MAR apresenta ao público “MARgem: Ciclo de música experimental”

DivulgaçãoO Museu de Arte do Rio – MAR, sob a gestão do Instituto Odeon, apresenta ao público MARgem: Ciclo de música experimental no MAR. Com curadoria de Chico Dub, o evento é gratuito e acontece nos meses de setembro (24), outubro (15) e novembro (12), reunindo apresentações e performances para inserir o experimentalismo sonoro e a música de invenção/exploratória no ambiente de uma instituição de arte contemporânea.

O projeto vai criar um diálogo constante com o MAR, seja com as exposições em cartaz ou com espaços físicos do museu e seus arredores.  “A ideia é criar um microlaboratório de experimentos sonoros radicais dentro do museu, tornando-o um espaço elástico e em constante movimento. O ciclo de música experimental está muito mais interessado em proporcionar experiências sonoras do que abordar gêneros musicais específicos”, explica o curador.

Conceitualmente, MARgem se aproxima de diversas atividades realizadas recentemente em todo o mundo. Convidar o público visitante de museus e galerias para usarem seus ouvidos – além dos olhos – tem se tornado comum em algumas das mais prestigiadas instituições. O som, devido a avanços na tecnologia e também pelo desejo de ultrapassar os limites artísticos, passou a ser reconhecido e exibido como uma forma de arte em si mesmo. Hoje, no século 21, é um aspecto integral desse universo, abrigando desde instalações até práticas baseadas em performance, interatividade e telas.

24 de setembro, sábado, às 18h

Daniel Nunes & God Pussy – cartografia sonora do Morro da Providência (performance resultante de residência artística no local)

Epaço: pilotis/Morrinho

15 de outubro, sábado, às 13h | 15h | 17h
Radio Lixo – diálogo com a exposição em cartaz A Cor do Brasil

Espaço: dentro da galeria

12 de novembro, sábado, às 18h

Andreas Trobollowitsch (Áustria)

Espaço: anfiteatro

Daniel Nunes
http://www.constantina.art.br/
https://soundcloud.com/projetolise

DivulgaçãoDaniel Nunes compõe trilhas para cinema, longas e curtas-metragens teatro e internet. É criador do selo independente mineiro La Petite Chambre, dedicado à música experimental e idealizador do festival de música livre independente “Pequenas Sessões”, que teve sua sétima edição em 2015. Seu trabalho vai além do universo musical ao permitir trocas com artistas de outras vertentes, que passam pela vídeo­arte, web­arte e performance. Já apresentou trabalhos no Itaú Cultural (SP), na Oi Futuro (RJ), circuito SESC­SP, Santander Cultural (RS), SXSW (EUA) e Focus Wales (Reino Unido). Foi bolsista da equipe de áudio do Centro de Convergência de Novas Mídias (UFMG) e artista integrante do Laboratório de Pesquisa de Trilha Sonora do Palácio das Artes. É membro da banda Constantina e projeto Lise com discos lançados em Londres e nos Estados Unidos, shows apresentados em várias capitais brasileiras e países como Argentina, Estados Unidos e Europa.

Sua graduação é na área de Música – Licenciatura pela Universidade do Estado de Minas Gerais, com pesquisa em Sistemas Musicais Interativos. Foi aluno de composição da classe de Sérgio Rodrigo Ribeiro Lacerda (UFMG) e Guilherme Antônio Ferreira (Fundação de Educação Artística). Atualmente cursa mestrado em Artes na Universidade do Estado de Minas Gerais.

DivulgaçãoGod Pussy
https://godpussy.bandcamp.com

God Pussy é uma proposta de se fazer barulho com espírito DIY, iniciada em 2008 por Jhones Silva. Pedais, piezos, sintetizadores, rádios, geradores de ruídos, entre outros, são utilizados para uma explosão de noise e power electronics com fins políticos, tratando de falta de saneamento básico, atendimento hospitalar, educação, abuso de poder, violência e crueldade.  

DivulgaçãoRadio Lixo
https://radiolixo.hotglue.me/

A Rádio Lixo é um projeto de música eletrônica experimental iniciado em 2012 no Rio de Janeiro. Os trabalhos são produzidos a partir de diversas mídias, como gravadores e reprodutores analógicos, instrumentos eletrônicos, rádios, internet e objetos de fabricação própria e apresentados como trilhas sonoras, performances e discos. Participam Cainã Bomilcar, Juliana Frontin, Joaquim Pedro dos Santos e Abel Duarte.

Já realizaram trilhas sonoras para peças de teatro (Profanações – O Êxtase dos Começos, no Oi Futuro Flamengo) e se apresentaram em espaços e eventos como Festival Novas Frequências (ao lado do artista sonoro inglês Philip Jeck) Biblioteca Parque Estadual (Ocupação Quintavant), Castelinho do Flamengo (Ocupação Arte Sonora), Jardim de Inverno do SESC (em Teresópolis), Ilha Praça no MAM (curadoria Arto Lindsay e Hans-Ulrich Obrist), Capacete, MAC (em Niterói), Antiga Fábrica da Bhering, Sesc Pompéia e Phosphorus/Casa Juisi, entre outros.

Andreas Trobollowitsch (Áustria)
http://trobollowitsch.hotglue.me/

DivulgaçãoAndreas Trobollowitsch é um compositor, performer e artista sonoro com base em Viena, Áustria. Em suas obras, utiliza principalmente instrumentos musicais preparados, ventiladores modificados, fitas e gravações de campo. Recentemente, tem focado seu trabalho em performances e instalações sonoras, composições conceituais e instalações de desenho. Trobollowitsch já recebeu diversas bolsas em sua carreira, prêmios vinculados ao Ministério Federal Austríaco da Educação, a cidade de Viena, o Filmarchiv Áustria Cultural, entre muitos outros. Já se apresentou e realizou exposições na Áustria, Alemanha, Eslováquia, República Checa, Polônia, Bélgica, Holanda, França, Portugal, Espanha, Argentina, Chile, China, México, EUA, Japão e Coréia do Sul.

Chico Dub
DivulgaçãoBaseado no Rio de Janeiro, Chico Dub é curador, produtor cultural e diretor artístico com foco em música experimental, novas tendências e música de vanguarda. É idealizador e curador do Novas Frequências, festival realizado desde 2011 que integra a rede ICAS, um network internacional que compreende mais de 40 festivais de música e sons avançados. Já realizou curadorias para o Sónar São Paulo (2012), Festival Eletronika, em Belo Horizonte (2013, 2014 e 2015), SESI Cultura Digital (2014 e 2015) e Red Bull (2014, 2015 e 2016), além das séries Invasão Paraense e Invasão Baiana para os CCBBs de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro (2012, 2014 e 2015). Em 2014, coordenou o projeto de programação cultural do novo Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro. É idealizador e curador da série de coletâneas Hy Brazil, registro que tem como objetivo mapear e divulgar a nova produção eletrônica e experimental brasileira. É colaborador mensal do programa de rádio de Portugal Ginga Beat (Red Bull Music Academy Radio/ Vodafone FM). De 2007 a 2011, foi assistente de direção do festival de performances audiovisuais Multiplicidade. É co-idealizador e roteirista do documentário Dub Echoes, primeiro longa-metragem a mostrar a importância do dub jamaicano para o nascimento do hip-hop e da música eletrônica.

Serviço

Ingresso: R$ 10 I R$ 5 (meia-entrada) – pessoas com até 21 anos, estudantes de escolas particulares, universitários, pessoas com deficiência e servidores públicos da cidade do Rio de Janeiro. O MAR faz parte do Programa Carioca Paga Meia, que oferece meia-entrada aos cariocas e aos moradores da cidade do Rio de Janeiro em todas as instituições culturais vinculadas à Prefeitura. Apresente um documento comprobatório (identidade, comprovante de residência, contas de água, luz, telefone pagas com, no máximo, três meses de emissão) e retire o seu ingresso na bilheteria. Pagamento em dinheiro ou cartão (Visa ou Mastercard).  

Bilhete Único: R$ 16 – R$ 8 (meia-entrada) cariocas e residentes no Rio de Janeiro, mediante apresentação de documentação ou comprovante de residência comprobatórios. Serão considerados documentos comprobatórios aqueles que contenham o local de nascimento, tais como RG, carteira de habilitação, carteira de trabalho, passaporte etc.  Serão considerados comprovantes de residência os títulos de cobrança com no máximo 3 (três) meses de emissão, como serviços de água, luz, telefone fixo ou gás natural, devidamente acompanhado de documento oficial de identificação com foto (RG, carteira de habilitação, carteira de trabalho, passaporte etc.) do usuário.  

Política de gratuidade: Não pagam entrada – mediante a apresentação de documentação comprobatória – alunos da rede pública (ensinos fundamental e médio), crianças com até cinco anos ou pessoas a partir de 60, professores da rede pública, funcionários de museus, grupos em situação de vulnerabilidade social em visita educativa, Vizinhos do MAR e guias de turismo. Às terças-feiras a entrada é gratuita para o público geral. Aos domingos a entrada é gratuita para portadores do Passaporte de Museus Cariocas que ainda não tiverem o carimbo do MAR. No último domingo do mês o museu tem entrada grátis para todos por meio do projeto Domingo no MAR.

Terça a domingo, das 10h às 17h. Às segundas o museu fecha ao público. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (55 21) 3031-2741 ou acesse o sitewww.museudeartedorio.org.br.

Endereço: Praça Mauá, 5 – Centro.

DEIXE UM COMENTÁRIO