Katia Wille inaugura exposição “Maria dos Olhos de Piscina”

Maria dos olhos de piscina - Kátia Wille
Maria dos olhos de piscina - Kátia Wille

Inspirada na crônica “O Poeta e os Olhos da Moça”, de Rubem Braga, a artista visual KATIA WILLE leva suas figuras femininas para o Contemporâneo Hostel, em Botafogo, na exposição “MARIA DOS OLHOS DE PISCINA”, que abre no dia 28 de outubro, sexta, às 19h, com curadoria de Isabel Portella. São ao todo 10 telas e uma instalação em ladrilhos localizada na parede central do hostel e durante a abertura as obras serão expostas em projeções na parte de fora, instigando o público a circular por dentro do espaço. Haverá ainda uma noite de autógrafos do livro “Como não aprender a nadar” de Jozias Benedicto.

“Quando vou pisando na calçada me encontro com Maria, que vem de braço dado com o noivo. Meus olhos entraram diretamente nos seus. Meus olhos, com toda a minha tristeza, toda a minha alma desgraçada, entraram de repente nos seus, mergulharam completamente neles. Ela se deteve um instante – eu só via aqueles olhos verdes – e me recebeu como se fosse uma piscina (…).”

Rubem Braga, trecho retirado da crônica “O Poeta e os Olhos da Moça”.

“A onipresença da Mulher Real, não idealizada pelo homem, em seu estado de plenitude se manifesta naquele momento, onde ele se rende somente ao se deparar com o seu olhar. Ele mergulha instintivamente, envolvido e entregue, completamente magnetizado, ansioso a se entregar a um mundo desconhecido, longe das suas certezas, flutuando em seus olhos cor de piscina”, afirma a artista Katia Wille.

Na visão da artista, a crônica narra a tensão do encontro entre homem e mulher e desperta uma breve inversão de papéis que ocorre no momento que ele cruza com seus olhos cor de piscina: de um lado o poeta Manuel Bandeira, frágil, com sua virilidade masculina depauperada pela rejeição de outra mulher, de outro a jovem Clarice Lispector plena, no auge de suas certezas, detentora de uma força no olhar que sequer demanda esforço, capturando o poeta em questão de instantes. 

SOBRE O CONTEMPORÂNEO HOSTEL
Incorporado à paisagem de Botafogo desde 2013, O Contemporâneo Hostel segue a tendência dos albergues europeus que buscam incentivar a produção artística fora das tradicionais galerias.

O Hostel tem uma sólida parceria com a curadora Isabel Portella que desenvolve um calendário de atividades anual para o local e busca parceria com jovens artistas e com a escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Para Beth Agra, sócia do hostel, é preciso ampliar os espaços de arte no Rio e dar mais oportunidades a jovens artistas brasileiros. “O Contemporâneo busca atrair o público que valoriza e consome as mais diversas formas de arte. Todas as obras, depois de expostas, estarão disponíveis para venda”, observa.

As exposições duram cerca de dois meses e ficam abertas a todo público das 7h às 23h. Durante as vernissages e finissages, o hostel promove festas gratuitas no bar que fica no quintal aos pés de uma jabuticabeira.

“MARIA DOS OLHOS DE PISCINA”
A artista visual Katia Wille apresenta telas e uma instalação com ladrilhos.
Vernissage: dia 28 de outubro, das 19h às 23h.
Até o dia 28 de dezembro.
Curadoria: Isabel Sanson Portella
Local: Contemporâneo Hostel (Rua Bambina, 158, Botafogo. Tel 3495-1014)
Entrada franca
Durante a abertura haverá noite de autógrafos do livro “Como não aprender a nadar” de Jozias Benedicto

DEIXE UM COMENTÁRIO