“Parem de falar mal da rotina” no Teatro Fashion Mall

De Elisa Lucinda

Parem de Falar Mal da Rotina (foto: Simone Portellada)
Parem de Falar Mal da Rotina (foto: Simone Portellada)

“Parem de Falar Mal da Rotina” não é um espetáculo convencional onde uma história é contada. Este espetáculo é um modo de vida, é uma visão de existência. É a maneira com que Elisa Lucinda, atriz, roteirista e diretora da peça consegue expressar sua urgência e inquietude na busca interminável da liberdade de se poder viver plenamente, sem os famosos cárceres que nós mesmos nos impomos.

A ideia desse espetáculo surgiu quando Elisa participou do Festival Internacional de Teatro em Sitges na Espanha em julho de 2002. Neste primeiro formato, a atriz, entre um poema e outro, conversava e conduzia a platéia, introduzindo uma nova visão do cotidiano e dos personagens que criamos no nosso dia-a-dia. Neste festival, sua atuação foi tão marcante que lhe valeu uma crítica elogiosa no prestigiado jornal espanhol La Vanguardia*. Este modo de interpretar e interagir com a platéia cria uma relação direta e divertida, o que levou o espetáculo a ser carinhosamente chamado pela imprensa de “Cabaret Poético”. A reação da platéia foi o impulso para a efetivação do “Parem…”. Ao chegar ao Brasil, a atriz foi convidada por Amir Haddad, então diretor do teatro Carlos Gomes, a realizar um espetáculo que fortalecesse e produzisse formação de plateia num centro de Rio de Janeiro deserto, que  na época não lembrava em nada a efervescência da Lapa de hoje. Elisa topou e transformou a despretensiosa montagem daquelas terças e quartas às 7 da noite, na praça Tiradentes em multidões que a seguem  pelo Brasil  e pelo mundo. A peça une histórias vividas e ouvidas por Elisa, como observadora do cotidiano, além dos poemas retirados dos livros “O Semelhante”, “Eu teamo e suas estreias” e “A fúria da Beleza”. O resultado é o nascimento impressionista de vários personagens, dos quais ela faz uma mostragem em 2h30 de elogios à rotina, nos obrigando a nos observar de fora. Assim percebemos que “a rotina” é um personagem fictício que criamos, e que NÓS por sermos os sujeitos na ação, temos o poder da mudança; somos os diretores, atores, produtores e protagonistas das nossas próprias vidas.

Parem de Falar Mal da Rotina (foto: Simone Portellada)
Parem de Falar Mal da Rotina (foto: Simone Portellada)

Em 14 anos de existência, o espetáculo já foi assistido por dois milhões de pessoas. Estreou no Rio de Janeiro, fez uma temporada de 88 apresentações em Barcelona, e faz várias temporadas em várias capitais do Brasil, como Brasília, São Paulo, Salvador e Porto Alegre e Niterói, por exemplo. Sua história de mais de uma década de sucesso coleciona emocionantes momentos e uma história que envolve inesquecíveis apresentações em grandes casos como o Canecão e outras grandes casas do país. Tanto em Portugal quanto na Espanha quanto no Brasil a reação do público é a mesma: quero mais uma dose desse espetáculo, ele melhora a minha vida.  

Devido ao seu inegável aspecto humano, o espetáculo foi sempre solicitado para apresentações em empresas, o que levou Elisa a preparar a versão “pocket” com uma hora de duração. Esta versão vem sendo apresentada, ao longo dos anos, em eventos corporativos de empresas em inúmeras cidades de todo o Brasil: Curitiba, Vila Velha/ES, Goiânia, Brasília, São Paulo, Vitória, Salvador, Rio de Janeiro, Pato Branco/RS etc. E. não conseguimos “parar” com o “Parem…”

Este é um espetáculo de utilidade pública, interessa a pessoas de qualquer faixa etária e a todas as classes sociais, porque funciona como um espelho da plateia e é isso que a arte é, uma tradução da vida humana. O herói de qualquer história tem a sua trajetória, sonha-a, traça-a e vive a sua dramaturgia. Esse herói é cada um de nós. A peça então aciona, convoca esse “herói” a ser mais sujeito da própria história, uma vez que a sua vida-roteiro é uma obra aberta. Além do que, Elisa Lucinda dança, canta e saracoteia nas asas da palavra e da força cênica, de maneira que cada espetáculo é realmente o único. Todo dia há novas cenas, novas músicas, novos poemas e fabulosos improvisos que ocorrem com a divertida interação da plateia. Por isso, por ser protagonista do espetáculo que propõe a estreia de tudo a cada instante, o Parem de Falar Mal da Rotina atinge o lugar de metalinguagem. Se reinaugura e nunca se repete, o que traz à rotina o mesmo frescor que a vida nos oferece e que muitas vezes nem reparamos. O monólogo com conteúdo poético tem duração de duas horas e meia e faz sucesso há quatorze anos, e parece que não vai parar, é uma prova de que é possível surpreender sempre.

Parem de Falar Mal da Rotina

Depois de ter sua edição esgotada do Parem de Falar Mal da Rotina em forma de livro, já está no forno a versão dois da publicação, que é considerado o livro de cabeceira de muitos; tanto os que viram a peça inúmeras vezes quanto os que nunca assistiram.

Parem de Falar Mal da Rotina encanta a todo tipo de gente e agrada palácios e favelas do mesmo modo, muitas cidades continuam esperando a caravana Parem chegar, mas cada um tem a sua vez: em 2015 foi ao  Imperator, na zona norte carioca, à Vitória do Espírito Santo, terra da artista, gravou DVD no Teatro Municipal de Niterói e adentrou 2016 subindo a serra para Petrópolis, simplesmente emocionante, agora é a vez da Zona Oeste do Rio de Janeiro no Teatro Fashion Mall.

SERVIÇO:

Local: Teatro Fashion Mall – Sala I – Estrada da Gávea 899, São Conrado, Shopping Fashion Mall – Tel.: 2422 9800

De 06/05 a 26/06

Horário da Bilheteria: de terça a domingo a partir das 15h até 20h

Horário: Sexta e Sábados às 21h30m e Domingos às 20h.

Ingresso: Sexta R$ 70,00.  Sábados e Domingos: R$ 80,00

Classificação: 14 anos           

Duração: 60 min

Gênero: Comédia

Capacidade: 450 lugares. 

Produção Executiva: Emilene Lima – 21 998054904 emilenelima@gmail.com

Ficha Técnica
Atuação, roteiro e direção: Elisa Lucinda
Assistente de Direção: Geovana Pires
Cenografia: Gisele  Licht
Iluminação: Djalma Amaral
Figurinos: Christina Cordeiro
Projeto Gráfico: Tangerina Designer
Realização do projeto: CasaPoema

Produção Executiva: Emilene Lima