Monólogos inéditos para a Ocupação Rio Diversidade abrem a programação do projeto

Como deixar de ser (foto: Elisa Mendes)
Como deixar de ser (foto: Elisa Mendes)

A Ocupação Rio Diversidade tem como carro-chefe a apresentação de 4 monólogos inéditos sobre diversidade sexual e de gênero. As peças teatraisacontecem de 20 a 30 de julho, no Castelinho do Flamengo, com entrada FRANCA. Idealizado pela dramaturga Márcia Zanelatto, a programação contará também com um espaço lounge onde a drag queen Magenta Dawning receberá os  convidados  e, aos sábados, 16h, debates com intelectuais renomados como a filósofa Carla Rodrigues.

Circulando pelos ambientes do Castelo, os espectadores verão as diferentes encenações. Os quatro monólogos, escritos especialmente para a Ocupação, são assinados por Jô Bilac, Marcia Zanelatto, Daniela Pereira de Carvalho e Joaquim Vicente, e têm direção de Ivan Sugahara, Guilherme Leme Garcia, Renato Carrera e Cesar Augusto, respectivamente. Em cena estarão Gabriela Carneiro da Cunha, Larissa Bracher, Kelzy Ecard e Thadeu Mattos. 

Solos inéditos:

COMO DEIXAR DE SER
Texto: Daniela Pereira de Carvalho
Direção: Renato Carrera
Atuação: Kelzy Ecard
Classificação: 18 anos
Duração: 20 minutos
Data: De quarta a sábado
Horário: 19h
GRATUITO

Sinopse
Mulher de meia idade está presa dentro do “armário-sala”, herança da mãe. Durante 20 minutos de exasperação, ela divide com a plateia pensamentos e desejos reprimidos pela sociedade ainda nos dias de hoje.

FLOR CARNÍVORA

A Flor Carnívora (Foto: Elisa Mendes)
A Flor Carnívora (Foto: Elisa Mendes)

Texto: Jô Bilac
Direção: Ivan Sugahara
Atuação: Gabriela Carneiro da Cunha
Classificação: 18 anos
Duração: 20 minutos
Data: De quarta a sábado
Horário: 19h
GRATUITO

Sinopse
Em uma realidade em que a plantação de soja procura dar um golpe monocultural, as demais plantas, em defesa da pluralidade, ocupam o Castelinho do Flamengo. Em plenária, a flor carnívora afirma o hermafroditismo das plantas, sua indefinição de gênero, sua intersexualidade, e protesta contra a colonização organizadora do homem, que procura catalogar e normatizar o que a natureza criou diverso.

A NOITE EM CLARO

A noite em claro (Foto: Elisa Mendes)
A noite em claro (Foto: Elisa Mendes)

Texto: Joaquim Vicente
Direção: Cesar Augusto
Performance: Thadeu Matos
Classificação: 18 anos
Duração: 20 minutos
Data: De quarta a sábado
Horário: 19h
GRATUITO

Sinopse
A NOITE EM CLARO retrata o impacto do assassinato de Luiz Antonio Martinez Correa.

GENDERLESS/ UM CORPO FORA DA LEI

Genderless (Foto: Elisa Mendes)
Genderless (Foto: Elisa Mendes)

Texto: Marcia Zanelatto
Direção: Guilherme Leme Garcia
Atuação: Larissa Bracher
Classificação: 18 anos
Duração: 20 minutos
Data: De quarta a sábado
Horário: 19h

GRATUITO

Sinopse
Na Austrália, Norrie May-Welby se tornou a primeira pessoa do mundo a ser reconhecida como “sem gênero específico”. A partir do fato, a peça reflete poeticamente sobre os gêneros masculino e feminino e os conflitos entre as identidades sexuais e as estruturas sociais.

SERVIÇO

Local: Centro Cultural Municipal Oduvaldo Vianna Filho – Castelinho do Flamengo
Endereço: Praia do Flamengo, 158 – Telefone: 21 – 2205- 0655
Data: De 20 a 30 de julho de 2016
Ingressos: Entrada franca com distribuição de senhas uma hora antes

Programação:

Peças Teatrais – De quarta a sábado, das 19h às 20h30

Lounge Foco Trans – sextas e sábados, a partir das 20h30

Encontros Cultura Queer, Sexo e Gênero em debate – sábados às 16h

Classificação: 18 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO