“Pela Janela”

O longa “Pela  janela” dirigido pela cineasta paulista, Caroline Leone, estreou na ultima edição do Festival de Roterdam, em fevereiro de 2017, e ganhou o prêmio “FIPRESCI Award”, concedido pela International Film Journalists para o melhor filme do programa Bright Future, voltado aos cineastas que realizam seu primeiro longa. A critica revela que o longa “Pela Janela” foi premiado pela forma como “entrelaça no filme as esferas emocional e política sem ser excessivamente demonstrativo”, como divulga o site oficial do festival.  Este prêmio já foi concedido ao cineasta brasileiro Kleber Mendonça Filho pelo filme “O som ao Redor”.
 
No Festival de Roterdam participaram também mais cinco longas metragens brasileiros: “António um, dois, três” de Leonardo Mouramateus, “Arábia” de Affonso Uchoa e João Dumas, “Corpo Elétrico” de Marcelo Caetano (finalizado pela O2 Pós, da produtora O2 Filmes) e “Elon Não Acredita Na Morte” de Ricardo Alves Junior.
 
O primeiro longa da diretora, tem previsão de estreia no Brasil, no final de 2017, mas já foi alvo de critica da imprensa internacional, como a Variety e a francesa Revue de Cinema. “Pela Janela” conta a história da personagem Rosália, vivenciada pela atriz Magali Biff, uma operária de 65 anos, que dedicou a vida ao trabalho, em um fábrica de reatores da periferia de São Paulo. Rosália é demitida, e, deprimida, é consolada pelo irmão José, interpretado pelo ator Cacá Amaral, que resolve levá-la junto com ele em uma viagem de carro até Buenos Aires. Na viagem, Rosália vê pela primeira vez um mundo desconhecido e distante de sua vida cotidiana, começando uma jornada que sutilmente transformará uma parte essencial dela mesma. O filme é um Road Movie realizado no trecho que vai de São Paulo à Buenos Aires.
 
A diretora Caroline Leone também escreveu o roteiro e esteve presente na montagem do filme, que é uma co-produção Brasil-Argentina, das produtoras “Dezenove Som e Imagem” da produtora Sara Silveira e “Rizoma Films” da Argentina.
 
Booking.com