Lugar de Bossa Nova agora é também em Madureira

Projeto “Madureira cheia de bossa” foi um sucesso e vai continuar

foto: Rafael da Hora
foto: Rafael da Hora

No último dia 8 de maio, Madureira mostrou que gosta de música brasileira e que a bossa nova tem muito mais do que apenas o pé no samba. Foi um sucesso a estreia do projeto “Madureira Cheia de Bossa – Jovens tardes de improviso” no Parque de Madureira, com Paula Morelenbaum e Jaques Morelenbaum recebendo Carlos Lyra como convidado especial.

“Recebi o convite do Vagner Fernandes. Pra mim, é uma honra poder mostrar um pouco da bossa nova para vocês. É uma viagem musical em que vamos curtir juntos até setembro. Estou muito feliz”, emocionou-se Paula Morelenbaum lembrando também que ela e Jaques – produtor, arranjador e violoncelista – tiveram o privilégio de participar da banda de Tom Jobim e acompanhá-lo por alguns anos.

O projeto – que acontece uma vez por mês até setembro, com entrada  gratuita – foi idealizado pelo jornalista e produtor Vagner Fernandes e contemplado pelo Programa Fomento Olímpico da Secretaria Municipal de Cultura. O projeto vai mostrar que, apesar de ter nascido na Zona Sul, a bossa nova tem tudo a ver com o samba da Zona Norte. O objetivo é, justamente, popularizar a estética musical considerada elitista. 

 “Se até no exterior as pessoas cantam ‘Chega de saudade’, ‘O barquinho’ e ‘Garota de Ipanema’, não seria na Zona Norte que o público  desconheceria esses sucessos da bossa nova. “Há  um equívoco em considerar que a bossa nova não possa ser compreendida pela população das regiões periféricas. A  estreia provou que as pessoas ouvem, apreciam e precisam de oportunidade para ter acesso à música de qualidade, independentemente de gêneros”, defende Vagner.

Acompanhados por uma banda formada por Nema Antunes (baixo), Leonardo Amuedo (guitarra) e Marcelo Costa (bateria), Paula e Jaques abriram o show com o clássico “Águas de março”, de Jobim, seguido de “Samba da minha terra”, de Dorival Caymmi, e “A rã”, de João Donato e Caetano Veloso.

Carlos Lyra, o convidado da noite, cantou alguns de seus sucessos – como “Primavera”, “Sabe você” e “Se é tarde, me perdoa” – e contou algumas histórias dos tempos da bossa nova.

Antes de apresentar a canção “Você e eu”, recordou como surgiu essa primeira parceria com Vinícius de Moraes: “Vinícius já conhecia meu pai. Como eu queria muito fazer música com ele, tomei coragem e liguei me apresentando. Na mesma hora, o poeta me convidou – ‘Vem pra cá, Carlinhos’, bem do jeito que ele gostava de falar tudo no diminutivo. Corri pra lá e logo mostrei a melodia de “Você e eu”.

Lyra encerrou sua participação com “Influência do Jazz”, apresentada no histórico show do Carnegie Hall, de Nova York, em 1962.  “Resolvi apresentar essa música para mexer com os americanos porque, na época, eu era mais de esquerda. Mas acabou que todos adoraram a música”, relembra Lyra em tom de brincadeira.

A plateia adorou e pediu bis várias vezes. Ivone Resende, de 50 anos, por exemplo, fez uma retrospectiva de sua vida e pedia o tempo todo para cantar “Minha namorada”, parceria de Lyra e Vinícius: “Essa música fez parte da minha vida. Foi um tema do meu namoro que acabou em casamento”. Ela estava mesmo emocionada e feliz com a oportunidade: “Aqui na Zona Norte não tem lugar para ouvir esse tipo de música. E, se fosse na Zona Sul, eu não poderia pagar o ingresso. Maravilhoso projeto! Agora não vou perder as próximas atrações.”

A moradora de Cascadura Iracema de Souza Nunes, de 69 anos, era outra espectadora animadíssima com o “Madureira cheia de bossa”: “Gosto muito de bossa nova. Achei a Arena Fernando Torres o lugar ideal para o projeto, e o horário é muito bom.  Me surpreendi com os jovens na plateia e já me programei para todos os shows.”

Até setembro, o projeto vai reunir artistas em pleno Parque de Madureira, fazendo um passeio por um dos mais dos mais importantes gêneros do país, sempre sob o comando de Jaques e Paula Morelenbaum. A próxima convidada da dupla é a cantora e violonista Wanda Sá, uma das grandes vozes femininas do movimento bossa-novista.

“Madureira Cheia de Bossa” é uma série de cinco espetáculos que será apresentada uma vez por mês entre maio e setembro, reverenciando expoentes da Bossa Nova, como Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Baden Powell, João Gilberto, Elizeth Cardoso, Johnny Alf, Astrud Gilberto e tantos outros que ajudaram a escrever a história do movimento.

Próximas atrações:

Projeto “Madureira Cheia de Bossa” Jaques Morelenbaum e Paula Morelenbaum convidam: 

  • Dia 26 de junho – Wanda Sá
  • Dia 10 de julho – Roberto Menescal
  • Dia 14 de agosto – Marcos Valle
  • Dia 4 de setembro – João Donato 

Local: Arena Carioca Fernando Torres (Parque Madureira)  – R. Soares Caldeira, 115 – Tel.: 3495-3078 e 3495-3093

Quando: uma vez por mês, sempre aos domingos (checar tabela acima)

Horário: às 18h30

Duração do espetáculo: aproximadamente 80 minutos

Entrada gratuita

Capacidade: 408 pessoas sentadas (sendo oito destinadas a cadeirantes)

Censura livre

DEIXE UM COMENTÁRIO