29.2 C
Rio de Janeiro
outubro 18, 2018
Notícias

A arte reinventada

Em plena era digital e de inovações tecnológicas disruptivas, com o consumo de entretenimento acontecendo cada vez mais pela internet, o RIOFESTIV.AL inaugura um novo pensar artístico, que subverte a relação tempo, espaço e criação. Ao longo de 12 meses, mais de 60 brasileiros e estrangeiros apresentarão obras inéditas, das artes cênicas ao audiovisual, da fotografia à música, das artes visuais à literatura. O palco principal será a plataforma RIOFESTIV.AL. A novidade, claro, não é ouvir músicas, ler poemas, ver obras ou assistir a performances e vídeos ao vivo pelo celular, tablet e computador. Mas, sim, a forma investigativa e experimental de criação proposta pelos curadores Ailton Franco Jr. (Festival Curta Cinema); Batman Zavareze (Multiplicidade); Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias (TEMPO_FESTIVAL); Nayse López (Festival Panorama); Tânia Pires (FESTLIP) e Karen Acioly (curadora convidada), diretores de alguns dos mais importantes festivais internacionais sediados no Rio.  

A primeira edição do RIOFESTIV.AL terá início no dia 7 de agosto, com estreias – algumas diárias, outras semanais, quinzenais ou bimestrais – durante um ano. Todas as atrações serão acessadas em uma única plataforma, que aproximará o público de cada experiência. Os internautas poderão não só ver e assistir às obras, como também interagir e até interferir em algumas delas.

Um conjunto de temas e questões do nosso mundo contemporâneo funciona como eixo central da programação do RIOFESTIV.AL. Três projetos investigam o futuro: Avalanche, Portal U_topia e FaceGenerations. Avalanche tematiza o excesso de informação e as potencialidades poéticas das onipresentes mídias sociais, enquanto que Portal U_topia navega por mundos utópicos criados por vários artistas e FaceGenerations revela a descoberta do processo criativo da obra artística através do autorretrato de 26 jovens criadores.

As relações entre improviso, coreografia, dramaturgia e tecnologia são exploradas em Insta.corpo, Dança Caseira, Festival Remoto, Curtas Estórias e Conexões Improváveis. As performances do corpo nos diversos meios de comunicação marcam as criações de Insta.corpo e Dança Caseira. O compartilhamento de processos, pesquisas, dicções e apresentações dá a tônica do Festival Remoto e do Conexões Improváveis. Curtas Estórias propõe um modo inédito de criação cinematográfica a partir de um banco de imagens ilimitado que será alimentado por artistas e por internautas.

As conexões e as conectividades, transversais a todos os projetos, ganham atenção em Esther, o Extraterrestre – Um Youtuber Descolado e Peripécias Poéticas. No primeiro, um irreverente ser intergaláctico compartilha com todo o universo impressões do nosso planeta Terra. Em Peripécias Poéticas, a língua portuguesa é revelada a partir do diálogo poético entre habitantes de diversos países lusófonos. Conexões Improváveis apresenta a companhia de teatro Os Improváveis em esquetes e improvisos ao vivo por streaming, diretamente de Portugal.

O evento de lançamento do RIOFESTIV.AL, no dia 7 de agosto, será a única vez que curadores, artistas e plateia se encontram fisicamente, no Oi Futuro Flamengo. Com entrada franca, das 20h às 23h, o evento apresentará performances que vão revelar a potência do diálogo entre o presencial e o virtual.

RIOFESTIV.AL é uma realização do RIO_CIDADE DOS FESTIVAIS, grupo formado pelo Festival Curta Cinema, FESTLIP, Festival do Rio, Multiplicidade, Festival Panorama e TEMPO_FESTIVAL. Tem patrocínio da Oi, do Governo do Estado do Rio de Janeiro, da Secretaria Estadual de Cultura/Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro.

RESUMOS DOS PROJETOS E ASPAS DOS CURADORES

Curtas Estórias
Ailton Franco Jr. e Paola Barreto

Quantas narrativas podem ser criadas com apenas dez palavras-chave? Quantos filmes podem ser produzidos com apenas dez vídeos de 1 minuto? Partindo desta aparente limitação, os curadores Ailton Franco Jr., do Festival Curta Cinema, e Paola Barreto convidam artistas e internautas a criarem uma plataforma ilimitada de “Curtas Estórias”, onde quem conta um conto aumenta um ponto. No lançamento do RIOFESTIV.AL, cinco diretores, que já participaram de edições anteriores do Festival Curta Cinema, disponibilizam na plataforma narrativas inéditas. Fernanda Ramos, Takumã Kuikuro, Marcus Curvello, Camila Gregório e Vinícius Silva fazem o upload de dez vídeos de 1 minuto respectivos a cada palavra-chave, alimentando a base inicial da plataforma com 50 filmes. A partir de então, estas sequências ficam disponíveis aos usuários, que podem recombinar, alterar ou criar narrativas, respeitando sempre as duas restrições do projeto: as dez palavras-chave propostas e o limite máximo de dez filmes. A interação do internauta com o banco de imagens apresenta a mesma dinâmica da brincadeira “telefone sem fio”, onde quem recebe a frase transmitida, passa adiante uma estória modificada, gerando reinterpretações da narrativa inicial.

Avalanche
Batman Zavareze

Estamos submersos em uma Avalanche descontrolada de redes sociais da internet. Para onde nos levará esta compulsiva produção de imagens geradas a todo o momento nos mais diversos canais de comunicação? Como explorar criativamente a diversidade de linguagens, olhares, profissões, negócios e narrativas? Partindo destas indagações, o curador Batman Zavareze, do Festival Multiplicidade, convidou 13 artistas para, ao longo de um ano, postarem diariamente conteúdos livres e autorais, com o propósito de expor poeticamente o que ainda está oculto ou pouco revelado em nosso imaginário. Os artistas convidados são: Adriano Motta, Camila Morgado, Clelio De Paula, Deborah Engel, Diana Sandes, Gabriela Maciel, João Penoni, Kenzo Mayama, Manuel Scrofft, Luiza Baldan, Matheus Leston, Nico Espinoza e Marcelo Yuka. A estes criadores, une-se o trio de artistas-críticos formado por Marta Porto, Fausto Fawcett e Bebeto Abrantes. Eles propõem reflexões sobre algumas questões suscitadas pela Avalanche digital em que vivemos: a tensão entre a geração e o consumo de conteúdos; o fetiche da autoexposição; a democratização das mídias sociais; as novas linguagens surgidas diariamente; o mundo entre a anomia e a distopia; e a obsolescência programada das memórias e dispositivos.

Esther, o Extraterrestre – Um Youtuber Descolado
Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias

O que aconteceria se a internet conectasse não apenas os cidadãos do planeta Terra, mas também de outras galáxias? A partir desta pergunta, os curadores do TEMPO_FESTIVAL, Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias, convidaram Esther, o Extraterrestre – Um Youtuber Descolado para compartilhar semanalmente vídeos interplanetários. Em seu canal, Esther produz uma série de crônicas audiovisuais, com dicas sobre a Terra para os habitantes de outros planetas, a partir de seu olhar estrangeiro. Entrelaçando performance e ficção, ironia e paródia, crítica e diversão, Esther, o Extraterrestre busca problematizar tanto o suporte de transmissão (a linguagem ultrarrealista do vlogueiro/youtuber) quanto uma série de questões culturais específicas ao nosso presente tempo histórico.

Portal U_topia
Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias

A arte é capaz de revelar novos mundos possíveis? Criado especialmente para o RIOFESTIV.AL, o Portal U_topia mergulha nesta questão, revelando como o fazer artístico pode edificar universos utópicos e mundos fantásticos que ultrapassam, deslocam e questionam a lógica cotidiana. Com autoria da atriz, dramaturga e performer Alessandra Colasanti, este canal funciona como uma galeria virtual de artistas contemporâneos engajados nas conexões possíveis entre arte e utopia. Com publicações semanais, o canal une arte, curiosidades, humor e apelo pop na busca por universos criativos e utópicos capazes de revelar alternativas aos nossos desafios e angústias, dos mais banais aos mais espetaculares. Ao lado de Esther, o Extraterrestre, este projeto tem a curadoria de Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias, curadores do TEMPO_FESTIVAL.

FaceGenerations
Karen Acioly

Qual será o rosto da nova geração de artistas contemporâneos? Sob a curadoria de Karen Acioly, do Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens (FIL-RJ), FaceGenerations foi pensado para que sejamos apresentados a estes jovens artistas. O projeto funciona do seguinte modo: cada um dos 26 adolescentes selecionados cria o seu “Portrait Digital” de 1 minuto, sendo cada vídeo lançado semanalmente na plataforma do RIOFESTIV.AL. Estas obras dão voz, corpo, imagem e vez a uma juventude, com idade a partir de 14 anos, especialmente convidada a integrar o projeto devido às suas fortes conexões com o mundo da arte. Para a elaboração de seu “Portrait Digital”, cada jovem artista recebe um acompanhamento especial que envolve entrevista, sensibilização e criação do retrato. Todas as escolhas conceituais, criativas e de linguagem dos autorretratos é direcionada pelos novos artistas, com uma equipe profissional de apoio para estas produções.

Insta.corpo
Nayse López

No projeto Insta.corpo, 12 artistas convidados vão diariamente, um a cada mês, criar uma galeria de imagens no Instagram, que hoje é a maior vitrine global de corpos e que, diferentemente da janela horizontal clássica ou vertical do mundo mobile em geral, enquadra, literalmente o corpo num quadrado. Ao longo do ano, um artista e/ou coletivo fica responsável pela curadoria mensal da conta, explorando poeticamente esta plataforma.  

Dança Caseira
Nayse López

No projeto Dança Caseira, seis coreógrafos vão criar um reality de suas vidas e criações, se apropriando da estética digital. A curadora Nayse López convidou os artistas Alejandro Ahmed, Soraya Portela, Wagner Schwartz, Elisabete Finger, Jack Elesbão e Ricardo Marinelli para participar do reality coreográfico de dois meses, em que compartilham suas práticas, ideias e interlocuções.

Festival Remoto
Nayse López

Assistir a um espetáculo sem sair de casa e, em seguida, debater com o artista sobre o processo de elaboração e as especificidades da transmissão online. O Festival Remoto realiza uma parceria com diversos festivais de dança e artes cênicas nacionais e internacionais, transmitindo ao vivo e online seis espetáculos na plataforma do RIOFESTIV.AL. As transmissões serão seguidas de conversas ao vivo com artistas e convidados sobre os processos criativos e a exibição de artes cênicas via web. É possível, dessa forma, assistir online e gratuitamente a performances apresentadas em palcos do mundo inteiro e refletir acerca das modalidades de recepção da arte nos meios digitais.

Peripécias Poéticas
Tânia Pires

A língua portuguesa, em suas diversas tonalidades, texturas e variações, é o grande elo de Peripécias Poéticas, sob curadoria de Tânia Pires, curadora e diretora artística do FESTLIP – Festival Internacional das Artes da Língua Portuguesa. Para proporcionar uma experiência ao mesmo tempo cultural, poética e sensorial, serão apresentados teasers de momentos lúdicos de poesia vividos por atores de países lusófonos que se unem no gracejo dos seus sotaques, para interpretar poesias da língua portuguesa. Guiné-Bissau, Moçambique, Brasil, Portugal e São Tomé e Príncipe: a mesma poesia, a mesma língua, com coloridos diferentes. Uma forma diversa de vivenciar e conhecer a cultura e os costumes de três continentes que falam a mesma língua.

Conexões Improváveis
Tânia Pires

Conexões Improváveis, sob curadoria de Tânia Pires, do FESTLIP – Festival Internacional das Artes da Língua Portuguesa, chega à plataforma RIOFESTIV.AL para conectar e integrar a arte do improviso com elementos da vida cotidiana. O renomado grupo português de improviso Os Improváveis propõe uma série de episódios interativos sobre a arte de improvisação. Em alguns episódios, os atores desvendam os mistérios da técnica de improviso para a construção teatral, compartilhando também sua experiência por meio de histórias, curiosidades, técnicas e cenas. Outros episódios são live, permitindo um contato direto e online dos improvisadores com os espectadores lusófonos espalhados nos quatro cantos do mundo. A ideia é que conversas, ações, trocas e cenas surjam a partir da interação improvisada e digital entre o grupo Os Improváveis e seus colaboradores virtuais. Estas dinâmicas criam autênticas partituras dramatúrgicas digitais, onde as multiplicidades da língua portuguesa serão investigadas em momentos únicos de conexão e improviso.

INSTALAÇÃO RIOFESTIV.AL – SERVIÇO
Dia 7 de agosto, das 20h às 23h
Oi Futuro Flamengo (R. Dois de Dezembro, 63)
Entrada franca

O lançamento do RIOFESTIV.AL apresentará performances e instalações que vão revelar a potência do diálogo entre o presencial e o virtual. O projeto Avalanche ocupará a clausura do elevador do Oi Futuro como espaço expositivo, criando uma sensação de imersão, suspensão e a avalanche com reflexos infinitos de luzes e sons sobrepostos. Curtas Estórias reproduzirá em monitores de TV as obras dos diretores convidados. O processo criativo dos jovens artistas que serão revelados em FaceGenerations será exibido em uma instalação em formato de domo, com projeções em mapping e visão de 180 graus. Portal U_topia e Esther, o Extraterrestre – Um Youtuber Descolado serão lançados, simultaneamente, em uma instalação videográfica, misto de documentário-show-karaokê. O espectador poderá acompanhar um aparente dia normal de Alessandra Colassanti, apresentadora do Portal U_topia. Dois tempos estarão presentes em cena: o vídeo pré-gravado e um convite à participação do público. Na instalação Sonoridade Poética, o público lerá poemas através de um teleprompter, enquanto atores de Portugal, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Moçambique, conectados via streaming diretamente de seus países, recitarão em conjunto a mesma poesia em seus sotaques distintos da língua portuguesa. Suas imagens serão projetadas de forma lúdica em tecidos transparentes.

(21) 3204-3124

Direção
André De Biase
Cristina Rio Branco

Atendimentos:
Ana Beatriz Mauro
anabeatriz@palavra.inf.br

Thais Prudente
thaisprudente@palavra.inf.br

Posts relacionados

By Kamy participa de talk em parceria com It Brands e Radar Design

Redação

Top Shopping recebe 2º Fórum Gastronômico Sebrae Na Mesa

Redação

Breja Rio aposta na gastronomia de boteco

Redação

Deixe um comentário