“Voz Negra em Três Gerações” reúne Áurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Íris em encontro único no Centro Municipal de Referência da Música Carioca

Voz Negra (foto: Cyntia C)
Voz Negra (foto: Cyntia C)

Durante os dias 30 de junho e 1 e 2 de julho (quinta a sábado), o espetáculo “Voz negra em três gerações” reunirá três grandes cantoras de diferentes épocas no palco do Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola: Áurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Íris mostrarão toda a beleza das raízes africanas no Brasil, apresentando um repertório voltado à africanidade da MPB. As apresentações começam às 19h30 com entrada a R$20. Antes, no dia 28 de junho, haverá uma palestra com o tema “Africanidade brasileira e sua influência na música popular” no Auditório Auditório: Guerra-Peixe, da Escola de Música Villa-Lobos, com entrada gratuita, às 17h.

Idealizado pela cantora Kesia Estácio, uma das finalistas do programa The Voice Brasil em 2012, com direção musical do compositor Edu Krieger e arranjos de Marcelo Caldi, o projeto é uma celebração inédita reunindo cantoras negras da música carioca que marcaram as três últimas gerações. O projeto pretende valorizar a cultura de matriz africana criada e desenvolvida no Rio de Janeiro e elencar três mulheres cariocas como dignas representantes da voz negra na capital.

Áurea Martins (anos 1960 / 1970), Luíza Dionísio (anos 1980 / 1990) e Marina Íris (contemporânea) celebrarão a diversidade das influências que geraram o canto negro no Brasil, para além do samba e outros gêneros presentes na cultura afro-brasileira. Acompanhadas dos músicos PC Castilho e Alexandre Caldi (flautas), Edu Krieger (violão de 7 cordas), Marcelo Caldi e Kiko Horta (acordeom) e Carlos Cesar Motta (bateria e percussão), as cantoras  desfilarão canções de teor político e de conscientização como “Upa neguinho” (Edu Lobo / Gianfrancesco Guarnieri), “Canto das três raças” (Mauro Duarte / Paulo Cesar Pinheiro) e “Pra matar preconceito” (Raul di Caprio / Manuela Trindade), sem deixar de lado o espírito romântico e contemplativo do brasileiro, como em “Mulambo” (Jayme Florence “Meira” / Augusto Mesquita), sucesso na voz de Jamelão, “Me deixa em paz” (Monsueto / Airton Amorim) e “Espumas ao vento” (Accioly Neto). E haverá uma reverencia aos afrossambas de Baden Powell e Vinícius de Moraes com a música “Berimbau”. Cada qual ao seu estilo, as cantoras se apresentarão juntas o tempo todo no palco.

“O diferencial deste Projeto está em ampliar as fronteiras da africanidade no Brasil, demonstrando como ela transcende o samba e congêneres, e alimenta a MPB desde a origem”, explica Edu Krieger. Destaca-se ainda a oportunidade rara de o artista se aproximar do público através da palestra arte-educativa, que incentivará o diálogo e a conscientização. Será realizada no dia 28 de junho, às 17 horas, no Auditório Guerra-Peixe , da Escola de Música Villa-Lobos (aberta a todos e entrada franca).  O tema será “Africanidade brasileira e sua influência na música popular”. Durante 1h10min as três cantoras falarão sobre  a conscientização quanto ao valor da cultura negra e a sua importância na formação da música brasileira.  Caapacidade para 100 pessoas, e senhas distribuídas uma hora antes

As cantoras

Luiza Dionizio
O canto instintivo e de rara sensibilidade de Luíza Dionísio levou a artista a se apresentar ao lado dos maiores nomes da MPB como Elton Medeiros, Henrique Cazes, Fátima Guedes, Luiz Melodia, Carlos Malta, Wilson Moreira, Diogo Nogueira e Dona Ivone Lara. Seu primeiro álbum, “Devoção” (2010), recebeu as indicações de melhor cantora de samba e de melhor cantora no voto popular do XXI Prêmio da Música Brasileira. Apresentou-se em todo o Brasil e circulou a Europa em turnê em 2012. Faz parte do DVD “Som Brasil Arlindo Cruz”, lançado recentemente pela Som Livre, interpretando 3 faixas de autoria do homenageado. Participou ainda do DVD “Samba Social Clube Vol. 5”, (Universal, 2014).

Áurea Martins
Áurea Martins iniciou a carreira na Rádio Nacional e gravou seu primeiro disco como prêmio pelo primeiro lugar no programa “A Grande Chance”, de Flávio Cavalcanti, em 1969, na extinta TV Tupi. Completou 75 anos em 2015. Com 4 Cds, um DVD e 4 LPs de carreira, cantou na noite carioca por mais de 40 anos. Ganhou o Prêmio da Música Brasileira – Melhor Cantora MPB (2009) com o CD “Até Sangrar”, e lançou o segundo CD “De pontacabeça” (2010), os dois produzidos por Hermínio Bello de Carvalho, pelo selo Biscoito Fino. Áurea concorreu como melhor cantora no Prêmio da Música Brasileira 2012, com o primeiro DVD “Iluminante” lançado no mesmo ano também em CD.

Marina Íris
Finalista da 3ª Amostra do Concurso Novos Bambas do Velho Samba, a cantora levou para sua apresentação um pouco do carnaval das décadas de 50 e 60. Nos últimos anos, fez shows homenageando grandes compositores. Cantou versos de Paulo Vanzolini, João Nogueira, Cartola, Dorival Caymmi, Nássara, Pedro Caetano, Mario Lago, em temporadas nas casas mais tradicionais do Rio, como Semente, Bola Preta, Bar do Tom, Centro Cultural Carioca, Centro de Referência da Música Carioca, Rio Scenarium. Desde 2012, Marina se apresenta regularmente no palco do Carioca da Gema, na Lapa. Hoje comanda as noites de sexta-feira ao lado do cantor Julio Estrela. Seu disco de estreia foi lançado em dezembro de 2014, no Teatro Rival. Vem mostrando seu trabalho em Sescs e casas de show pelo Brasil. Em viagem recente, apresentou-se em São Paulo e no Maranhão.

Ficha Técnica:
Cantoras – Aurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Iris
Idealização – Késia Estácio
Direção musical – Edu Krieger
Arranjos – Marcelo Caldi

Músicos – Pc Castilho (flautas), Alexandre Caldi (flautas), Edu Krieger (violão de 7), Marcelo Caldi (acordeom), Kiko Horta (acordeom) e Carlos Cesar Motta (bateria e percussão)

Realização – Hajalume Produções
Coordenação geral – Fernando Gasparini
Prod. executiva, fotos e design – Cyntia C Santos

Serviço

VOZ NEGRA EM TRÊS GERAÇÕES – Aurea Martins, Luiza Dionizio e Marina Iris
Dias 30/06, 01 e 02/07 (quinta a sábado)
ONDE: Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola
Rua Conde de Bonfim, 824, Tijuca – perto do Metrô Uruguai
HORÁRIO: 19h30
CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA: 12 anos
INGRESSOS : R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia (na bilheteria do teatro)
INFORMAÇÕES: (21) 3238-3880 / contato@hajalume.com.br
Capacidade: 159 lugares
Palestra:
Tema: “Africanidade brasileira e sua influência na música popular”
Com Áurea Martins, Marina Íris e Luiza Dionizio
Dia 28 de junho às 17h na Escola de Música Villa Lobos  – Auditório: Guerra-Peixe
Entrada Gratuita
Capacidade – 100 pessoas
Senhas distribuídas uma hora antes

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO