Pedro Sá Moraes vai “Além do princípio do prazer” no BNDES

Cantor, guitarrista e compositor se apresenta gratuitamente no dia 29 de outubro

A turnê de lançamento do CD “Além do princípio do prazer”, de Pedro Sá Moraes, fará parte do projeto Quintas no BNDES com show marcado para o dia 29 de outubro, às 19h. O espetáculo no Teatro do BNDES, no Centro do Rio, é gratuito. Serão disponibilizados 150 ingressos que poderão ser reservados pelo site www.bndes.gov.br, a partir do dia 29 de outubro, e outras 150 entradas serão distribuídas no dia do show, por ordem de chegada. No show, o cantor, guitarrista e compositor estará acompanhado de Ivo Senra (teclado e direção musical) e Mac Williams (bateria).

No início deste ano, o artista mais uma vez se apresentou com sucesso em Nova York, incluindo um show no festival que organiza anualmente desde 2012 na cidade americana, o Brazilian Explorative Music. “Além do princípio do prazer” foi masterizado por Joe Laporta – que mixou o CDs de grandes artistas internacionais como Björk, Foo Fighters, Vampire Weekend, entre outros -, no estúdio Sterling Sound, o número 1 em master no mundo. O CD traz músicas autorais com arranjos de seu produtor musical, Ivo Senra, vencedor da última edição do Prêmio da Música Brasileira na categoria álbum eletrônico. “A pulsação brasileira nas entrelinhas, nas semicolcheias implícitas, a bateria no vazio… O Ivo contribuiu com esse conceito minimalista de groove, que não é MPB. Botou esse veneno”, diz Pedro.

As músicas de “Além do Princípio do Prazer” exploram um campo ampliado da canção popular, com auxílio de técnicas de orquestração que dialogam com vertentes da música erudita contemporânea e pop internacional. Nomeado a partir de um conhecido (e misterioso) artigo de Sigmund Freud, o álbum reúne canções de Sá Moraes e parcerias com colegas de geração, como o próprio Senra, Thiago Amud, João Cavalcanti (Casuarina) e Thomas Saboga.

Jon Pareles, decano da crítica do jornal “The New York Times”, rendeu-se ao disco, apontando o contraste entre a suavidade do barítono e a aspereza dos arranjos, com guitarras ruidosas, interrupções repentinas de bateria e sobressaltos de andamento. “A primeira canção, ‘Alarido’, insinua um manifesto; ela adverte que ‘um rebuliço dissonante assombrará você/ Furioso fuzuê’ [que na tradução inglês divertidamente vira “furious racket”], mas isso vai levar a uma ‘serena tensão’, escreveu. Pareles viu Pedro cantar ao vivo algumas vezes, desde que o conheceu, em Nova York, em 2012, na primeira edição da mostra Brazilian Explorative Music. Ele situa o cantor entre aqueles que estão “de várias formas, extrapolando a herança da tropicália”.

O CD está disponível para audição no site oficial do artista:

http://www.pedrosamoraes.com/#alemdoprincipiodoprazer-section

O artista e agitador cultural
Desde que trocou, em 2007, as noites de samba pela dedicação integral à carreira autoral, reunindo numa síntese muito particular variadíssimos elementos da MPB, jazz, rock e referências literárias, além de inquietações oriundas do cinema e da arte contemporâneas, as portas do mundo começaram a se abrir e o passaporte ganhou carimbos de diversas turnês à Europa, América Latina, Ásia e, mais recentemente, Estados Unidos. Durante o período de divulgação de seu primeiro CD solo, Claroescuro (Rob Digital/Caravan Music – 2010), apresentou-se em casas lendárias, como o Joe’s Pub, SOB’s e NuBlu em Nova York, o Yoshi’s em San Francisco e festivais como o Chicago World Music, Philadelphia Filmand Music Festival e South bySouthwest, no Texas. A imprensa aplaudiu. Claroescuro, que teve participação de Alcione e desfila “melodias elaboradas e letras inesperadas” (MBAZ.org), foi aclamado um dos dez melhores álbuns de world music de 2010 pelo Boston Globe.

Movido pelo ímpeto de mostrar ao mundo a música desta cena que pulsa hoje no Rio de Janeiro, tendo como epicentro o Coletivo Chama (de que Pedro faz parte, com Thiago Amud, Sergio Krakowski, Ivo Senra, Fernando Vilela, o artista plástico Cezar Altai e a banda Escambo) o compositor concebeu e organizou uma mostra de “Música Brasileira de Exploração”, como parte da APAP-NYC, maior conferência de produção cultural dos Estados Unidos. Em suas três edições, de 2012 a 2014, reunindo dezenas de músicos baseados no Brasil e exterior, levou centenas de pessoas à mais eclética e vibrante casa de shows do bairro novaiorquino do Village: o Le Poisson Rouge. “Uma grande introdução à aventureira cena musical carioca — entre o vibrante e o lírico”, diz o jornalista Tim Wilkins, da WBGO, principal rádio especializada em jazz nos EUA: “Moraes mostra a habilidade de beber das ricas veias musicais do Brasil e virar as formas da tradição de cabeça para baixo”.

Músico, agitador cultural, radialista – apresenta há dois anos, com seus parceiros de Coletivo Chama, o programa semanal Rádio Chama, na FM estatal Roquette Pinto –Sá Moraes vem consolidando seu lugar no conturbado terreno contemporâneo da MPB. Parte desta construção se baseia no fato de que sua música, como afirma o jornalista Leonardo Lichote (O Globo), é, entre seus pares, “a que tem mais potencial de comunicação com o público do gênero, apesar de carregar um olhar provocador que escapa da abordagem comumente dada a esta tradição”.  Um olhar que não recusa, mas busca enxergar além do princípio do prazer.

Serviço

Show “Além do princípio do prazer”, de Pedro Sá Moraes

Projeto: Quintas no BNDES

Data: 29 de outubro de 2015 (quinta-feira)
Local:  Teatro do Espaço BNDES

Endereço: Av. República do Chile, 100 – 1º subsolo (próximo à estação do metrô Carioca – saída Avenida Chile – “PETROBRAS – BNDES”).

Horário:  19 horas pontualmente

Ingressos: distribuição com entrada franca a partir das 18 horas, sendo 150 ingressos reserváveis pela internet (www.bndes.gov.br), a partir de 19 de outubro (segunda-feira), e 150 ingressos distribuídos no dia do show, por ordem de chegada.

Capacidade:  386 lugares (com acessibilidade para portadores de necessidades especiais de locomoção e poltronas duplas especiais)

Classificação etária: livre para todos os públicos.

DEIXE UM COMENTÁRIO