“Quem vê até…” em curta temporada no Teatro Cândido Mendes

Espetáculo da Cia. Melodramática do Rio de Janeiro, dirigido por Paulo Merisio. QUEM VÊ ATÉ… resulta de historias propostas pelos atores baseadas nas ideias de tempo e abandono. O futuro vê o passado e vice versa. Como os abandonos nos afetam? A estrutura narrativa do espetáculo foi construída a partir de cenas inspiradas em vivências pessoais e referências a personagens de obras de ficção.  

Desejos, frustrações, projeções, angustias, rupturas, melancolia, passado, presente, futuro… tempo, tempo, tempo…

Um jogo teatral que envolve o público, sem a definição precisa entre as experiências vividas e aquelas projetadas (ou roubadas…).  Na dúvida entre o que é real, ou não, o espetáculo expõe questões que perpassam a vida, e as poetiza.
Embalado ao som de Secos & Molhados a narrativa se desenvolve de forma surpreendente. A peça é divida em três blocos com dramaturgos diferentes que atuam também em outras áreas da cena. O primeiro é costurado pela diretora Rosyane Trotta, o segundo pela romancista e teledramaturga Claudia Lage e o terceiro pelo ator Rafael Martins, do Grupo Bagaceira, de Fortaleza/CE.

A Cia. Melodramática do Rio de Janeiro é formada por ex-alunos de Artes Cênicas da UNIRIO. O grupo atua desde julho/2011.

Quem vê até..

FICHA TÉCNICA
Direção: Paulo Merisio
Dramaturgia: Rosyane Trotta, Claudia Lage e Rafael Martins
Cenografia: Paulo Merisio e Ivan Souza
Figurino: Daniela Sant’Mor
Assistente Figurino: Michele Kisiolar
Direção de movimento: Renato de Sena.
Iluminação: Tiago Monte
Elenco: Brenda Jací, Glória Dinniz, Leonardo Vasconcelos
Produção: Glória Dinniz
Concepção e Produção Geral: Cia. Melodramática do RJ

SERVIÇO – Quem vê até…
Local: Teatro Cândido Mendes
Endereço: Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema
Telefone: 2523-3663
Capacidade: 103 lugares
Estreia: 03 de novembro de 2015
Temporada: De 03 a 24 de novembro de 2015
Dias/horário: Terças feiras, às 21 horas
Duração: 75 minutos
Classificação etária: 16 anos
Valor: R$ 40,00

DEIXE UM COMENTÁRIO