Projeto P.E.R.I.F.É.R.I.C.O chega à sua 5ª edição no Espaço Cultural Escola SESC

Com um panorama latino-americano de arte e cultura das periferias, o evento acontece de 15 a 22 de outubro e promove a troca de experiências culturais à margem do convencional, gerando diversão e reflexão

Eles não usam naique (Foto: Ratao Diniz)
Eles não usam naique (Foto: Ratao Diniz)

O projeto P.E.R.I.F.É.R.I.C.O. chega à sua 5ª edição a partir do sábado (15/10), no Espaço Cultural Escola Sesc (Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá). A iniciativa reúne artistas de países como Colômbia, Peru, Argentina e Chile, além de representantes da cultura nacional vindos do Sergipe, São Paulo, Maranhão, Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O evento tem objetivo de promover o encontro entre os segmentos de artes e culturas voltados às manifestações, obras, artistas e grupos dedicados ao teatro, música e artes visuais – à margem do mercado cultural estabelecido – realizando intercâmbios, residências e apresentações artísticas.

Durante os encontros, o público é convidado a transitar pelos vários espaços que configuram o Espaço Cultural Escola Sesc para usufruir de espetáculos teatrais, oficinas, shows musicais e exposições de artes plásticas. Este ano, teremos ainda o lançamento de mais um número da publicação P.E.R.I.F.É.R.I.C.O: Dramaturgias latino-americanas, além de atividades como a peça “Mi nombre es 23”, da Cia Gestus, que teve grande repercussão no Peru; “Conversas visuais” – apresentação de trabalhos da artista argentina, Natália Gerscovich; “Na vitrola” – baile musical com Feminine Hi Fi (SP) e Tata Ogan (RJ), entre outros. As atrações têm entrada gratuita e vão até o dia 22 de outubro.

SERVIÇO: P.E.R.I.F.É.R.I.C.O.

Sinopse: iniciativa do Espaço Cultural Escola Sesc que promove um encontro de artes e cultura, realizando intercâmbios, residências, cursos, lançamentos de publicações e apresentações artísticas.

Período: de 15 a 22 de outubro de 2016

Entrada Gratuita

Local: Espaço Cultural Escola Sesc |Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá

Informações: (21) 3214-7404 | espacocultural@escolasesc.com.br e espacoculturalescolasesc@gmail.com

 

PROGRAMAÇÃO P.E.R.I.F.É.R.I.C.O. 2016:

Sábado • 15/10 • 15h e 19h

Espetáculo teatral – VULCÃO – CAIXA CÊNICA (SE)

Local: Palco do Teatro| Capacidade: 80 lugares | Duração: 60 minutos | Classificação: 14 anos

Sinopse: Apresentado pelo Grupo Teatral Caixa Cênica, dirigido por Sidnei Cruz e escrito pela dramaturga Lucianna Mauren, o espetáculo “Vulcão” foi gerado através de fragmentos da memória da atriz Diane Veloso, a responsável pela interpretação da personagem – em todas suas camadas e facetas – que sustenta o solo. Com um desenvolvimento não linear, a peça se origina da necessidade de Diane em transformar a energia de sua história – até então, com um caráter autobiográfico – em uma tradução poética e autônoma – alcançando, assim, um caráter universal.

FICHA TÉCNICA:

Diretor: Sidnei Cruz | Dramaturgia: Lucianna Mauren | Assistente de direção: Olga Gutierrez – Amanda Steinbach | Elenco: Diane Velôso | Produtora executiva: Nah Donato | Cenário: Denver Paraizo, Sidnei Cruz | Figurinista: Vivy Contrim | Iluminador: Sergio Robson | Trilha sonora e sonoplastia: Alex Sant’anna, Leo Airplane | Músicos da trilha: Arthur Matos, Fabio Oliveira, Leo Airplane, Luiz Oliva e Gabriel Perninha, produção de Alex Sant’Anna | Operador de luz: Audevan Caiçara|Jonathan Resende | Fotografia: Marcelinho Hora | Vídeos e projeção cênica: Manoela Velôso

Domingo • 16/10 • 17h

Espetáculo teatral – MI NOMBRE ES 23 – CIA GESTUS (PERU)

Local: Palco do Teatro| Capacidade: 100 lugares |Duração: 80 minutos | Classificação: 12 anos

Sinopse: Espetáculo solo de clown para adultos com Cesar Garcia e direção de Paloma Reyes de Sá. Uma peça sobre o Palhaço 23, que está constantemente se metendo em problemas e lidando com seus fracassos. 23, depois do coração partido, procura uma mudança de vida e descobre as dificuldades em ser um homem que sente necessidade de aceitação no amor e no trabalho.  Neste espetáculo o ator apresenta números físicos, interage com o público como palhaço e trabalha com improvisação, entrando em contato com seu lado mais absurdo, radical e ingênuo, gerando humor e ternura em sua busca para ser quem realmente é. A peça foi apresentada com sucesso na cidade de Lima-Peru em 2015.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Paloma Reyes de Sá | Clown: Cesar García

Segunda • 17/10 • 14h30

Leitura encenada dos textos premiados no Concurso Jovens Dramaturgos

Coletivo Bonobando (RJ)

Local: Auditório| Capacidade: 80 lugares

Segunda • 17/10 • 17h

Espetáculo teatral – ELES NÃO USAM TÊNIS NAIQUE – CIA MARGINAL (RJ)

Local: Palco do Teatro| Capacidade: 80 lugares |Duração: 60 minutos | Classificação: 12 anos

Sinopse: “Eles não usam tênis naique” é o mais novo espetáculo da Cia Marginal, grupo teatral atuante na cidade do Rio de Janeiro há dez anos. Com texto inédito e premiado de Marcia Zanelatto e direção de Isabel Penoni, a peça se passa numa favela do Rio de Janeiro, onde um pai e uma filha se reencontram depois de muitos anos.

 “Eles não usam tênis naique” explora a complexidade do tema do tráfico, encarando-o de diferentes perspectivas, do seu aspecto mais brutal à sua dimensão afetiva. Nesse jogo cênico, em que nenhuma posição é fixa, os atores ainda encontram espaço para debater a questão de sua própria perspectiva, expondo, através de intervenções autobiográficas que perfuram a trama fictícia, a maneira particular como o tráfico atravessa suas vidas. Com direção musical de Thomas Harres e a presença do músico Rodrigo Souza em cena, o espetáculo conta com uma trilha sonora eletroacústica que explora a musicalidade da periferia e impõe forte pulsação a cena. O cenário é do artista plástico Guga Ferraz, o figurino de Raquel Theo e o desenho de luz de Pedro Struchiner.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Isabel Penoni | Texto: Marcia Zanelatto | Intervenção dramatúrgica: Cia Marginal | Elenco: Geandra Nobre, Jaqueline Andrade, Phellipe Azevedo, Rodrigo Souza, Wallace Lino | Direção Musical: – Thomas Harres | Trilha sonora original: Rodrigo Souza e Thomas Harres | Cenário: Guga Ferraz | Figurino: Raquel Theo | Luz: Pedro Struchiner | Programação visual: Daniel Kucera | Foto: Ratão Diniz | Produção: Mariluci Nascimento | Assistente de produção: Priscilla Monteiro e Diogo Vitor | Realização: Cia Marginal

Segunda • 17/10 • 19h30

Show Musical Enquanto Espera – com Alex Sant´Anna e banda (SE) 

Local: Anfiteatro | Capacidade: 200 lugares

Sinopse: Em seu show “Enquanto Espera”, nome do seu último CD, Alex Sant’Anna faz um recorte de vários momentos de sua carreia com ênfase nas canções do mais novo álbum, além de apresentar novas canções. Guitarras, samples, sintetizadores e melotrons, fazem uma moldura perfeita e delicada para as letras, sempre bem trabalhadas, desse cantor e compositor sergipano.

