O último homem da Terra

Editora Aleph lança Eu Sou a Lenda, clássico da ficção científica e do horror, adaptado três vezes para os cinemas

São Paulo, outubro de 2015 – Uma das mais importantes obras do horror e da ficção científica, originalmente lançada em 1954 e base de três adaptações para o cinema, o livro Eu sou a Lenda, do romancista norte-americano Richard Matheson, é lançado pela editora Aleph.O clássico, que influenciou a obra de grandes mestres do horror como Stephen King e George A. Romero, ganha uma edição especial em capa dura e alguns extras: uma entrevista concedida por Matheson na qual ele fala sobre as influências e as adaptações do romance para o cinema e uma crítica do professor Mathias Classen, da Universidade de Aarhus, Dinamarca, analisando as questões bioculturais do romance.

A história se passa em um futuro não muito distante, quando todo o mundo é assolado por uma impiedosa praga. Homens, mulheres e até crianças são transformados em monstros carnívoros, e é nesse cenário pós-apocalíptico, tomado por criaturas da noite sedentas de sangue, que Robert Neville se torna o último homem na Terra e passa os dias em busca de comida e suprimentos, lutando para manter-se vivo e são. Mas os infectados espreitam pelas sombras, prontos para acabar com o último bastião da humanidade.

Livros como Eu sou a Lenda foram uma inspiração para mim
– Stephen King 

A obra de Matheson – um dos principais autores do século XX – modificou o modo de fazer filmes e livros de horror atualmente. O uso da ciência, como a medicina e a biologia, para explicar o surgimento dos vampiros, utilizado em Eu Sou a Lenda, oferece ao público um viés mais realista e possível, diferente de grandes nomes do gênero como H. P. Lovecraft, que tem suas raízes no sobrenatural. Sua influência é tão grande, que, mesmo com a obra citando somente vampiros, ela formou o imaginário do que seria um apocalipse zumbi.
 
Sinopse:
Uma impiedosa praga assola o mundo, transformando cada homem, mulher e criança do planeta em algo digno dos pesadelos mais sombrios. Nesse cenário pós-apocalíptico, tomado por criaturas da noite sedentas de sangue, Robert Neville pode ser o último homem na Terra. Ele passa seus dias em busca de comida e suprimentos, lutando para manter-se vivo (e são). Mas os infectados espreitam pelas sombras, observando até o menor de seus movimentos, à espera de qualquer passo em falso…
Eu sou a lenda, é considerado um dos maiores clássicos do horror e da ficção científica, tendo sido adaptado para o cinema três vezes.

DROPS:
 – Mesmo que as criaturas sejam identificadas como vampiros, suas características enquadram a obra como a primeira aparição do gênero zumbi na literatura.

– A ideia para Eu sou a Lenda veio do filme Drácula de Bela Lugosi. Quando o autor, ainda adolescente, assistiu a esse filme, pensou: “Se um só vampiro já é assustador, mais assustador seria se o mundo inteiro estivesse tomado por vampiros e restasse apenas uma última pessoa normal”.

– Richard Matheson não se considera um escritor de romances de horror. Devido ao seu estilo realista, ele próprio se define como um “autor de fantasia não convencional”.

– Em 2012, Eu sou a lenda recebeu o prêmio de Romance de Vampiro do Século da Associação de Escritores de Terror.

Richard Matheson nasceu em 1926 em New Jersey e é considerado um dos principais nomes da ficção científica, da fantasia e do terror; e já influenciou nomes da literatura como Stephen King, Anne Rice e Harlan Ellison. Matheson roteirizou episódios para o The Twilight Zone e Star Trek, adaptou as obras de Edgar Allan Poe para o cinema e escreveu o primeiro trabalho para TV de Steven Spielberg. Além disso, teve muitos trabalhos adaptados para o cinema, como Eu sou a lenda, O incrível homem que encolheu, Em algum lugar do passado e Amor além da vida.
 
Dados do Livro:
Título: Eu sou a Lenda
Autor: Richard Matheson
Tradutor: Delfin
Páginas: 392
Preço: R$ 44,90

DEIXE UM COMENTÁRIO