O Cinema Total de David Lean

Retrospetiva com todos os longa metragens dirigidos pelo premiado artista britânico, autor de clássicos como A Ponte do Rio Kwai, Lawrence da Arábia e Doutor Jivago

Lawrence da Arabia
Lawrence da Arabia
Grandes Esperanças
Grandes Esperanças

O único cineasta britânico a ganhar dois Oscars de Melhor Diretor (A Ponte do Rio Kwai, Lawrence da Arábia), considerado um dos diretores mais importantes da história do cinema e reverenciado por gênios como Steven Spielberg and Francis Ford Coppola, David Lean (1908-1991) será homenageado com uma restrospectiva completa de seus filmes no CCBB Rio de Janeiro. A mostra, que está em cartaz nos  CCBBs São Paulo (até 11 de janeiro) e Brasília (até 4 de janeiro), apresentará durante três semanas, a partir de 27 de janeiro,  18 filmes – sendo 16 longas que David Lean assinou como diretor e mais um pelo qual não recebeu o crédito e outro em que assinou apenas como montador, oferecendo ao público carioca uma oportunidade única de acompanhar sua trajetória.

“Além de ser talvez a maior referência do cinema épico, David Lean é um cineasta que, pela sua grande complexidade, merece ter a obra apreciada  a partir de filmes menos conhecidos pelo grande público, como sua fase inicial inglesa, onde o cinema intimista e particular do filmeDesencanto surge como um contraponto à grandiosidade de realizações como Lawrence da Arábia ou Doutor Jivago, o que me parece confirmar a genialidade dele como diretor”, comenta  o curador José de Aguiar. 

Durante a mostra será realizado um debate com os críticos Gilberto Silva Júnior e Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida, com mediação do curador da mostra José de Aguiar. 

Doutor Jivago
Doutor Jivago

Sobre David Lean
David Lean começou sua carreira na época do florescente cinema inglês dos anos de 1930, quando trabalhou como requisitado montador para cineastas como Michael Powell. Ele continuou a exercer essa função em alguns dos seus filmes, além de trabalhar também como roteirista. Em 1942, dirigiu seu primeiro longa metragem, Nosso Barco, Nossa Alma, em parceria com o dramaturgo Noël Coward. Seu primeiro sucesso foi o drama sentimental Desencanto (Brief Encounter), de 1945, apresentado no primeiro Festival de Cannes, onde ganhou o Grande Prêmio.

Diversos filmes de David Lean foram premiados com o Oscar, em várias categorias. Dois deles  ganharam o Oscar de Melhor Filme – A Ponte do Rio Kwai, de 1957 (sete Oscars), e Lawrence da Arábia, de 1962 (sete Oscars). Doutor Jivago, de 1965, outro grande sucesso de Lean que ganhou cinco Oscars, inaugurou a longa parceria do diretor com o compositor Maurice Jarre, autor de diversas trilhas sonoras.

Em 1999, o British Film Institute fez uma lista com os 100 melhores filmes britânicos do século XX. Cinco filmes de David Lean ficaram entre os 30 primeiros e três deles entre os cinco primeiros colocados.

David Lean possuía um domínio profundo das técnicas cinematográficas, interessado, sobretudo, em contar uma historia e comunicar sentimentos. Desfrutando uma liberdade poucas vezes vista em Hollywood, o cineasta britânico pôde construir um estilo próprio e uma perspectiva de mundo única, desenvolvendo uma linguagem de planos gerais grandiosos, elaborados movimentos de câmera e planos sequências onde os diálogos se desenvolvem sem interrupções da montagem. Perfeccionista ao extremo, lutava para fazer os filmes a seu modo e sem interferências, buscando extrair de cada plano o máximo, esperando dias pelo por do sol perfeito, por exemplo, e acabou por reinventar a ideia de épico hollywoodiano.

Para ele, a realidade deveria ser dramatizada e o papel do realizador era justamente apagar os traços da técnica. Lean alcançou uma autonomia que poucos outros diretores tiveram dentro do sistema dos grandes estúdios e talvez seja o cineasta mais exemplar no que diz respeito a narrativa transparente que caracteriza o cinema clássico norteamericano.

Os filmes da mostra

Como Diretor:

Passagem para a Índia (A Passage to India, 1984)

A Filha de Ryan (Ryan’s Daughter, 1970)

Doutor Jivago (Doctor Zhivago, 1965)

– A Maior História de Todos Os Tempos (The Greatest Story Ever Told, 1965). Dirigiu uma sequencia inicial do filme. Não recebeu o crédito de co-diretor.

Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia, 1962)

A Ponte do Rio Kwai (The Bridge on the River Kwai, 1957)

Quando o Coração Floresce (Summertime, 1955)

Papai é do Contra (Hobson’s Choice, 1954)

Sem Barreira no Céu (Breaking the Sound Barrier, 1952)

As Cartas de Madeleine  (Madeleine, 1950)

A História de uma Mulher (The Passionate Friends, 1949)

Oliver Twist (Oliver Twist, 1948)

Grandes Esperanças (Great Expectations, 1946)

Desencanto ou Breve Encontro (Brief Encounter, 1945)

Uma Mulher do Outro Mundo (Blithe Spirit, 1945)

Esta Nobre Raça (This Happy Breed, 1944)

Nosso Barco, Nossa Alma (In Which We Serve, 1942).  

 Como Montador:

Paralelo 49 (49th Paralell, 1941)

O CINEMA TOTAL DE DAVID LEAN
Patrocínio: Banco do Brasil
Curadoria: José de Aguiar
Produção: Firula Filmes
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
www.bb.com.br/cultura

Facebook: https://www.facebook.com/O-Cinema-Total-de-David-Lean-201599163509761/?fref=ts

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

27 de janeiro a 15 de fevereiro de 2016 (quarta a segunda-feira)

Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020

Salas de Cinema 1 (98 lugares) – Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia).

www.twitter.com/ccbb_rjwww.facebook.com.br/ccbb.rj

 

DEIXE UM COMENTÁRIO