FICHA TÉCNICA:

Alex Sant’Anna: Voz e Violão | Leo Airplane: Teclado/Baixo | Luiz Oliva: Guitarra | Rodrigo Antônio: Bateria | Rafael Ramos: Baixo

Terça • 18/10 • 14h30

Palestra “Texto, corpo e ritual” com Sheyla Smanioto

Local: Auditório |Capacidade: 80 lugares

Terça • 18/10 • 17h

Espetáculo teatral – MUERTE, RESURRECCIÓN Y MUERTE – TEATRO EXPERIMENTAL FONTIBÓN TEF – COLÔMBIA

Local: Palco do Teatro| Capacidade: 100 lugares |Duração: 60 minutos | Classificação: 14 anos

Sinopse: “Impuseram obrigações, criaram leis e inventaram superstições. Vigiaram pelo cumprimento das normas. E construíram extraordinários artefatos para coordenar a todos, porque todos eram culpados. Nada poderia questionar a perfeição daquele sistema, até que, de repente, apareceu um inocente…”.

“Muerte, resurrección y muerte” é uma reflexão sobre a justiça e todo o aparato que o homem idealizou, em seu afã de preservar a lei e a ordem. Um olhar crítico, o lado grosseiro de uma caricatura, às vezes divertida e outras vezes aterradora: dois juízes se preparam para ditar sentença na solidão de um antigo e estranho tribunal. Sabem como devem proceder e de antemão, sabem que tem que declarar culpa ao acusado, mas não sabem nada mais, nem sequer conhecem o condenado e seus delitos… O baile ingênuo, ridículo e cruel de uns homenzinhos que o homem converteu em deuses.

FICHA TÉCNICA:

Texto e direção: Raúl Cortés (Espanha)

Terça • 18/10 • 18h

Conversas visuais – apresentação de trabalhos da artista Natália Gerscovich (Argentina)

Local: Pilotis

Terça • 18/10 • 19h30

Na vitrola, baile musical com Feminine Hi Fi (SP) e Tata Ogan (RJ)

Local: Anfiteatro | Capacidade: 200 lugares

Quarta • 19/10 • 14h30

Palestra “Porque dramaturgia?” com João Cícero (RJ)

Local: Auditório|Capacidade: 80 lugares

Quarta • 19/10 • 17h

Espetáculo teatral – CIDADE CORRERIA – COLETIVO BONOBANDO (RJ)

Local: Teatro| Capacidade: 600 lugares |Duração: 60 minutos | Classificação: 12 anos

Sinopse: CIDADE CORRERIA é um espetáculo sobre a cidade. A dramaturgia é fruto de trabalho radicalmente coletivo, inspirada em imagens, filmes, situações cotidianas, histórias de vida e contos literários. O espetáculo não é uma história, é uma invasão, um transbordamento de nossas urgências cotidianas, nossas contradições, alegrias, delírios, feridas e potências. Uma cidade inventada, em deriva, que poderia ser a nossa cidade, ou qualquer cidade. Sejam bem-vindos à cidade caos, cidade contradição, cidade maravilhosa, cidade impedida, cidade carnaval, cidade invenção, cidade revolução. Cidade Correria.

FICHA TÉCNICA:

Com: Daniela Joyce, Hugo Bernardo, Igor da Silva, Jardila Baptista, Karla Suarez, Livia Laso, Marcelo Magano, Patrick Sonata, Thiago Rosa, Vanessa Rocha | Dramaturgia: Criação Coletiva | Direção: Adriana Schneider e Lucas Oradovschi | Metodologia de dramaturgia: Adriana Schneider | Direção de movimento: Cátia Costa e Mariana Mordente | Direção musical e trilha original: Ricardo Cotrim | Funk “Xô sai pra lá”: Marcelo Magano e Ricardo Cotrim | Direção de arte: Fabiana Mimura | Iluminação: Nina Balbi | Preparação corporal: Cátia Costa | Treinamento de máscaras balinesas: Lucas Oradovschi | Assistência de arte: Filipe Duarte | Direção de produção: Karla Suarez | Produção executiva: Marcelo de Brito | Comunicação: Karla Suarez e Marcelo Magano | Textos da pesquisa: O bebê de tarlatana rosa, de João do Rio; A última chuva do prisioneiro, de Mia Couto; O duelo entre a criança que diz sim e a cidade que diz não, de Thiago Rosa; Banzeiro, de Ricardo Cotrim; Cidade Correria 1, de Thiago Florencio; Cidade Correria 2, de Daniel Guimarães.

Quarta • 19/10 • 18h

Mostras visuais com exposição/ performance de Raurício Barbosa (MA)

Local: Pilotis

Quarta • 19/10 • 19h30

Na vitrola, baile musical com o discotecário Tuta – Vinil é arte (MG)

Local: Anfiteatro | Capacidade: 200 lugares

 

Quinta • 20/10 • de 10h as 14h30

Oficina O DONO DA CENA

Local: Teatro| Capacidade: 20 lugares |Duração: 4h30 | Ministrante: Bruno de Souza – Cia Sino (BA)

Sinopse: A oficina O DONO DA CENA ministrada por Bruno de Sousa (Bacharel em Artes Cênicas – Interpretação Teatral pela UFBA; ator, autor e criador do espetáculo Benedita) pretende estimular a AUTONOMIA criativa de cada intérprete – atuante. O foco principal será dado na Contação de Histórias e Construção de personagens através da utilização dos meios expressivos de corpo, voz, espaço e referências pessoais de cada participante.

Quinta • 20/10 • 14h30

Palestra “O grito entre as ruínas: paisagens dramatúrgicas por trás da derrota” com Raúl Cortés (Espanha)

Local: Auditório | Capacidade: 80 lugares

Quinta • 20/10 • 17h

ALFONSINA – ESPUMA BRUMA (ARGENTINA)

Local: Teatro| Capacidade: 600 lugares |Duração: 50 minutos | Classificação: 12 anos Sinopse: AlfonsinA é um espetáculo feminino que acontece num aparelho tradicional de circo, a corda bamba. Tem como inspiração as vozes de dois ícones da literatura feminista: a poetisa argentina Alfonsina Storni (1892-1938) e a escritora inglesa Virginia Woolf (1882-1941).
A mulher e a palhaça se equilibram na poesia, juntando o circo e a literatura para construir imagens, pensamentos e sensações dessa corda bamba que sustenta a vida. 

FICHA TÉCNICA: 
Criação: Celeste Zalloechevarría e Fábio Freitas | Interpretação: Celeste Zalloechevarría | Direção: Fábio Freitas | Cenografia, construção do aparelho e Iluminação: Dodô Giovanetti  | Figurino: Florencia Santángelo e Carolina Pierro | Assessoria em movimento: María Angélica Gomes | Voz da Alfonsina Storni: Aurora Santángelo Earp e Florencia Santángelo | Voz da Virginia Woolf: Carol Cony | Fotografia: Gian Lana

Quinta • 20/10 • 18h

Mostras Visuais com exposição/performance do Coletivo Gentil Carioca

Local: Pilotis

Quinta • 20/10 • 19h30

“Na vitrola” com Coletivo Quermesse (RJ)

Local: Anfiteatro | Capacidade: 200 lugares

 

Sexta • 21/10 • 15h

Mesa com os tradutores e lançamento da publicação P.E.R.I.F.É.R.I.C.O – dramaturgias latino-americanas

Local: Auditório| Capacidade: 80 lugares 

Participantes: MANOEL RICARDO DE LIMA é poeta, professor da Escola de Letras e do PPGMS da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO. Publicou, entre outros, Falas Inacabadas [com a artista visual Elida Tessler], Geografia Aérea, Um tiro lento atingiu meu coração, As Mãos e Jogo de Varetas. 

IEDA MAGRI é professora de Teoria Literária da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e autora de Tinha uma coisa aqui (7 Letras, 2007), Olhos de bicho (Rocco, 2013) e Ninguém (7 Letras, 2016). Traduziu também do espanhol as peças Desaparecidos, de Claudia Eid Asbum e Rua de mão única, de Sara Jofre, para esta mesma coleção. 

CARLITO AZEVEDO é editor, crítico e poeta brasileiro. Carioca da Ilha do Governador, cursou a faculdade de Letras da UFRJ, voltando sua atenção para a poesia francesa, a qual vem traduzindo regularmente. É autor das obras Monoframa, Sublunar, As banhistas, Sob a noite física:poemas, Cidade. Foi indicado ao Premio Portugal Telecom de Literatura. 

