartão débito e crédito 

APOIO

Budweiser

#Mariwo #AfroFuturism #DesperteSuaAncestralidade