“Krum” encerra a 5ª edição da Mostra Gamboavista

Vencedora de diversas categorias dos Prêmios Shell, APTR e Cesgranrio, a peça faz duas apresentações nos dias 18 e 19/06, no Galpão Gamboa

foto: Nana Moraes
foto: Nana Moraes

Entre os meses de março e junho o Galpão Gamboa apresentou a Mostra Gamboavista, que contou com mais de 20 atrações a preços populares em sua programação, todos com a casa cheia. Para encerrar a 5ª edição haverá duas apresentações da premiada peça “Krum”, vencedora do Prêmio Shell (ator e cenário), APTR (espetáculo e iluminação) e Cesgranrio (melhor espetáculo). As sessões serão nos dias 18 e 19/06. O espetáculo narra o retorno ao lar do personagem-título, que, depois de perambular pela Europa em busca de experiências e quiçá de aprendizado, volta de mãos vazias. Ao chegar, Krum confessa que não viu nada, que nem mesmo no estrangeiro foi capaz de encontrar o que buscava.

Este é o segundo projeto produzido a partir da parceria entre a Companhia Brasileira de Teatro com a atriz Renata Sorrah, depois do sucesso de ‘Esta criança’ (2012), de Joël Pommerat. É a primeira vez que o texto do dramaturgo israelense Hanoch Levin é encenado no Brasil, sob a direção de Marcio Abreu. No elenco, além de Renata Sorrah, Edson Rocha, Ranieri Gonzalez, Rodrigo Bolzan e Rodrigo Ferrarini, integrantes e colaboradores da Companhia Brasileira de Teatro, dividem o palco com os atores convidados Grace Passô, Inez Viana, Cris Larin e Danilo Grangheia.

“Krum” é um espetáculo com dois enterros e dois casamentos. Não existem grandes feitos, tudo é ordinário. Entre as duas cerimônias acontece uma sequência de cenas curtas, o quadro da vida dos habitantes de um bairro remoto. Segundo o diretor “Krum” é uma peça sobre pessoas. “O que está em jogo é a matéria humana. Habitam o mundo seres pequenos, sem pudor na palavra, vivendo sob um teto baixo. Há um olhar, ao mesmo tempo, cruel e generoso sobre vidas mínimas ou, como em Tchekhov, sobre o que existe de mínimo no ser humano”, sublinha Marcio Abreu.

A frase “O fim está no começo e, no entanto, continua-se” de Beckett descreve com perfeição o princípio de “Krum”, do dramaturgo israelense Hanoch Levin (1943-1999), encenada pela primeira vez no Brasil pela companhia brasileira de teatro, de Curitiba, sob a direção de Marcio Abreu. Este é o segundo projeto produzido a partir da parceria entre a atriz Renata Sorrah e a companhia brasileira de teatro, depois do sucesso de ‘Esta criança’ (2012), de Joël Pommerat.

O texto foi escrito nos anos 70 por Levin, na época um jovem autor influenciado por Tchekhov e Beckett, em um país recente e mergulhado em conflitos e contradições. Apenas no período de vida do autor, de 1943 a 1999, foram sete guerras. Enquanto o mundo turbulento destila suas violências, as pessoas tentam seguir suas vidas, muitas vezes, sem brilho, confinadas em suas casas ou alimentando expectativas, sonhos de consumo, esperança de dias melhores.

Ao recusar a possibilidade de qualquer transformação existencial e de qualquer escapatória de um mundo onde o céu parece sempre tão baixo, o ar tão pesado e as estruturas sociais tão opressoras, “Krum” formula uma questão universal: até que ponto é possível sonhar a mudança? Será que estamos condenados a repetir indefinidamente os mesmos ritos incompreensíveis, a viver uma sucessão interminável de casamentos e funerais que, vistos sem ilusões, não significam nada? Por que continuar? Para que continuar?

FICHA TÉCNICA:
Texto: Hanoch Levin
Direção: Marcio Abreu
Elenco: Cris Larin, Danilo Grangheia, Edson Rocha, Grace Passô, Inez Viana, Ranieri Gonzalez, Renata Sorrah, Rodrigo Bolzan/ Rodrigo Andreolli (em alternância) e Rodrigo Ferrarini
Tradução: Giovana Soar
Cenário: Fernando Marés
Trilha e efeitos sonoros: Felipe Storino
Figurino: Ticiana Passos
Projeto Gráfico: Fábio Arruda e Rodrigo Bleque – Cubículo
Fotos: Nana Moraes
Interlocução Artística: Patrick Pessoa
Produção Executiva: Isadora Flores
Assistência de direção: Nadja Naira e Giovana Soar
Assistência de cenografia e Direção de cena: Eloy machado
Operação de luz: Lara Cunha e Henrique Linhares
Operação de som: Felipe Storino/ Mauricio Chiari
Criação e Realização: Renata Sorrah Produções e companhia brasileira de
teatro
Adaptação: Marcio Abreu e Nadja Naira
Tradução do Hebraico: Suely Pfeferman Kagan
Iluminação: Nadja Naira
Direção de Movimento: Marcia Rubin
Direção de Produção: Cássia Damasceno e Faliny Barros

SERVIÇO:
Krum
Data: Dias 18/06 e 19/06
Local: Galpão Gamboa – Teatro
Endereço: Rua da Gamboa, 279 – Centro – RJ
Horário: 21h (sábado) e 20h (domingo)
Ingressos gratuitos
Capacidade: 80 lugares
Forma de pagamento: dinheiro
Duração do espetáculo: 110 minutos
Classificação: 16 anos

DEIXE UM COMENTÁRIO