Sexta • 21/10 • 17h

Espetáculo Benedita – Cia Sino (BA)

Local: Palco do Teatro| Capacidade: 100 lugares |Duração: 60 minutos | Classificação: 12 anos

Sinopse: O espetáculo traz à tona a preservação de Patrimônio Imaterial Cultural com humor e densidade quando leva o público a conhecer de perto Benedita, uma misteriosa senhora contadora de histórias. Ela carrega uma gigantesca trouxa na cabeça. Em meio aos panos que traz, existem roupas sujas de cores vivas. Benedita conta a historia dessas indumentárias especiais – peças que marcaram sua vida centenária. Sua apresentação é um ritual de passagem que passeia entre o trágico e o cômico para a construção de uma personagem genuinamente brasileira. Uma mulher-mito, contadora de histórias, lavadeira-curandeira-bruxa-feiticeira, em seu limite de vida. Com uma declarada relação com o misticismo e com o indizível ela perpassa o curandeirismo e a espiritualidade. Benedita tece destinos através dos casos que conta, relatando uma história arquetípica e mitológica.

A Cia Sino surge em 2011 (Salvador BA), com a montagem do solo BENEDITA de Bruno de Sousa. O artista, Bacharel em Artes Cênicas pela UFBA, traz uma experiência cênica autônoma, desde os aspectos criativos artísticos até os meios de produção. Através de parcerias e diálogos com outros artistas e grupos, o espetáculo já fez diversas temporadas em Salvador BA e Rio de Janeiro RJ, participações em mais de 20 festivais nacionais, 18 prêmios e mais de 30 indicações.

FICHA TÉCNICA:

Texto, Direção e Atuação: Bruno de Sousa | Orientação: Fábio Vidal  e Danilo Pinho | Cenografia: Rodrigo Frota | Trilha Sonora: Leandro Villa | Figurino: Diana Moreira | Desenho de Luz: Pedro Dultra | Maquiagem: Ramona Azevedo | Operação e montagem de luz: Elton Pinheiro | Produção: Em Cartaz produções artísticas (Martha Avelar e Thais Teixeira) | Realização: Cia Sino

Sábado • 22/10 • 16h às 21h

Feira – festa de encerramento do P.E.R.I.F.É.R.I.C.O (feira gastronômica, feira de vinis e livros usados, performance e mappings)

16h às 21h – Conversas visuais – resultado das residências em Artes Visuais

17h – Balaios artísticos – resultado das residências de Artes Cênicas e música

19h – Show musical com Allen Jerônimo & a RAVE DE RAIZ (PE/RJ)

Local: Anfiteatro|Capacidade: 200 lugares

Pesquisa musical que busca fomentar e expandir, ainda mais, a cultura popular pernambucana unindo o Xote, Xaxado, Ciranda, Maracatu, Coco, Frevo e demais ritmos do nosso nordeste. Há 3 anos na Cidade Maravilhosa, participamos das principais festas em renomadas casas, realizamos grandes parcerias e nos apresentamos com inúmeros nomes da cena Carioca e brasileira.  Em 2015 gravamos nosso DVD no Cordão da Bola Preta-LAPA com grandes convidados e lançamos, em seguida, nossos vídeo clipes COPACABANA GIRL e QUANDO ME ACHO (Rodado na capital Paulista). Nas Olimpíadas 2016, fomos convocados, através do edital Olímpico, para compor a programação do PALCO TENDÊNCIAS no Boulevard Olímpico levando nosso espetáculo para um público de aproximadamente 10.000 presentes (circulando). Estamos prestes a lançar o nosso mais novo trabalho. SOL DA FAVELA, com o Rapper da Cidade de Deus, MV BILL. Clipe rodado na Comunidade com Crianças em situação de vulnerabilidade. Um trabalho social que terá seu lançamento nacional no final de Setembro. Um show para dançar e refletir, ainda mais nosso nordeste, sua poesia e seus costumes. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui