Katecô Danças Negras do Coletivo Muanes Dançateatro no Parque das Ruínas

foto: Renata Giannattasio
foto: Renata Giannattasio
Katecô Danças Negras do Coletivo MUANES Dançateatro, sob a direção de Denise Zenicola, interpela o tempo, um mergulho poético em nossas memórias e lugares no mundo. Alinhavar de tempos e espaços diversos no melhor lugar, onde tudo se pode alcançar: o lugar da Dança Afro Contemporânea Brasileira.
 
Montagem inusitada pela distância de um oceano entre bailarinos e a Diretora, distância atlântica que alavancou o ato criativo de todos nós, pelo ato virtual e campo sensível. KATECÔ Danças Negras abriga um pulsar de movimento e poética de dança entre tradição e contemporaneidade e deixa um pouco de si em marcas, tanto no corpo de quem dança como no de quem vê.
 
Coletivo MUANES Dançateatro
Sempre é preciso avivar e criar memória, num país onde tudo ou quase tudo se desfaz em vagas lembranças e memórias seletivas. Entendemos que a dança mais que uma profissão é um modo de vida e através dela, a dança, histórias pessoais e memórias de esquecimento, podem ser contadas. Assim, o corpo que dança encontrará um eco particular neste contexto repleto de vivências e construirá seu gesto dramático à procura do que está e o que não está mais, do que desapareceu.
 

 
Assustados com este Brasil, estamos conscientes  que devemos fazer mais, pela via que melhor dominamos: pela Arte, nosso nexo, força e arma letal. E que venha um Katecô que assuma nossas memórias, toque nossos sentidos, una nossos labores, contamine os que nos assistirão em cena, em nossa resistência e luta.  Amor em fúria total.
 
KATECÔ Danças Negras  foi contemplado na edição 2015 do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna com o patrocínio do Ministério da Cultura e Funarte e como Projeto Cultural no Prêmio Fomento Cidade Olímpica com o patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura 2016.
 
 
O roteiro de KATECÔ Danças Negras é livremente inspirado na filosofia Kongo  ‘4 Momentos do Sol’ e oficina de Zeca Ligiéro, meu eterno mestre e amigo.  Os quatro círculos nas extremidades da cruz, os quatro momentos do sol e a circunferência da cruz, certeza da reincarnação: o indivíduo Kongolês de especial correção moral nunca será destruído, voltará no nome ou corpo de sua descendência ou na forma de eterno lago, cachoeira, pedra ou montanha. O supremo no topo, os mortos em baixo, e a água, linha da Kalunga, entre os dois.
 
 Ficha técnica:
Direção Geral e Artística: Denise Zenicola
Direção Coreográfica: Denise Zenicola, Débora Campos, Amaury Lorenzo
Assistente de Direção: Ivana D’Rosevita
Direção Musical e Percussão: Marcos Rum
Direção de Edição Musical: Chico Rota
Bailarinos/Performers: Débora Campos, Mirian Meee, Nathália Klein, Paulo Telles, Genilson Leite e Amaury Lorenzo
Preparação Corporal: Denise Zenicola, Débora Campos, Ivana D’Rosevita
Oficina de Teatro: Zeca Ligiéro
Figurino e Adereço: Mirian Meee
Desenho e Operação de Luz: Pedro Struchinner
Fotografia, Mídias Sociais e Arte Gráfica: Renata Giannattasio
Videos: Lucas Zenicola e Renata Giannattasio
Assessoria de Imprensa: Claudia Bueno
Assistente de Produção: Ana Paula Pena e Lucas Zenicola
Produção Executiva: Renata Giannattasio
 
 
CURTAS TEMPORADAS PARQUE DAS RUÍNAS E Centro Coreográfico do Rio de Janeiro 
 
Centro Cultural Parque das Ruínas
R. Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa – RJ
Capacidade: 500 lugares
Informações: 21 2215-0621 | 21 2224-3922
de 02 a 04 SET – SEX 16h,  SAB e DOM 17h
de 09 a 11 SET – SEX 16h,  SAB e DOM 17h
R$20,00 e R$10,00
 
SERVIÇO 
duração 62 minutos
classificação etária LIVRE
Dança Afro Contemporânea