Mostra celebra centenário do ator Grande Othelo no Caixa Cultural

Programação inclui exibição de 27 filmes, masterclass e debates entre 17 a 29 de novembro

Em comemoração ao centenário de Grande Othelo, a CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta a mostra de cinema O Maior Ator do Brasil – 100 Anos de Grande Othelo, de 17 a 29 de novembro (de terça-feira a domingo). Durante duas semanas, serão exibidos 27 filmes que mostram a versatilidade do mineiro de 1,50m, que atuou em mais de 100 produções.

Entre os destaques da programação, que tem curadoria de Breno Lira Gomes e João Monteiro, estão Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade, Matar ou correr, de Carlos Manga, e O assalto ao trem pagador, de Roberto Farias. A mostra no Rio inclui quatro filmes a mais que em São Paulo (realizada de 8 a 21 de outubro, no Cine CAIXA Belas Artes), são eles: Jubiabá, de Nelson Pereira dos Santos, A estrela sobe, de Bruno Barreto, O rei do baralho, de Julio Bressane, e O negrinho do pastoreio, de Antonio Augusto Fagundes.

“A curadoria optou por fazer um panorama da carreira de Grande Othelo, pegando desde os seus primeiros trabalhos na Cinédia (Onde estás felicidade?, Samba em Berlim, Romance Proibido), passando pela Atlântida (Matar ou Correr) e Herbert Richers (Um candango na Belacap, Mulheres à vista), além das contribuições no Cinema Novo (Rio Zona Norte, Os herdeiros, Macunaíma), Cinema Marginal (A família do barulho, O rei do baralho), até as últimas participações no cinema nas décadas de 80 e 90 (Jubiabá, Brasa adormecida, Nem tudo é verdade, É tudo Brasil)”, explica Breno Lira Gomes.

O nome da mostra é inspirado na declaração feita pelo cineasta americano Orson Welles, para quem Grande Othelo era o maior ator do Brasil. Eles se conheceram, em 1942, durante as filmagens de É tudo verdade (It´sAllTrue), a inacabada série de documentários a respeito dos Estados Unidos, México e Brasil, que iria registrar o carnaval carioca e os jangadeiros nordestinos.

Divulgação

Debates e masterclass:
A mostra terá debates gratuitos nos dias 19, 24 e 26 de novembro, às 19h, com distribuição de senhas a partir de 16h30. Cada debate terá a participação depersonalidades diferentes tais como os filhos do Grande Othelo, Mario Luiz de Souza Prata, Carlos Sebastião Vasconcelos Prata e José Antônio de Souza Prata, o cineasta Roberto Farias, além de atores, professores, críticos de cinema e pesquisadores.

A masterclass Grande Othelo: da comédia ao drama será realizada em 21 de novembro (sábado), às 15h, com a pesquisadora Silvia Oroz. A entrada será gratuita, com distribuição de senhas uma hora antes do início.

Programação:

17 de novembro (terça-feira)

Cinema 1
17h – Onde estás felicidade? (1939), Mesquitinha, 90 min, Brasil, Livre
19h15 – Rio Zona Norte (1957), Nelson Pereira dos Santos, 80 min, Brasil, 16 anos

Cinema 2
17h15 – Samba em Berlim (1943), Luís de Barros, 80 min, Brasil, 12 anos 

18 de novembro (quarta-feira)

Cinema 1
17h – Romance proibido (1944), Ademar Gonzaga, 65 min, Brasil, 12 anos
18h45 – Macunaíma (1969), Joaquim Pedro de Andrade, 108 min, Brasil, 12 anos

Cinema 2
17h15 – Matar ou correr (1954), Carlos Manga, 87 min, Brasil, 12 anos 

19 de novembro (quinta-feira)

Cinema 1
14h – O negrinho do pastoreio, Antônio Augusto Fagundes, 85 minutos, Brasil, Livre.
17h – Os três cangaceiros (1961), Vitor Lima, 93 min, Brasil, 10 anos
19h – Sebastião Prata ou, bem dizendo, Grande Otelo, de Murilo Salles e Ronaldo Foster (12 min), Livre. Debate com os filhos de Grande Othelo: Mario Luiz de Souza Prata, Carlos Sebastião Vasconcelos Prata e José Antônio de Souza Prata. Mediação do jornalista e crítico de cinema Mario Abbade. (Entrada franca)

Cinema 2
16h – Garota enxuta (1959), Josip B. Tanko, 100 min, Brasil, Livre
18h – Um candango na Belacap (1961), Roberto Farias, 102 min, Brasil, Livre  

20 de novembro (sexta-feira)

Cinema 1
14h50 – A estrela sobe (1974), Bruno Barreto, 105 minutos, Brasil, 14 anos
17h – Os herdeiros (1969), Cacá Diegues, 101 min, Brasil, 16 anos
19h15 – A família do barulho (1970), Júlio Bressane, 60 min, Brasil, 16 anos

Cinema 2
14h – Lúcio Flávio, passageiro da agonia (1977), Hector Babenco, 118 min, Brasil, 16 anos
18h45 – O assalto ao trem pagador (1962), Roberto Farias, 102 min, Brasil, 16 anos

