O Som dos Coretos presta homenagem a  Anacleto de Medeiros em sua terceira edição

Finalizando o  projeto, o grupo Luzeiro recebe Nailor Proveta no dia 3 de julho

Luzeiro de Paquetá_

Maior responsável por consolidar o trabalho das bandas de música (também chamadas bandas de coreto, bandas sinfônicas ou filarmônicas), Anacleto de Medeiros é o grande homenageado na terceira edição do projeto O Som dos Coretos, idealizado e protagonizado pelo grupo Luzeiro, formado por professores da Escola Portátil de Música.  O maestro, compositor e instrumentista completaria 150 anos este ano.  E finalizando o projeto, no dia 3 de julho o grupo Luzeiro recebe a participação especial do soprista e arranjador Nailor Proveta – no Coreto Modernista do Parque do Flamengo.

O projeto estreou no Coreto da Praça São Roque, na Ilha de Paquetá e da primeira apresentação no Coreto Modernista do Parque do Flamengo, local onde nasceu o homenageado, as apresentações do projeto seguem na capital carioca. O patrocínio é da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Nailor Proveta (foto: Silvana Marques)
Nailor Proveta (foto: Silvana Marques)

Considerado um dos maiores compositores de nossa história, Anacleto de Medeiros foi fundador, diretor e maestro de muitas bandas, tendo contribuído de maneira fundamental para a fixação dessa formação no Brasil. A tradição de bandas se reflete até hoje, por exemplo, no desenvolvimento de uma sólida escola de sopros. A banda que se tornou mais famosa sob regência de Anacleto foi a do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro,  pela qual foi convidado no dia 30 de outubro de 1896 a organizar e dirigir, fase que durou até 1906. A banda chegou a gravar alguns dos discos pioneiros produzidos no Brasil, nos primeiros anos do século XX.  

“Anacleto de Medeiros foi um dos maiores compositores de nossa história,  fundador e regente de diversas bandas. E no O Som dos Coretos vamos celebrar estes  150 anos de nascimento de Anacleto com quatro shows inéditos. E o repertório está recheado de obras do maestro”, diz Rui Alvin, clarinetista do grupo Luzeiro. O público poderá conferir composições do maestro, como “Araribóia”, “Cabeça de Porco” , “Três Estrelinhas” e “Medrosa”, além de músicas que já fazem parte do repertório do Luzeiro: “Luzeiro de Paquetá” (Mauricio Carrilho), “Pinguim” (Ernesto Nazaré), “Viva o Comendador Biguá” (Altamiro Carrilho) e “Derradeira Primavera” (Tom e Vinícius).

Nesta homenagem a Anacleto de Medeiros, o Luzeiro convidou expoentes da música instrumental para dividir o palco e as obras do homenageado. Estarão presentes o flautista Antônio Rocha, também professor da Escola Portátil de Música e maestro da tradicional banda “Sociedade Musical Progresso de Valença”; o soprista e arranjador Nailor Proveta, maestro fundador da Banda Mantiqueira; o renomado duo Zé da Velha (trombone) e Silvério Pontes (trompete), e a Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros do estado do Rio de Janeiro.

Grupo Luzeiro
Formado em 2009 por Marcelo Bernardes (Flauta/Flautim), Rui Alvim (Clarinete), Pedro Paes (Sax Tenor), Aquiles Moraes (Trompete), Everson Moraes (Trombone), Thiago Osório (Tuba), Magno Julio (Percussão) e Marcus Thadeu dos Santos (Percussão), o grupo Luzeiro trabalha para difundir e manter viva a tradição das bandas de música. No repertório do projeto estão  polcas, choros, valsas, schotisch, marchas e dobrados presentes no repertório de bandas tradicionais, adaptadas pelo grupo para a sua formação. São interpretadas obras de compositores do inicio do séc XX, como Anacleto de Medeiros, Ernesto Nazareth e Pixinguinha, e de compositores contemporâneos, como Mauricio Carrilho e Nailor Proveta.

O projeto
“O Som dos Coretos” se propõe a realizar um resgate histórico tanto do repertório das bandas tradicionais quanto da utilização dos coretos  no Rio de Janeiro.  O projeto foi idealizado em 2011 pelo grupo Luzeiro, a partir da percepção de que a história das bandas tradicionais de música e a história  dos coretos de praça mantêm uma forte relação.

Na primeira edição do projeto, foram realizadas 4 apresentações do grupo em diferentes coretos de praças públicas do Rio de Janeiro: Coreto do Jardim do Méier, Coreto da praça da Harmonia (Gamboa), Pagode Chinês (Quinta da Boa Vista) e Coreto  Modernista do Flamengo.

Na segunda edição, o Luzeiro fez 5 apresentações recebendo grupos convidados (Fanfarrada, Orquestra Voadora, Go East Orkestar, OOJazz e  Na Paralela do Frevo), multiplicando as possibilidades de repertório e sonoridade que grupos com formação de sopros e percussão podem oferecer. As apresentações foram realizadas nos Coretos de Vigário Geral, Coreto do Jardim do Méier, Coreto da Praça da Harmonia (Gamboa), Coreto  Modernista do Flamengo e Coreto de Sepetiba.

A história dos coretos
No Brasil os coretos populares, construídos em praças públicas, surgiram no início do século XX para atender cantadores, poetas e principalmente bandas de música que habitualmente se apresentavam nesses locais. Por isso até hoje muitos se referem às bandas de música tradicionais como “bandas de coreto”. No interior do estado do Rio os coretos de praça ainda são ativos, e recebem constantemente suas bandas locais. Mas na capital, eles se tornaram monumentos abandonados e silenciosos, que precisam ser revitalizados.

Serviço

O Som dos Coretos – Homenagem a Anacleto de Medeiros
Com o Grupo Luzeiro e convidados
03/07 (domingo) – Coreto Modernista do Parque do Flamengo (Part. Nailor Proveta) – às 10h
De graça
Classificação etária: Livre
Realização: Gabriela Góes
Maracujá Cultural Produções Artísticas
Informações: 21 986687068