Rapper da Zona Norte lança seu primeiro EP por meio de financiamento coletivo

Yas Wenerck, a voz feminina do subúrbio carioca, está finalizando o trabalho nomeado ‘Hexagonal’ 

Se você ainda não conhece, um dia vai conhecer. Yas Werneck, a Rapper da Zona Norte do Rio de Janeiro, está prestes a lançar o seu primeiro EP, Hexagonal. Com músicas que falam sobre as seis áreas da vida – sentimental, familiar, financeira, bem-estar, espiritual e profissional – e com estilos que passeiam entre o Rap, Trap e o Neosoul, a cantora de 25 anos pretende conquistar um espaço na cena do Rap carioca. O trabalho é independentee acontece por meio de financiamento coletivo (para saber mais, clique aqui). As contribuições vão até a próxima terça-feira (23). O lançamento do EP está previsto para setembro (17), na Arena Dicró, na Penha.

A relação com a música veio de família e com a mudança de cidade. Nasceu carioca, mas, quando pequena, morou no interior de São Paulo, Pirassununga, e só voltou ao Rio com 13 anos. “Lá não tinha negros e, por isso, eu me sentia perdida, muito diferente. Mesmo não sendo tão pigmentada, eu me sentia diferente”, conta. Foi o pai quem introduziu a cultura hip hop. “Ele ouvia muito MV Bill, Racionais e eu acabei curtindo por causa dele. Depois, comecei a procurar referências femininas e me achar dentro do Rap”. Ela recorda que via DVDs de clipes do gênero com os irmãos e, a partir daí, começou a se identificar. “Mudei meu jeito de me vestir, meu cabelo e comecei a escrever poesias. Jogava no papel tudo que eu sentia”, lembra.

Diante de tantos gêneros, o Rap foi o escolhido. Na verdade, o contrário. “Foi o Rap que me escolheu. Eu poderia ter ido para outras vertentes, como o Gospel ou MPB. Até porque as letras, primeiramente, são poesias, depois que eu coloco melodia”, afirma. Para a Rapper, que começou a cantar dentro da Igreja, a música não é só entretenimento. “A minha canção não é um hobby, é mais que isso. Eu levo a sério e estudo, assim como faço com a faculdade”, diz ela, que também é estudante de Matemática e já atua como professora. “Parece que colocaram isso na minha mão e é o que eu tenho que fazer”.

E está fazendo. Há 6 anos, Yas Werneck canta o seu Rap e luta para conseguir um espaço na música, que é o seu maior desafio. “Hoje, eu não tenho produtor, sou sozinha. Tenho que fazer tudo três vezes melhor para conseguir um lugar”, conta sobre as dificuldades na construção de ‘Hexagonal’. Yas também lamenta os obstáculos enfrentados pelas mulheres nesse cenário musical. “Tenho que me impor muito mais por ser mulher. Não tem uma figura feminina na cena, principalmente no Rio. A gente tem que fazer muito bem para conseguir espaço”, aponta.  

Para ouvir o trabalho da Rapper, clique aqui.

Para contribuir na Vakinha, clique aqui.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO