Última chamada: Pais e filhos juntos na arte circense

Família de palhaços apresenta o espetáculo "Poropopó"

Foto: Vantoen Pereira
Foto: Vantoen Pereira

Última chamada para o expresso da magia do circo. O espetáculo “Poropopó” (R$ 20,00 inteira) faz sua última apresentação da temporada neste sábado, 28, às 16h. André Garcia levou para os palcos a esposa Ludmilla Silva, e os filhos, Alice, de três anos e Pedro, de 10, que atuam ao seu lado, formando a trupe “Será o Benidito?”. Os jovens palhaços comprovam que na família Garcia Alvez ninguém nasce. Vir ao mundo é apenas a estreia de uma trajetória, que começa em cima do tablado. O infantil, destinado para toda família, se apresenta no palco do Teatro Eva Herz, na Rua Senador Dantas, 45 (subsolo da Livraria da Cultura).

Um dos grandes desafios dos pais do mundo contemporâneo é equilibrar a atenção ao lar com a vida profissional. André Garcia driblou esse dilema, sem prejudicar nenhum dos lados. Para conciliar a realização pessoal com a profissional, há 20 anos, ele abandonou a rotina de bancário e, resolveu mudar de vida. Trocou as agências pelos aplausos da plateia. Virou palhaço de apresentações ao ar livre.

Os filhos de André e Ludmilla herdaram dos pais a paixão pela arte. O ator garante que não existe cobrança com os pequenos. “Não tratamos como uma responsabilidade, tratamos como algo sem compromisso. Se ele ou ela não estiverem com vontade de entrar em cena, não tem problema. O nosso fazer é o prazer e a diversão de estarmos de juntos. Não queremos que se sintam forçados ou obrigados”, diz André, que no espetáculo se transforma no Palhaço Migué.

Largar o emprego fixo para se dedicar a arte, pode até ter sido tarefa difícil. Mas hoje, para quem tinha uma rotina estressante do dia a dia de uma agência bancária, André não se arrepende da troca de profissão e garante que o prazer de trabalhar com a família é o que o move.  “O que sinto é a satisfação de ter essa oportunidade de estar juntos com a minha família mais tempo e ainda ser divertido. O que eu quero é aproveitar essa maravilhosa oportunidade que, sem pretensão, aconteceu e nos deixa unidos e felizes, além de estarmos em família e provar que o maior presente é estar com quem você ama”, afirma o ator.  

Quem vê a palhaço Tony Pastel, logo percebe a desenvoltura do menino de 10 anos, que dá seus primeiros passos nos palcos. O garoto assimila os esquetes, entende a dinâmica da peça, e participa bastante do desenrolar da história. Segundo o pai, os atores mirins adquiriram a paixão pela arte de forma natural, e revela um desejo de Pedro, comum a quase todo menino brasileiro. “Ele já falou algumas vezes de fazer a faculdade de artes cênicas ou de música. Mas ainda é apaixonado pelo futebol e sempre diz que vai ser jogador”, comenta André.

Poropopó apresenta números de palhaço e mantém vivo o jogo cômico, revivendo as cenas do circo tradicional. Com piadas, reprises de palhaços e números circenses, os personagens entram sempre querendo revelar um humor ingênuo. Uma grande brincadeira e diversão para crianças e adultos com espírito infantil.

Sobre a Companhia ‘Será o Benidito!?’

A companhia ‘Será o Benidito!?’ está desde 2002 buscando, com trabalhos de pesquisa, estudos e análise de textos e autores, o verdadeiro teatro popular brasileiro. O idealizador do grupo, André Garcia, tem como base o teatro de rua, circo, performances, cultura oral e criações coletivas, levando uma linguagem direta e clara, de identificação imediata com os espectadores de qualquer idade ou classe.

Serviço:

Local: Teatro Eva Herz – R. Senador. Dantas, 45 – Centro – Rio de Janeiro/RJ (Subsolo da Livraria Cultura).

Temporada: Sábado, dia 28, às 16h.

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada).

Horário de funcionamento da bilheteria: Terça a Sábado, das 14h às 21h – Tel.: (21) 3916-2600

Duração: 50 minutos.

Classificação: Livre.

DEIXE UM COMENTÁRIO