Na data em que Carlos Queiroz Telles completaria 80 anos, relembre sucessos literários infantojuvenis do autor

No dia 09 de março, o Brasil relembra a vida e obra do escritor e dramaturgo Carlos Queiroz Telles. Mesmo após 23 anos de falecimento do autor, suas obras continuam na memória de milhares de brasileiros, inclusive daqueles que estão se formando como leitores. No dia em que o autor completaria 80 anos de idade, a Editora Moderna resgata algumas obras infantojuvenis daquele que foi um homem de múltiplas facetas.

Conhecido por seu protagonismo no teatro brasileiro, Carlos Queiroz Telles era advogado de formação. Trabalhou como dramaturgo, roteirista, publicitário, diretor de televisão, professor universitário, poeta e escritor. Estreou no teatro em 1958, com a peça A ponte, de sua autoria e teve uma trajetória de êxito em cima dos palcos com a conquista de duas edições do Prêmio Molière, distinção conhecida como o Oscar do Teatro Brasileiro e extinta na década de 90. Também adaptou texto para a televisão e foi um dos autores da novela O Julgamento, da extinta TV Tupi. 

Pela literatura brasileira, Queiroz Telles, como era conhecido, deixou um legado de mais de 50 enredos e poesias. Escreveu uma aventura autobiográfica para crianças chamada Asas Brancas, falou da liberdade e agruras da emancipação da primeira infância em Abobrinha quando cresce, divagou sobre as dores e delícias da adolescência em poemas nos livros A semente do Sol e Sonhos, Grilos e Paixões e fez jus às histórias que podem virar peças de teatro em A cama que sonhava. Outro destaque de sua produção literária é a história de Amor impossível, possível amor, em que iniciou o primeiro capítulo e fez anotações sobre os caminhos que pretendia percorrer ao longo do enredo. A história ficou inacabada por conta de seu falecimento e ficou a cargo de Pedro Bandeira concluir a obra. Amor impossível, possível amor, é, portanto uma obra escrita à quatro mãos. Todos esses títulos estão no catálogo da Editora Moderna. Confira mais detalhes dessas obras:

cama que sonhava – Durante anos, a família Prates foi a dona do engenho e da mansão das Caravelas. E, durante todo esse tempo, a maldição de Pierre Fenelon, o pirata, pesou sobre a casa, ameaçando expulsar todos os habitantes. Parece que, afinal, em 1990, os Prates estão derrotados, o banco tomará suas terras. A única esperança é que o menino Tonico consiga decifrar o enigma e desfazer a maldição do pirata.

 

 

 
Em Abobrinha quando cresce…, o autor proporciona às crianças uma aproximação leve e prazerosa com a linguagem da poesia, escolhendo temas que certamente são bastante familiares ao universo dos pequenos leitores. “Que significa crescer?”, essa parece ser a principal pergunta que é respondida de modo singelo, porém sensível, durante todo o livro. Trata-se de poemas curtos, quase todos escritos em verso livre, em que frases e expressões cotidianas utilizadas por crianças e adultos são revestidas de linguagem poética por meio do jogo com as rimas e das brincadeiras com a sonoridade das palavras. 

Sonhos, grilos e paixões – A vida, o sonho e a paixão da adolescência na visão sensível de um poeta. Enfim, uma coletânea dos mais loucos, mais alegres e mais vibrantes poemas sobre a vida dos adolescentes. Versos cheios da energia que pulsam em nosso íntimo naquele momento único em que a criança dá lugar ao adulto. São as “coisas” da vida, as “coisas” da cabeça, as “coisas” do coração, as “coisas” da juventude desdobradas no primeiro beijo, no primeiro namoro, na alteração das relações com os pais, no entusiasmo da descoberta da vida! Um livro de poesia muito especial, principalmente para aqueles jovens que dizem não gostar de poesia…

Sementes de Sol constitui-se de 30 poemas, divididos em duas partes: diário e dúvidas e confissões. São poemas curtos, leves, retratando o mundo pela perspectiva do adolescente. São breves dúvidas, medos do futuro, flagrantes do cotidiano do jovem. As transformações do físico, o surgimento da atração pelo sexo oposto, a divisão entre o amor pela família e a raiva pelas opiniões divergentes, a descoberta maior de si mesmo. O livro é um diário poético em que o autor fala com os jovens de hoje, emocionando também os jovens que ainda moram dentro de seus pais.

Amor impossível, possível amor – Fernanda tinha certeza de que morreria de dor depois que seu namorado secreto mudou-se para outra cidade. Mas, vindo para perturbar seus sentimentos, surgiu Bruno… Bruno! E… para a menina que chorava a ausência de um distante rapazinho, ali estava um belo homem, um homem feito, com o dobro da idade da menina, vindo tocar seu coração de apenas 14 anos… O que pode Fernanda fazer? Será que a diferença de idade entre os dois tornará esse um amor impossível? Ou a paixão surgida entre os dois transformará aquilo num possível amor?
 
Asas Brancas – As aventuras – autobiográficas, como diz o autor – do menino da cidade que pela primeira vez enfrenta as feras da floresta é um delicioso relato de um garoto vivo e sensível, que enfrenta os perigos e ao mesmo tempo contempla o mundo com adorável devoção. Em meio aos desafios físicos que encontra, descobre a doçura do primeiro amor e descobre também a si mesmo. Além de exaltar de maneira sutil os sentimentos nobres como a coragem, o respeito, a dedicação, o livro é um hino à beleza do universo, e pode ser ponto de partida para um estudo das relações entre o Homem e a Natureza em todos os seus aspectos: as árvores, os animais, as estrelas e o silêncio – o fundamental silêncio da solidão compartilhada com o mundo.

DEIXE UM COMENTÁRIO