Matheus Nachtergaele lança livro e se apresenta na Cidade das Artes

Sucesso absoluto de crítica e público, montagem retorna ao Rio de Janeiro para lançamento do livro “A Mariposa”, obra que reúne os poemas do espetáculo

Divulgação
Divulgação

Matheus Nachtergaele retorna ao Rio de Janeiro com o aclamado “Processo de Conscerto do Desejo”, dirigido e encenado pelo ator, para lançar “A Mariposa”, livro com os poemas do espetáculo. As duas únicas apresentações e o lançamento literário acontecem na Cidade das Artes, nos dias 16 e 17 de julho, sábado e domingo (20h). No sábado, às 16h, na Sala de Leitura da Cidade das Artes, o ator promove bate papo com o público presente e tarde de autógrafos do livro. Acompanhado pelos músicos Luã Belik (violão) e Henrique Rohrmann (violino), o ator vem colhendo elogios por onde passa com a montagem – desde sua primeira estreia, em julho de 2015 -, no qual Matheus recita textos de Maria Cecília Nachtergaele, mãe do ator, falecida em 1968.

Com a edição do livro “A Mariposa” (Polvilho Edições), que teve lançamento no Sesc de Paraty, durante a FLIP (Festa Literária de Paraty, dias 30/06 e 1/07), e chega a Uberlândia (dias 22 e 23/07), a homenagem à mãe se estende agora para além do sucesso de público e crítica do espetáculo. O livro, que traz os 28 poemas da poeta Maria Cecília, marca o desejo de Matheus de publicar os escritos da mãe, que estavam num caderninho, que recebeu das mãos de seu pai quando ele tinha 16 anos. “…Eu devolvo a ela, em forma de um livrinho, que contém sua pequena e devastadora obra, o carinho pequeno e devastador que me deu. Eu te amo, Maria Cecília, e procuro em mim, todos os dias, a parte que é você. Os poemas são teus…eles eram para mim?”, declara o ator (texto completo abaixo).

Escrito com ‘S’ e ‘C’ mesmo, em uma junção das palavras conserto e concerto, no espetáculo “Processo de Conscerto do Desejo” o ator declama os poemas da mãe e, acompanhado pelos músicos relembra algumas das músicas de que ela gostava, como Io Che Amo Solo Te (Sergio Endrigo). “Quero consertar meu desejo com poesia, num concerto”, explica.

Matheus Nachtergaele era um bebê de apenas três meses quando perdeu a mãe, em 1968. Ao ler seus poemas, já em sua adolescência, sentiu como se a mãe falasse com ele e são estes textos que leva agora ao palco, em um recital. “Dela, me restaram seus poemas, lindos e maduros, escritos de uma jovem mulher moderna e triste, e essa veia que me marca a testa quando rio ou choro muito”, diz Nachtergaele.

A construção desse espetáculo, segundo o ator (e diretor), vem sempre acontecendo diante do público: “Preciso das pessoas, como observadores emocionados disso tudo. Quero ir consertando meu desejo de acordo com essa emoção, dia após dia. Como na vida. Como no teatro. Isso, só o teatro pode nos trazer. Temos um ator, um violão, lindos poemas e a canção. Tudo pequenininho para a grandeza do essencial: artista e espectador em oração profana”.

Por onde passou “Processo de Conscerto do Desejo”
O espetáculo, que trouxe Matheus de volta aos palcos em novembro de 2015, nasceu a partir de uma leitura dos poemas de Maria Cecília, mãe do ator, noFestival de Teatro de Ouro Preto e Mariana, em julho de 2015. Em 24 de novembro Matheus estreou “Processo de Conscerto do Desejo” no Rio de Janeiro, no Teatro Poeirinha e, desde então, vem conquistando plateias por onde passa, como nas últimas apresentações em Brasília (3 a 5 de junho) e na cidade histórica de Tiradentes, no festival Tiradentes em cena (14/05), quando o ator foi aclamado em duas sessões, sendo uma extra, realizadas dentro da Igreja da Matriz.

Desde a sua estreia, “Processo de Conscerto do Desejo” teve três concorridas temporadas no Rio de Janeiro, nos teatros Poeirinha e Sérgio Porto, abriu oFestival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco, em janeiro de 2016, foi apresentado no Festival de Teatro de Curitiba e participou do festivalGamboavista (RJ). Na cidade de São Paulo, cumpriu temporada esgotada no Sesc Pompéia, de 7 de abril a 1 de maio.

Capa

A Mariposa | Por Matheus Nachtergaele
Fui um menino triste porque amei minha mãe. Amei muito. Ela se foi quando eu era um bebê de três meses, mas guardei em algum lugar profundo o amor que recebi dela. Sei que ela me olhava nos olhos, posso, ainda agora, senti-lo. Me contaram que ela se gabava do meu sorriso, e deixou uma carta em meu berço, junto a mim, na noite de seu suicídio. É verdade que aos 3 meses de idade, exatos 12 meses após a concepção, uma criança passa a se distinguir de sua mãe. Minha mãe esperou esse momento para partir. Esperou que eu fosse eu, antes de ir. E sou grato a ela por isso. E meu amor terá sempre algo a ver com isso. Porque esperar na tristeza é prova de amor. E a tristeza de Maria Cecília está expressada em seus poemas, que recebi ao adolescer. Os textos curtos, estranhamente maduros e infinitamente melancólicos, me ajudaram a formar essa imagem de quem ela foi, e portanto, de quem sou, já que sou fruto dela e desse nosso amor intenso e breve. São poemas sobre a vida em geral, sobre a natureza dos afetos, sobre a falta de ternura no mundo dos homens, sobre a catástrofe de uma mulher sentimental diante dos fatos cotidianos da vida comum. Eu devolvo a ela, em forma de um livrinho que contém sua pequena e devastadora obra, o carinho pequeno e devastador que me deu. Eu te amo, Maria Cecília, e procuro em mim, todos os dias, a parte que é você. Os poemas são teus….eles eram para mim?

