Palco Giratório recebe espetáculos para todos os públicos

O Braile, uma dança às cegas (Ddivulgação)
O Braile, uma dança às cegas (Ddivulgação)

O Palco Giratório continua recebendo diferentes vertentes das artes cênicas do Brasil no Espaço Cultural Escola Sesc (Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá. Tel: 3214-7404). A 8ª edição nacional do Festival Palco Giratório vai até o dia 02 de junho reunindo espetáculos de diferentes regiões do país, indicado para os mais diferentes públicos e idades, revelando um expressivo painel da criação artística presente no país. O evento conta com atividades paralelas junto ao público, que promovem a exibição, reflexão e discussão sobre o trabalho dos grupos itinerantes, contando com espetáculos locais, além de Oficinas e Intercâmbios e do Pensamento Giratório – atividade que busca, através de debates reunindo diferentes representações das artes cênicas, promover uma reflexão sobre politicas culturais e acesso aos mecanismos de produção.

Na terça-feira (24), a Cia. Teatro de Açucar (DF) apresenta o espetáculo Adulto “Adaptação“. O monólogo leva ao palco uma transexual, atriz, que ensaiou durante três ou quatro meses e precisa improvisar para a sua estreia. Na quarta-feira (25), a Pivete Cia. de Arte (PR), apresenta “O Braile, uma dança às cegas“.Um trio que se multiplica com atores e um boneco. Através da dança entre homem e coisa, desenvolvem-se laços dramáticos que contam histórias pessoais. Na quinta-feira (26), acontece a palestra performance “Ocupa Árvore“, com Flávia Meireles.  A artista recriou o evento conhecido como Ocupa Árvore, em que o índio Urutau Guajajara permaneceu 26 horas no topo da árvore resistindo ao despejo ilegal da Aldeia Maracanã, ao lado do Estádio Maracanã no Rio de Janeiro, pela Polícia Militar, em 2013. Na sexta-feira (27), o espetáculo de dança “Dúplice“, com os goianos Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha, discorre sobre a duplicidade do ser humano. Os dois artistas travam disputas corporais durante toda a apresentação, utilizando técnicas da dança contemporânea e de percussão vocal.

O Palco Giratório

O Palco Giratório, reconhecido no cenário cultural brasileiro como um importante projeto de difusão e intercâmbio das Artes Cênicas, intensifica a formação de plateias a partir da circulação de espetáculos dos mais variados gêneros, em todos os estados brasileiros, nas capitais e no interior, desde 1998.Além de espetáculos para todas as faixas etárias, uma vasta programação de oficinas, festivais, mesas-redondas e palestras é realizada com a participação ativa da comunidade, artistas locais e convidados, promovendo uma troca de experiências enriquecedoras, divulgando o trabalho de profissionais de todo o país e gerando emprego para os inúmeros trabalhadores que atuam no circuito.

Espetáculo: Adaptação
Teatro adulto – Teatro de Açúcar – Brasília (DF)
Horário: 19:30
Local: Palco
Duração: 60 Minutos
Capacidade: 100
Classificação Etária: 10 anos

Sinopse: O espetáculo conta a história de personagens em um momento de adaptação como meio de sobrevivência: um diretor teatral frustrado que não consegue sair de uma crise criativa e decide mudar de profissão; uma atriz recém-chegada à cidade grande que precisa se acostumar à solidão do novo estilo de vida; uma transexual que adaptou seu corpo para poder seguir vivendo nele; um dinossauro que não sabe se sobreviverá às adaptações da espécie. Todos estão unidos por um drama em comum: o medo de morrer, se transformar, deixar de existir, como se alguém escrevesse ou adaptasse suas histórias, recriando, agregando e, o mais temível, eliminando personagens.

Ficha técnica: Texto, direção e interpretação: Gabriel F. • Assistente de direção e iluminação: Igor Calonge • Música original e direção musical: Marco Michelângelo • Produção musical: Rubi • Pianista: Renio Quintas • Cenografia e figurino: Gabriel F. • Fotografia: Diego Bresani • Direção de produção: Luiza Guimarães

Espetáculo: O Braile, uma dança às cegas
Cia PeQuod (RJ)
Horário: 19h30
Local:Palco
Duração: 20 minutos
Capacidade: 600 lugares
Classificação Etária: 14 anos

Sinopse: A ideia por trás de “O Braile, uma dança às cegas”, coreografia inédita dirigida por Duda Paiva, surge da potente experiência que a Cia PeQuod teve ao convidar renomados coreógrafos cariocas para criarem quadros que só um boneco poderia executar, assim nasceu PEH QUO DEUX, mais recente espetáculo da PeQuod. Ao conjugar o teatro de animação e a dança contemporânea, PEH QUO DEUX apostou no cruzamento de linguagens e marcou uma nova etapa de investigação do movimento humano, largamente estudado pela PeQuod. As partituras construídas extrapolam os limites do movimento humano e o espetáculo, composto por quadros, destaca-se pela precisa movimentação técnica dos manipuladores, revelando muitas camadas deste pas-de-deux entre a dança e o teatro de animação, inspirado pela literatura.

FICHA TÉCNICA Coreografia: Duda Paiva • Elenco: Liliane Xavier, Mariana Fausto e Miguel Araújo • Iluminação: Renato Machado • Operação de Luz: Pablo Cardoso • Operação de som: Raquel Botafogo / Miguel Vellinho • Produção: Lilian Bertin e Liliane Xavier • Assistência de Produção: Luciano Borges • Preparação Corporal e assistência de direção: Raquel Botafogo • Registro Videográfico: Vitor Damasceno • Supervisão Geral: Miguel Vellinho

Espetáculo Convidado: Ocupa Árvore
Palestra Performance- Flávia Meireles(RJ)
Horário: 19:30
Local: Palco
Duração: 60 Minutos
Capacidade:100 lugares
Classificação Etária: Livre

Sinopse: Através de uma palestra/performance recrio o evento conhecido como Ocupa Árvore, onde o indígena Urutau Guajajara permaneceu 26 horas no topo da árvore resistindo ao despejo ilegal da Aldeia Maracanã – ao lado do estádio Maracanã – pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro em 2013. Reconto, articulando palavras, imagens e gestos, um conjunto de experiências que tangenciam assuntos como remoções, táticas de resistência, circulações territoriais e subjetivas. Tangenciam, também, um modo de existência: o indígena urbano como urgência em reelaborar outra relação com o mundo e o Ocupa Árvore como ato performativo limítrofe entre arte e vida.

FICHA TÉCNICA: Criação, Concepção e Performance: Flavia Meireles • Intervenção Sonora: Claudia Holanda • Equipe técnica: Laura Samy • Participação: Urutau Guajajara • Fotos: Ju Brainer • Apoio: Movimento Resistência Aldeia Maracanã (RJ) e Programa de Pós-graduação em Artes Visuais (EBA/UFRJ), bolsa de mestrado  CNPq

Espetáculo: Dúplice
Dança- Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha – Goiânia (GO)
Horário: 19:30
Local: Palco
Duração: 55 Minutos
Capacidade: 600 lugares
Classificação Etária: Livre

FICHA TÉCNICA: Autores-intérpretes: Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha • Triha sonora: Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha • Direção: Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha • Concepção de luz: Rodrigo Assis • Colaboração artística: Erica Bearlz, Ernesto Gadelha e Valéria Braga • Fotos: Layza Vasconcelos e Raoni Gondim • Iluminotécnica: David Galvão • Direção de produção: Rodrigo Cruz

PROGRAMAÇÃO – Festival Palco Giratório
Data: até 02 de junho
Local: Espaço Cultural Escola Sesc
Endereço: Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá
Informações: (21) 3214-7404 | espacoculturalescolasesc@gmail.com |espacocultural.escolasesc.com.br
Ingressos: Gratuitos – distribuição 1h antes de cada espetáculo
Oficinas: Gratuitas – Para se inscrever nas oficinas é necessário preencher a ficha de inscrição e enviar para o email espacoculturalescolasesc@gmail.com mencionando no assunto: Oficina – Palco Giratório 2015.
Transportes:
Centro:  ônibus 315/169/181/303 | 361 (via Linha Amarela) |Terminal Alvorada: ônibus 692/693/701/465 |Baixada: 405/410/420/425/400/415 |Metrô: Nova América Del Castilho com integração para Alvorada
Estacionamento gratuito sujeito à lotação

DEIXE UM COMENTÁRIO