Com direção de Miwa Yanagizawa e Maria Sílvia Siqueira Campos, do Areas Coletivo de Arte, peça discute relações atuais com o tempo e tem trilha sonora assinada pela banda Constantina

Quantos planos e sonhos ficam nas gavetas por falta de tempo? A impressão que dias, meses e anos passam cada vez mais rápido é comum a muitas pessoas? A sensação que a vida é adiada para um futuro, que demora a chegar, foi o ponto de partida para a criação do novo projeto do grupo mineiro Cia. Luna Lunera: Urgente. Com direção de Miwa Yanagizawa e Maria Sílvia Siqueira Campos, integrantes da Areas Coletivo de Arte, companhia com sede no Rio, a peça estreia no CCBB Rio de Janeiro, no dia 17 de junho. O espetáculo segue em temporada de quinta a segunda, às 19h30, até 08 de agosto.

Criado pelo Areas Coletivo de Arte e por Yumi Sakate, também responsável pelos figurinos, o cenário é composto por quatro nichos (um metro quadrado cada) revelando ambientes do cotidiano, com uma sala de costura ou escritório. Em cena, os atores Cláudio Dias, Isabela Paes, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves e Zé Walter Albinati apresentam um enredo ficcional que se revela aos poucos e se relaciona com retrospectivas, de dois minutos cada, da vida dos próprios atores. “Como resumir uma vida em um tempo tão curto? O que nos marca e nos constitui como pessoas? Queremos promover uma reflexão sobre as delicadas relações que o ser contemporâneo trava com o transcurso irrefreável da vida”, destaca Zé Walter Albinati.

O processo de criação contou com a interlocução dramatúrgica do escritor Carlos de Brito e Mello e da atriz Liliane Rovaris, que realizaram uma conexão entre a literatura, a filosofia e a poética das cenas. A dramaturgia da peça foi construída na sala de ensaio, a partir das improvisações propostas pelas diretoras e do trabalho e no processo de escuta diária de cada ator, que, vai além de simplesmente ouvir. Trata-se da percepção do outro, do espaço, de cada objeto, do entorno. Cada um deles partiu de suas bagagens de experiências e visões de mundo para se colocar em diálogo com o outro. Paralelamente, foi feita uma investigação das ansiedades pessoais e coletivas em relação ao tempo que nos atropela no dia a dia, buscando distinguir as verdadeiras urgências das angústias criadas pela contemporaneidade.

A ambientação sonora da peça tem a assinatura da banda Constantina, grupo instrumental belo-horizontino de forte caráter investigativo e experimental. A proposta é que eles fossem afetados pela poética inicialmente colocada em cena e a partir daí entrassem em diálogo com a mesma, através de releituras musicais da cena, interferências e provocações.

Texto: Areas Coletivo de Arte e Cia. Luna Lunera. Direção: Miwa Yanagizawa e Maria Sílvia Siqueira Campos. Com Cláudio Dias, Isabela Paes, Marcelo Souza e Silva, Odilon Esteves, Zé Walter Albinati.

Cinco personagens apresentam um enredo ficcional que se revela aos poucos e se relaciona com retrospectivas, de dois minutos cada, da vida dos próprios atores.

CIA. LUNA LUNERA
Em 15 anos de trajetória, a Cia. Luna Lunera é considerada um dos expoentes do teatro brasileiro contemporâneo. Investe em diversificados caminhos de criação através da pesquisa continuada e do diálogo com outros criadores contemporâneos do teatro, da dança, da música e das artes visuais. Tem como prática abrir seus processos criativos para o público, tornando-o cocriador em um espaço de diálogo e compartilhamento – chamado Observatório de Criação. 

A Cia. possui em seu repertório trabalhos consagrados, dentre eles “Aqueles Dois”, espetáculo já apresentado em 25 diferentes estados brasileiros, em mais de 100 cidades brasileiras e em quatro diferentes países. “Urgente” estreou em Belo Horizonte e seguirá, após a temporada carioca, para São Paulo e Brasília. 

Espetáculos da Cia. Luna Lunera:

  • Perdoa-me por me traíres (2001), de Nelson Rodrigues, direção de Kalluh Araújo.
  • Nesta data querida (2003), dramaturgia de Guilherme Lessa, direção de Rita Clemente.
  • Não desperdice sua única vida, ou… (2005), direção de Cida Falabella.
  • Aqueles dois (2007), baseado no conto de Caio Fernando Abreu, direção e dramaturgia Cia. Luna Lunera.
  • Cortiços (2008), inspirado em “O Cortiço” de Aluisio Azevedo, direção de Tuca Pinheiro.
  • Prazer (2012), direção e dramaturgia Cia. Luna Lunera.
  • Urgente (2016), direção Miwa Yanagizawa e Maria Sílvia Siqueira Campos (Coletivo Areas).

AREAS COLETIVO DE ARTE
O Areas Coletivo de Arte foi fundado em 2012 por Miwa Yanagizawa, Liliane Rovaris e Maria Silvia Siqueira Campos a partir do espetáculo Breu, de Pedro Brício. Em 2013, Camila Márdila se juntou ao coletivo após trabalhar com Liliane e Miwa no espetáculo Nada – uma peça para Manoel de Barros, com direção de Miwa e dos irmãos Guimarães. Também parte do trabalho e pesquisa do coletivo, a oficina “Estudo para o ator: a Escuta”, idealizada por Camila e Miwa, e realizada periodicamente desde 2013 em todo o Brasil. O último trabalho do coletivo foi o espetáculo Plano sobre queda.

SERVIÇO
Espetáculo: Urgente
Temporada: 17 de junho a 8 de agosto de 2016
Dias e horários: Quinta a segunda, às 19h30
Local: CCBB Rio – Teatro II (Rua Primeiro de Março 66 – Centro)
Capacidade: 155 lugares
Classificação indicativa: 16 anos
Gênero: Drama
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Duração: 1h45min
Informações: (21) 3808-2020
 bb.com.br/cultura | twitter.com/ccbb_rj | facebook.com/ccbb.rj

 

DEIXE UM COMENTÁRIO