21 de novembro (sábado)

Cinema 1
14h50 – Jubiabá (1986), Nelson Pereira dos Santos, 107 minutos, Brasil, 14 anos.
17h – Barão Otelo no barato dos bilhões (1971), Miguel Borges, 119 min, Brasil, 10 anos
19h20 – O rei do baralho (1974), Júlio Bressane82 minutos, Brasil, 16 anos

Cinema 2

15h – Masterclass Grande Othelo: da comédia ao drama, com a pesquisadora Silvia Oroz. Duração de no máximo 90 min. Entrada franca, com distribuição de senhas uma hora antes do início (Entrada franca)
18h45 – Nem tudo é verdade (1985), Rogério Sganzerla, 88 min, Brasil, Livre

22 de novembro (domingo)

Cinema 1
14h30 – Natal da Portela (1988), Paulo César Saraceni, 100 min, Brasil/França, 16 anos
16h30 – A estrela sobe (1974), Bruno Barreto, 105 minutos, Brasil, 14 anos.
18h45 – Brasa adormecida (1985), Djalma Limonge Batista, 105 min, Brasil, 10 anos

Cinema 2
14h – Mulheres à vista (1959), Josip B. Tanko, 100 min, Brasil, Livre
19h – A baronesa transviada (1957), Watson Macedo, 100 min, Brasil, 10 anos

24 de novembro (terça-feira)

Cinema 1
17h – Jubiabá (1986), Nelson Pereira dos Santos, 107 minutos, Brasil, 14 anos
19h – Debate com o tema Grande Othelo: o homem do cinema brasileiro, com mediação da editora do catálogo Angélica Coutinho. Participação dos professores e pesquisadores Hernani Heffner e João Luiz Vieira, e do crítico Rodrigo Fonseca (Entrada franca)

Cinema 2
18h – A linguagem de Orson Welles (1990), Rogério Sganzerla, 15 min, Brasil, Livre

É tudo verdade (It’salltrue, 1993), Norman Foster e Bill Krohn, 89 minutos, França/USA, Livre

 

25 de novembro (quarta-feira)

Cinema 1
14h – O negrinho do pastoreio, Antônio Augusto Fagundes, 85 min, Brasil, Livre.
17h – Natal da Portela (1988), Paulo César Saraceni, 100 min, Brasil/França, 16 anos
19h15 – Tudo é Brasil (1997), Rogério Sganzerla, 82 min, Brasil, Livre

Cinema 2
18h – Onde estás felicidade? (1939), Mesquitinha, 90 min, Brasil, Livre

26 de novembro (quinta-feira)

Cinema 1
17h – O assalto ao trem pagador (1962), Roberto Farias, 102 min, Brasil, 16 anos
19h – Debate com o tema Grande Othelo, o maior ator do Brasil, com a participação do cineasta Roberto Farias, da atriz Adelaide Chiozzo e do ator Érico Brás. Mediação do professor e pesquisador Sergio Motta (Entrada franca)

Cinema 2
18h – Lúcio Flávio, passageiro da agonia (1977), Hector Babenco, 118 min, Brasil, 16 anos  

27 de novembro (sexta-feira)

Cinema 1
15h30 – A família do barulho (1970), Júlio Bressane, 60 min, Brasil, 16 anos
17h – O rei do baralho (1974), Júlio Bressane82 minutos, Brasil, 16 anos
18h45 – Os herdeiros (1969), Cacá Diegues, 101 min, Brasil, 16 anos

Cinema 2
18h – Samba em Berlim (1943), Luís de Barros, 80 min, Brasil, 12 anos 

28 de novembro (sábado)

Cinema 1
14h15 – Brasa adormecida (1985), Djalma Limonge Batista, 105 min, Brasil, 10 anos
16h20 – Barão Otelo no barato dos bilhões (1971), Miguel Borges, 119 min, Brasil, 10 anos
18h45 – Macunaíma (1969), Joaquim Pedro de Andrade, 108 min, Brasil, 12 anos

Cinema 2
16h – A linguagem de Orson Welles (1990), Rogério Sganzerla, 15 min, Brasil, Livre

+ É tudo verdade (It’salltrue, 1993), Norman Foster e Bill Krohn, 89 minutos, França/USA, Livre

18h10 – Nem tudo é verdade (1985), Rogério Sganzerla, 88 min, Brasil, Livre 

29 de novembro (domingo)

Cinema 1
15h – Romance proibido (1944), Ademar Gonzaga, 65 min, Brasil, 12 anos
16h20 – Sebastião Prata ou, bem dizendo, Grande Otelo (1971), Ronaldo Foster e Murilo Sales, 12 min, Brasil, Livre

Tudo é Brasil (1997), Rogério Sganzerla, 82 min, Brasil, Livre

18h45 – Rio Zona Norte (1957), Nelson Pereira dos Santos, 80 min, Brasil, 16 anos

Cinema 2
16h – A baronesa transviada (1957), Watson Macedo, 100 min, Brasil, 10 anos
18h – Matar ou correr (1954), Carlos Manga, 87 min, Brasil, 12 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO