Daniel Marano, Alexandre Menezes, Otávio Augusto, Edu Fernandes, Rafael Morpanini (foto: Elisa Mendes)
Daniel Marano, Alexandre Menezes, Otávio Augusto, Edu Fernandes, Rafael Morpanini (foto: Elisa Mendes)

Protagonizado por Otávio Augusto, texto inédito do autorGustavo Pinheiro ganha montagem com direção de Cesar Augusto

Espetáculo cumpre temporada de 10 de março a 1º de maio

Um pai doente recebe a visita dos quatros filhos no hospital. O que seria apenas um encontro em função de um parente debilitado se revela um acerto de contas familiar, permeado de humor e afeto, tendo como pano de fundo a história brasileira, dos tempos da ditadura militar à Operação Lavo Jato. Vencedora da etapa carioca da 7ª edição do concurso de dramaturgia Seleção Brasil em Cena, a peça A tropa, do autor Gustavo Pinheiro, estreia no dia 10 de março no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro. Com direção de Cesar Augusto, a peça é protagonizada por Otávio Augusto, no papel do patriarca. O Seleção Brasil em Cena é patrocinado pelo Banco do Brasil.

Ao longo de cinquenta anos de carreira, Otávio Augusto já trabalhou em dezenas de filmes, novelas, minisséries e peças teatrais. Longe do teatro desde 2009, quando encenou Rock’n Roll, de Tom Stoppard, o ator ficou entusiasmado com a ideia de voltar aos palcos após ler A tropa. Ele recebeu o texto do autor com um convite para protagonizar a montagem no papel de um ex-militar, viúvo e pai de quatro filhos. Um homem autoritário que, no leito de hospital, vê as relações veladas da família serem descortinadas.

Os filhos são interpretados por Alexandre Menezes, Daniel Marano, Edu Fernandes e Rafael Morpanini. O embate familiar evidencia a trajetória de cada um: Humberto é um dentista militar aposentado que mora com o pai; João Batista é o caçula, jovem usuário de drogas com passagens por clínicas de reabilitação; Artur é um empresário casado, pai de duas filhas, que trabalha numa empreiteira que está sob investigação por corrupção; e Ernesto é um jornalista que acaba de pedir demissão de um jornal e está em crise com a profissão.  

Embora tenha sido escrito no ano passado, o texto já vinha, de certa forma, sendo maturado desde 2014, a partir das observações do dramaturgo sobre as últimas eleições presidenciais no país. “Fiquei impressionado com a capacidade do debate político abalar amizades nas redes sociais ou fora delas. Qual o lugar da tolerância na nossa sociedade hoje? E como exercitar a tolerância e a diferença em família, o núcleo mais estreito de convívio, regido pelo afeto? Esse foi o ponto de largada para A tropa”, explica o autor.  A premissa é transposta para o quarto de hospital onde os personagens estão confinados, no qual são expostas outras enfermidades – ideológicas, sociais e familiares.

No teatro III do CCBB, a arquibancada da plateia será dividida em duas. As cadeiras serão posicionadas frente a frente como fosse um espelho, para que o público possa se ver no decorrer da trama. Criado por Bia Junqueira, o cenário entre as duas plateias apresenta um quarto de hospital com alguns poucos objetos que foram levados pelos filhos – de pertences do pai a presentes. Os figurinos de Ticiana Passos são contemporâneos e ressaltam as particularidades de cada um.  

O texto A tropa foi uma das três obras selecionadas entre as 265 inscritas na 7ª edição do Seleção Brasil em Cena. As peças Princípios transgredíveis para amores precários e Um caminho para Sara, ambas de Thales Paradela, foram premiadas com temporadas nas unidades do CCBB de Belo Horizonte e Brasília, respectivamente. As peças vencedoras foram escolhidas pelo público entre as doze finalistas que participaram do ciclo de leituras dramatizadas com atores de escolas de teatro de cada cidade, sob a condução de diretores da cena contemporânea. No Rio, A tropa ficou a cargo de Cesar Augusto. Recém-formados pelas escolas CAL e Martins Pena, os atores que integram o elenco fizeram parte das leituras.

Sobre o Seleção Brasil em Cena (www.selecaobrasilemcena.com.br) – O concurso nacional de dramaturgia patrocinado pelo Banco do Brasil foi criado em 2006. Em sete edições, o projeto já recebeu mais de 1.650 textos inéditos de autores de todo o Brasil e mais de 300 atores indicados por escolas de teatro participaram das leituras dramatizadas e encenações. Idealizado pelo produtor Sérgio Saboya, o Seleção Brasil em Cena tem como objetivo fomentar a criação de obras inéditas de novos dramaturgos.  

Realizada em 2015, a 7ª edição do concurso recebeu 265 textos de 13 estados e do Distrito Federal.  Deste total, foram selecionados 12 finalistas que participaram do ciclo de leituras dramatizadas em três unidades do CCBB: Rio, Belo Horizonte e Brasília. Além do texto A tropa, as obras Princípios transgredíveis para amores precários, e Um caminho para Sara, ambos de Thales Paradela, foram premiados com montagens no CCBB da capital mineira e de Brasília, respectivamente.

Sobre o autor – Formado em Jornalismo, Gustavo Pinheiro trabalhou como repórter e assessor de imprensa. Foi um dos dez roteiristas selecionados pela Columbia University (NYC) para o curso TV Writing. Participou do programa Grandes Minorias – Novos dramaturgos para pensar o Brasil, coordenado por Marcia Zanelatto.

FICHA TÉCNICA – A TROPA

Texto: Gustavo Pinheiro                
Direção: Cesar Augusto
Assistente de direção: Raquel André                                                                

Elenco: Otávio Augusto (Pai), Alexandre Menezes (Humberto), Daniel Marano (João Batista), Edu Fernandes (Artur) e Rafael Morpanini (Ernesto)

Produção local: João Eizô
Preparação corporal: Raquel André
Preparação vocal: Breno Motta
Cenografia: Bia Junqueira             
Iluminação: Adriana Ortiz
Vídeo-registro: Diogo Fujimura
Figurinos: Ticiana Passos
Trilha Sonora: Cesar Augusto e Rodrigo Marçal
Fotos: Elisa Mendes

Escolas de Teatro Participantes: CAL-Casa das Artes de Laranjeiras, UNIRIO, Nós do Morro, Universidade Candido Mendes, Escola de Teatro Martins Penna

FICHA TÉCNICA – PROJETO SELEÇÃO BRASIL EM CENA

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Produção: Associação Cena Brasil Internacional

Diretor de produção: Sergio Saboya

Coordenação Nacional: Carlos Chapéu

Comissão de seleção de textos: Beatriz Radunsky, Felipe Vidal, João Coelho, Luciana Eastwood Romagnolli, Sérgio Coelho Pinheiro, Sergio Fonta, Shala Felippi, Sergio          Maggio e Soraya Belusi

Website: José Dantas e Thiago Souza      

Textos finalistas: A tropa (Gustavo Pinheiro), Algum lugar onde nunca estive (Bernardo Florim), Com as mãos vazias (Edih Longo), Elas (João Rodrigo Ostrower), Maioridade (Flávio Goldman), Mandíbula (Roberval Tamanho), Na real (Rogério Corrêa), Obra do acaso (Flavio Freitas), Princípios transgredíveis para amores precários (Thales Paradela), Projeto Stockton (Carol Rainatto), Sobre cordeiros, navalhas e dentes-de-leão (André Luis Silva) e Um caminho para Sara (Thales Paradela)

Equipe de produção: Alex Nunes, Maria Albergaria e Nathália Mascitelli.

SERVIÇO

Espetáculo: A tropa 

Estreia para convidados: 9 de março

Temporada: 10 de março a 1º de maio de 2016

Dias e horários: Quarta a domingo, às 19h30

Local: CCBB Rio – Teatro 3 (Rua Primeiro de Março 66 – Centro)

Capacidade: 50 lugares

Classificação indicativa: 14 anos

Gênero: Comédia dramática

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Duração: 90 minutos

Informações: (21) 3808-2020

 bb.com.br/cultura | twitter.com/ccbb_rj | facebook.com/ccbb.rj

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui