21.6 C
New York
junho 18, 2019
Livros

A coragem de ser quem é

Livro traz a história de um jovem cujo dilema era conviver com a esquizofrenia e propõe o respeito ao ser humano como um todo

O comportamento humano e suas nuances numa história que mistura drama e humor ao falar de rótulos, tabus e crenças é o pano de fundo para Manu e o povo que mora na mente (Autografia). Através do protagonista, o leitor é convidado a refletir e questionar o jeito de cada um ser no mundo e a capacidade de superação e reconstrução a partir da aceitação de si mesmo. A autora Maria das Graças Pires lança mão de uma escrita popular e sugere uma leitura que pode ser tão rápida e dinâmica como exigem os dias de hoje: trinta minutos ou pouco mais são suficientes para ler este que deve virar curta pela Netflix em breve.

Primeira de uma série de três – os outros tratam de bipolaridade e síndrome do toque -, a obra fala de um homem com características peculiares, marcadas por sua trajetória de vida, e pelo povo que habita sua mente. Cultural e socialmente, Manu é um esquizofrênico. Com três momentos-chave, o livro passa por quando o povo da mente domina totalmente o pensamento de Manu; por quando o personagem passa a dominar o povo da mente; e pela cura sem fantasia, uma vez que o povo da mente continua por ali, mas então dominado e com Manu já pronto para lidar com a própria realidade.

Com objetivo de promover a reflexão consciente e integradora, um dos objetivos deste livro é compartilhar a vida “de forma que possamos por meio dos entrelaçamentos expressar o máximo de nossa própria singularidade”. A autora e filósofa lança mão de estudos baseados na Teoria do Inconsciente de Freud e, principalmente, na Teoria Humanista de Michel Foucault e no conceito dele de loucura para convidar familiares, instituições científicas, educacionais e psiquiátricas à mais generosidade e afeto com a mente humana.

Para o filósofo, a loucura não e um dado biológico ou da natureza, a loucura seria um fato da cultura, pois cada época tem uma visão diferente das coisas. Na Idade Média, por exemplo, o louco não era visto como uma pessoa doente, em muitos casos era visto como alguém que tinha sabedoria. No século XIX, a classe médica passa a ter o poder de definir o que é normalidade, então este passa ser considerado doente.

De acordo com Maria das Graças Pires, mesmo vivendo em uma sociedade voltada para a cidadania global, inclusiva, ainda temos muitos paradigmas a serem superados, sobretudo acerca da singularidade humana. No caso da esquizofrenia, pesquisadores estimam que 1% da população mundial, cerca de 100 milhões de pessoas, sofra atualmente com a doença. No Brasil, a doença afeta mais de 2,5 milhões de pessoas, que apresentam algum transtorno mental grave ligado a esta síndrome.

Muitos rótulos culturais, para ela, contam com a ajuda do tempo para serem transformados em padrões comportamentais. Criadora da Terapia da Essência, que consiste, por meio do autoconhecimento e autodesenvolvimento, na compreensão de si mesmo e do outro, juntamente com a potencialização de tudo o que promova o bem viver de si próprio e dos demais, a autora usou as histórias das pessoas que a procuravam para se intrigar e alimentar angústias e estranhezas e dar corpo ao livro. O que ela quer é que as pessoas revejam suas práticas para colaborar para que todos os indivíduos também possam ter um lugar respeitoso na sociedade.

“A esquizofrenia sempre me chamou atenção”, sublinha. Manu e o povo que mora na mente é baseado, entre tantos casos, na experiência deste jovem que ela acompanhou.

E é Manu quem dá o recado:

Para gente como EU

E também para os que não são

Confiem na vida, escolham um boné

Que possam segurar em suas próprias mãos.

Para aqueles que se dizem sãos

Aqui vai o meu recado:

Não duvidem do povo da mente

Não se enganem: Estamos todos acompanhados.

TENHO DITO!!!!!!

A AUTORA:

Maria das Graças Pires é filósofa pela Universidade Federal de Santa Catarina e tem formação em Self-Coaching Mentoring. Dotouranda em Educação e Formação de Professores pela Fundação Universitária Iberoamericana, pesquisa o comportamento humano e faz consultoria em Gestão de Pessoas nas organizações públicas e privadas. Ministra palestras e cursos de capacitação e desenvolvimento humano integral e é autora de inúmeros projetos educacionais porque acredita que a Educação é o caminho para a mudança.

Tem outros três livros publicados – Um novo jeito de se fazer Escola; Um novo jeito de se fazer Escola com Amor.

SERVIÇO:
Manu e o povo que mora na mente
Editora: Autografia
Págs: 48
Preço: R$ 25,00 (encurtador.com.br/huIW4)

 

Posts relacionados

Autora de oito anos participa de sessão de autógrafos no evento “Conversa Literária – Edição especial” nesta quinta-feira (18)

Redação

Lina Tâmega Peixoto: uma grande escritora da literatura brasileira

Redação

Estrela Cultural lança livro com versão interativa em Niterói

Redação

Festa Literária de Santa Teresa homenageia Chico Buarque

Redação

Guia afetivo do Rio ganha nova edição

Redação

Personal Trainer brasileiro que é sucesso em Portugal lança livro 

Redação

Deixe um comentário