Paquetá Experimenta Arte Contemporânea 

Primeira edição do encontro será aberta dia 21 de maio com shows das bandas Chelpa Ferro, Dedo e In-Sone, inaugurando panorama de artes visuais que oferecem olhares contemporâneos sobre a atmosfera do cotidiano da ilha.

Toda a programação é grátis

Shows com as bandas Chelpa Ferro, Dedo e In-Sone marcam a abertura, dia 21 de maio, às 14h, da primeira edição do projeto Paquetá Experimenta Arte Contemporânea. A música abre passagem para uma coletiva de seis artistas que assinam trabalhos inéditos especialmente para a mostra. Cada um deles dialoga a seu modo com a ilha, seus habitantes, suas histórias e particularidades. A curadoria é de Ivair Reinaldim. Toda a programação é grátis. A exposição Paquetá Experimenta Arte Contemporânea tem como base a Casa de Artes de Paquetá e seus arredores.

Um dos mais charmosos bairros do Rio de Janeiro, Paquetá fez parte da infância da artista plástica Fernanda Metello, idealizadora da mostra. Sua obra “Previsão da Memória” é o ponto de partida para o projeto. Os demais trabalhos, dos artistas Floriano Romano, Jorge Menna Barreto, Leo Ayres, Mayana Redin e Regina de Paula que, por não terem contato afetivo com Paquetá, realizam uma espécie de inventário a partir das observações e descobertas do cotidiano da ilha. Paquetá Experimenta Arte Contemporânea conquistou o Edital Viva Arte!, da Prefeitura do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura.

“A mostra visa estimular a construção de diálogos entre experiências contemporâneas de arte e a atmosfera peculiar de Paquetá”, destaca o curador Ivair Reinaldim. “Até os 10 anos frequentei bastante Paquetá. Tenho inúmeras lembranças de contato com a natureza, pescaria com meu avô, passeios e histórias com minha avó, matinês de Carnaval, objetos de família, praias lindas, andar de bicicleta, contato com cachorros e cavalos. Coisas que não eram hábitos na cidade grande. Na época nem me dava conta de que era tão perto e era mais um bairro do Rio! Esse repertório de lembranças é a base para o trabalho que irei apresentar, calcado na memória, temporalidade e na espacialidade. Percebi nesta ilha um grande potencial para experimentações, ainda pouco vivenciadas em Paquetá”, destaca Fernanda Metello.

Os cinco artistas convidados para participar do projeto diferenciam-se justamente por não apresentarem uma relação afetiva anterior com Paquetá. “Muitos dos trabalhos abordam questões como efemeridade e permanência, relações entre som e imagem, ação no espaço e no âmbito social”, explica Ivair Reinaldim. “O projeto pretendeu desde o início estimular as relações de diálogo e convivência, para que tanto artistas quanto moradores e visitantes da ilha pudessem experimentar, se não o inusitado, pelo menos um pequeno deslocamento de suas práticas e rotinas cotidianas”, completa.

Artistas e Obras – No panorama do projeto Paquetá Experimenta Arte Contemporânea, o público encontrará a obra de Floriano Romano exposta em dois orelhões. Neles, ouvirá moradores de Paquetá falando sobre os mais variados temas. A artista Regina de Paula consolida seu trabalho num vídeo que mostra o interior das residências de Paquetá. Esse vídeo será exibido na Casa de Artes. Jorge Menna Barreto apresenta uma obra de Ativismo alimentar. Ele fará hambúrgueres vegetarianos a serem apresentados na praça de São Roque. A obra propõe reflexão por todas as etapas e modo de preparo dos alimentos que ingerimos. Mayana Redin desenvolve seu trabalho a partir da observação da realidade comum. No caso, o ir e vir dos cachorros que, mesmo com donos, vivem livremente em Paquetá, inclusive entrando na Igreja de São Roque. Uma curiosidade: São Roque é o protetor dos cachorros e também o Padroeiro da Ilha de Paquetá. As imagens serão projetadas no interior da igreja no dia da abertura da mostra. Leo Ayres vai “escrever” uma frase com balões cheios de gás hélio flutuando no mar em frente à Casa de Artes. O registro deve gerar um cartão postal disponível aos visitantes posteriormente. E Fernanda Metello apresentará um jogo da memória, desdobramento de seu trabalho “previsão da memória”,  onde o público vai “jogar” com as memórias da artista no ambiente da exposição na Casa de Artes. São peças de madeira, com fotos que simbolizam as recordações da artista.

Música na genealogia – Na genealogia desta primeira edição do Paquetá Experimenta Arte Contemporânea estão a extinta loja Plano B, na Lapa, e o estúdio da Audio Rebel, em Botafogo, onde Fernanda Metello percebeu alguns dos contrastes que se amplificariam mais tarde nesta mostra. “Acompanhei, indo aos shows, desde 2005 o surgimento de um movimento de música experimental em pleno Rio de Janeiro, com características sonoras muito distantes do convencional. E de fato o movimento ficou intenso com bandas em constantes apresentações, com atrações internacionais e com casas pequenas, porém lotadas, em pontos obscuros, quase despercebidos na cidade. O surgimento do selo de música experimental Quintavant/QTV na Rebel reforçou esta ascensão da cena experimental na cidade com gravações de muitas bandas independentes, inclusive duas que participam deste evento: Dedo, com a gravação de ‘Rainha’ e In-sone com ‘Uturo’”, contextualiza. O QTV,participa do evento, no dia da abertura do evento, com a divulgação dos discos de todas as bandas já gravadas pelo selo, no jardim da Casa de Artes.

SERVIÇO : Paquetá Experimenta Arte Contemporânea
Período de Realização (Exposição): 21/05/2016 a 25/06/2016
Lançamento Exposição e Shows: 21/05/2016, sábado
Lançamento Catálogo e conversa com artistas: 25/06/2016, sábado
14h às 22h – Abertura da Exposição na Casa de Artes de Paquetá
16h às 20h – Shows no Coreto Renato Antunes – Praça de São Roque
Casa de Artes Paquetá – Praça de São Roque, 31 – Ilha de Paquetá
Coreto Renato Antunes – Praça de São Roque, s/n – Ilha de Paquetá

DEIXE UM COMENTÁRIO