Pensador japonês Kuniichi Uno participa do ‘Ciclo Ato Criador – Outros possíveis’ no Oi Futuro Ipanema

Com direção de Ana Lúcia Pardo, evento, que celebra 10 anos de atividades, segue até dezembro com mesas-redondas, workshops, debates e oficinas que reúnem artistas e teóricos de áreas diversas

Kuniichi Uno
Kuniichi Uno

No dia 19 de outubro, o Ciclo Ato Criador apresenta, no Oi Futuro no Ipanema, a mesa de debates “Um corpo desconhecido”, com a participação do pensador japonês Kuniichi Uno e da professora e escritora Christine Greiner.  A discussão vai girar em torno de como a arte pode reinventar o corpo, no sentido em que foca em singularidades e não em identidades dadas a priori, fazendo da alteridade um estado de criação. O evento faz parte do Ciclo Ato Criador – Outros Possíveis, que segue até dezembro, com mesas-redondas, palestras, debates e oficinas que reúnem artistas e teóricos de áreas diversas na busca por lançar uma luz sobre a estética da existência e de novos modos de criação de mundos, criação de possíveis.

Esta é a 6ª edição do evento, realizado desde 2006 no Oi Futuro, com patrocínio da Oi, da Petrobras, do Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, sob a curadoria e supervisão da atriz, jornalista e gestora cultural Ana Lúcia Pardo. Neste ano, a série também recebe o apoio do Consulado da França no Rio de Janeiro. Todas as atividades são gratuitas.

Ana Lucia Pardo (foto: Guga Melgar)
Ana Lucia Pardo (foto: Guga Melgar)

Dia 19/10 – quarta-feira, 19h. Oi Futuro Ipanema. Grátis

Mesa: Um corpo desconhecido

Vivemos um período de culto ao corpo: o fisiculturismo, as cirurgias plásticas, as intervenções estéticas, as tatuagens, os medicamentos contra envelhecimento ou contra gordura são exemplos flagrantes de que o corpo está, de alguma forma, em evidência. A mesa vai discutir como a arte pode reinventar esse corpo, a partir da revitalização de sua aptidão política para o compartilhamento através de ‘microativismos de afetos’. A proposta é pensar como a arte explicita a necessidade de focarmos em singularidades e não em identidades dadas a priori, fazendo da alteridade um estado de criação.

Kuniichi Uno

Pensador japonês cuja produção trafega por literatura, dança, teatro e filosofia. Viveu na França, onde foi aluno de Deleuze e com quem fez uma tese sobre Antonin Artaud. Amigo de dançarinos do butô, como Hijikata Tatsumi e Tanaka Min, Uno relacionou a pesquisa artística desses autores com a produção literária francesa de Artaud e Jean Genet e a filosofia de Deleuze. Autor de ‘A gênese de um corpo desconhecido’.

Christine Greiner 

Professora livre-docente da PUC-SP. Ensina no Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica e no curso de graduação em Artes do Corpo. Dirige o Centro de Estudos Orientais. É autora dos livros ‘Leituras do Corpo no Japão’ (2015), ‘Corpo em Crise’ (2010) e ‘Corpo, pistas para estudos indisciplinares’ (2005), entre outras coletâneas e ensaios publicados no Brasil e no exterior.

Ciclo Ato Criador

Há uma década, a atriz e produtora Ana Lúcia Pardo reúne grandes personalidades da cultura, da economia, da política, da comunicação, do meio ambiente e de outros saberes na busca por uma reflexão interdisciplinar do mundo em que vivemos. Criada em 2006 com o título de “A Teatralidade do humano”, essa série completa 10 anos com o Ciclo Ato Criador – Outros Possíveis, que tem o objetivo principal de instigar o pensamento e mostrar a capacidade humana de se reinventar. Este ano, a ideia é focar ainda mais nessa necessidade de transformação, com mesas-redondas, palestras, oficinas e debates guiados pelo tema ‘Outros Possíveis’. O objetivo é apontara a emergência de novas ideias, concepções e alternativas que exigirá um processo de transformação do mundo.

“Acredito que a questão central que nos atravessa atualmente é que vivemos em um mundo em convulsão, diante do esgotamento de um modelo de desenvolvimento que está aniquilando o planeta e todos os seres vivos”, analisa Ana Lúcia Pardo. “Como se o mundo criado por nós mesmos, os humanos, se deparasse na nossa frente a nos indagar: ‘É isso mesmo que vocês queriam para vocês?’ Como se todas as estruturas criadas estivessem ruindo ao mesmo tempo, deixando à mostra todas as suas fragilidades e imperfeições, um esgotamento do possível.”

Para a gestora cultural, diante desse quadro problemático, somos obrigados a rever nosso sistema de vivência no planeta, de relações interpessoais, de questões ambientais, culturais, artísticas, políticas, econômicas… “É justamente do impossível que precisamos criar os possíveis. Em minha opinião, essa revisão geral vai implicar em uma mudança radical de comportamento individual e coletivo. E quem são os atores e autores desse processo senão nós mesmos?”, questiona.

O Ciclo Ato Criador teve sua primeira edição em 2006/2007 com o painel “A Teatralidade do Humano”. A segunda edição foi realizada em 2010, com o Ciclo“A Teatralidade do Humano II – Subjetividades e Políticas da Cena e do Mundo”. A terceira edição, que ganhou o nome de “Ciclo Inter-Agir – na rua, na rede, na cena contemporânea”, foi realizada em 2012. No ano seguinte, em 2013, a quarta edição apresentou o Ciclo “Espaços de Reencantamento, Afetos e Utopias de Um Novo Mundo”. A quinta edição se desenrolou durante o ano de 2015, e recebeu o título de Ciclo “Ato Criador”, com a realização, de 21 atividades de abril a novembro, sendo 19 encontros em forma de palestras e debates além de apresentações e intervenções artísticas de coletivos e grupos. Participaram convidados nacionais e internacionais de diversos países.

Serviço:

Mesa Um corpo desconhecido: 19/10 – quarta-feira, 19h. Oi Futuro Ipanema – Rua Visconde de Pirajá, 54 – Ipanema. Telefone: (21) 3131-9333. Grátis.