Silvério Pontes lança CD autoral

Trompetista mostra magia ao tirar lindas melodias da cartola

foto: Alfredo Alves
foto: Alfredo Alves

Aos 40 anos de carreira, o trompetista Silvério Pontes acaba de se render a uma parte das centenas de melodias que habitam sua cabeça. Eis que a cabeça do instrumentista revela-se uma verdadeira festa! E toda essa festa está no seu primeiro CD autoral: “Reencontro”.

O tal “Reencontro” é consigo mesmo, com sua criatividade, com suas emoções, com seu talento e toda a sua versatilidade. Se o choro sempre foi o carro-chefe do trabalho de Silvério Pontes, ele puxa um cortejo de ritmos, estilos e gêneros. Diversidade que o compositor e violonista Guinga exalta com empolgação: “Trompete da Cantareira. Flugel do Valonguinho. Cafifa com surdina. Piston com rabiola. Um certo ar de coreto, baile, cortejo, parada de Sete de Setembro, toque de silêncio… Corneta que te quero corneta! Seu Fluminense destinado ao sucesso. Grande artista brasileiro! Você lembra as aves da Ponta d`Areia. Sua música é linda!”. 

O CD “Reencontro” tem concepção e idealização de Silvério Pontes.  Da alegria da faixa “Polca na praia” à romântica “Amor eterno”, do choro ao jazz, Silvério passeou por lembranças de infância com a circense “Hoje tem marmelada” e rendeu homenagens ao ídolo, o compositor e instrumentista Astor Piazzolla (compositor e instrumentista) e ao parceiro de décadas, o trombonista Zé da Velha, que não poupou elogios: “Conheço o Silvério há 32 anos e ele já era um músico talentoso. Mas, durante esse tempo, ele evoluiu muito e agora se mostra um compositor de belas melodias. A música em minha homenagem foi um presente que eu não esperava; fiquei muito emocionado. Durante esses anos interpretamos juntos os compositores brasileiros e agora tenho a alegria de apresentá-lo como compositor. Adorei a variedade de estilos!”

Lançado pelo selo Des Arts, “Reencontro” é, realmente, pródigo em estilos. Afinal de contas, Silvério recebeu influências variadas desde que ganhou seu primeiro trompete, aos oito anos de idade: tocou e gravou com artistas diversos como Tim Maia – que acompanhou como integrante da banda Vitória Régia por 12 anos –, Paulinho da Viola, Luiz Melodia, Elza Soares, Francis Hime, Beth Carvalho e Yamandú Costa.

Mas, neste novo trabalho, foi Silvério Pontes que contou com instrumentistas do primeiro time da nossa música: o acordeonista Marcelo Caldi, o cavaquinista Henrique Cazes, a saxofonista Daniela Spielman, o violinista Nicolas Krassik e o próprio Zé da Velha. No show de lançamento do CD, no dia 6 de outubro, no Teatro Municipal de Niterói, Caldi, Cazes, Daniela e Zé da Velha também estiveram presentes. Além deles, Silvério foi acompanhado pela banda formada por Charlles da Costa (violão), Adalberto Miranda (baixo), Carlos César (bateria) e Felipe Tauil (percussão). E como o espetáculo também era uma festa, Silvério contou com muitos outros convidados como Mauro Costa Júnior (violão), Marcos Nimrichter (piano), Fabiano Segalote (trombone), Bebê Kramer (acordeon), Alexandre Cardoso (cavaquinho), Alexandre Romanazzi (flauta), Dudu Oliveira (flauta), Leandro Saramago (violão), Vitor Tosta (trombone), Sérgio de Jesus (trombone), Thiago Osório (trombone e bombardino) e Rodrigo Munhoz (saxofone).  O show teve direção musical de Fabiano Segalote e Silvério Pontes.

Agora, para participar de festa promovida por Silvério Pontes só mesmo curtindo o CD “Reencontro”. Ou, claro, no próximo show. Fique ligado!