Processo de Conscerto do Desejo | Por Matheus Nachtergaele
Poucas palavras se confundem tanto em nossa língua quanto ‘concerto’ e ‘conserto’. Aqui, elas se mesclam vertiginosamente. A palavra desejo, em filosofia, seria a tensão em direção a um fim de onde se espera satisfação. Tradicionalmente o desejo pressupõe carência, ou alguma forma de indigência: Um ser que não carecesse de nada, não desejaria nada. Seria um ser perfeito, um Deus. Por isso a filosofia, tantas vezes, considera o desejo como característica primeira do ser imperfeito, do ser finito. Quero consertar meu desejo com poesia, num concerto. Explico: minha Mãe, a poeta Maria Cecília Nachtergaele, faleceu quando eu era um bebê de três meses. Dela, me restaram seus poemas, lindos e maduros, escritos de uma jovem mulher moderna e triste, e essa veia que me marca a testa quando rio ou choro muito. Em “Processo de Conscerto do Desejo”, acompanhado pelo jovem violonista Luã Belik e do violinista Henrique Rohrmann, direi finalmente os poemas que guardei nos olhos e na alma como única herança dela. O espetáculo é simples assim: Um homem (que por acaso é um ator) diz no palco as palavras escritas por sua mãe. Um violão (não por acaso, pois Maria Cecília amava os violões) o companha. É só isso, se isso for pouco.

Repertório do espetáculo:
Adgio, Fuga e Allgro (J.S.Bach)
Toada (Marcos Pereira)
Che Gente (Sérgio Endrigo)
Menino Desde Daí (Paulinho Nogueira)
Granada (Issac Albeniz)
Vai (Matheus Nachtergaele e Luã Belik)
Homem Menino (Luã Belik)

Sinopse “Processo de Conscerto do Desejo”:
Ator recita poesias escritas por sua mãe, Maria Cecília Nachtergaele, falecida em 1968, e relembra músicas de que ela gostava. Na homenagem, ator é acompanhado pelos músicos Luã Belik, ao violão, e Henrique Rohrmann, no violino.

Ficha Técnica “Processo de Conscerto do Desejo”:

Concepção e atuação: Matheus Nachtergaele
Textos: Maria Cecília Nachtergaele
Violão: Luã Belik
Violino: Henrique Rohrmann
Iluminação: Orlando Schaider
Corpo: Natasha Mesquita
Voz: Célio Rentroya
Contra-regra: Cedeli Martinusso
Artes visuais: Cláudio Portugal e Karina Abicalil
Divulgação: Silvana Cardoso (Passarim Comunicação)
Estagiaria de Produção: Taís Marciano
Produção Executiva: Rafael Faustini
Direção de Produção: Miriam Juvino
Assessoria Jurídica: Lilian Santiago (Coarte)
Assessoria e Captação: A Gente Se Fala Produções Artísticas (www.agentesefala.com.br)
Realização: Pássaro da Noite Produções

Serviço – Livro “A Mariposa”:

Título: A Mariposa
Autor: Maria Cecília Nachtergaele
Editora: Polvilho Edições
Gênero: Poesia
Ano: 2016
Preço sugerido: R$50,00

Sinopse – Livro “A Mariposa”:
A primeira edição de A Mariposa apresenta 28 poemas de Maria Cecília Nachtergaele, escritos deixados pela mãe do ator Matheus Nachtergaele, além de um poema do ator. Os textos compõem o espetáculo teatral Processo de Conscerto do Desejo, no qual Matheus recita em homenagem a mãe poeta, falecida quando ele tinha apenas três meses.

Processo de Conscerto do Desejo | com Matheus Nachtergaele

Músicos: Luã Belik (violão) | Henrique Rohrmann (violino)

Recital | Poesia | Drama

Local: Cidade das Artes | Teatro de Câmara

Site: http://cidadedasartes.org/

Datas Apresentações: 16 e 17 de Julho de 2016 | sábado e Domingo

Horário: Sábado e Domingo às 20h

Preço: R$ 30,00 (Plateia Alta) e R$ 50,00 (Plateia Baixa)

Venda: www.ingressorapido.com.br

Informações Bilheteria: (21) 3328-5300

Horário de funcionamento Bilheteria: Ter a Dom, de 13h às 19h.

Em dias de espetáculo, de 13h até 30 min após o início do espetáculo.

Classificação etária: 16 anos

Lotação: 450 lugares

Duração do espetáculo: 60 minutos

Lançamento livro “A Mariposa”

Bate papo e tarde de autógrafos com Matheus Nachtergaele

Dia 16/07 (sábado) | 16 horas

Sala de Leitura Cidade das Artes

Endereço: Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca – RJ

Telefone: (21) 3325 0102