Insatisfeito no trabalho? Abrir um negócio próprio pode ser a solução

Por Henrique Mol

Não é raro encontrar na sua roda de amigos pessoas que se sentem infelizes no trabalho. Segundo dados levantados por uma pesquisa realizada pelo instituto Isma (International Stress Management Association), 72% das pessoas estão insatisfeitas com a ocupação. Dessas, 89% estão relacionados com a falta de reconhecimento, 78% com excesso de tarefas e 63% com problemas de relacionamento. Mas, o que fazer em uma situação dessas? Abrir seu próprio negócio pode ser a solução.

Porém, é preciso cautela antes de jogar tudo para o alto e se aventurar na abertura de uma empresa. Muitas vezes, as dificuldades em seu ambiente de trabalho podem ser resolvidas facilmente, com uma boa e sincera conversa com os superiores e lideranças. Em alguns casos, uma simples troca de setor ou uma reunião de alinhamento podem mudar, completamente, o clima do local. A falta de diálogo é um dos principais problemas nas corporações e pode gerar consequências graves nos trabalhadores, como estresse, ansiedade e depressão.

Agora, se o seu caso for mais complicado, arriscar-se no mundo dos empreendedores pode ser uma boa opção. Com experiência de causa, afirmo que não há nada mais empolgante do que planejar a abertura do seu próprio negócio. Está ali, nas suas mãos, todos os seus sonhos e expectativas.

Mas, como tudo na vida, abrir uma empresa requer planejamento e disciplina. Infelizmente, segundo dados do Sebrae, cerca de 30% dos novos empreendimentos decretam falência antes dos primeiros dois anos de vida. Neste ano, com a crise econômica, a situação está ainda pior. De janeiro a abril, o número de falências decretadas, de acordo com a Boa Vista SCPC, cresceu 30,8% em relação ao mesmo período de 2014. Na comparação entre os meses de abril, o número quase dobrou: houve alta de 98%. Isso acontece, normalmente, porque há falhas em um ou mais pontos do plano de negócios.

Por estes e outros motivos, o formato de franquias, que nasceu nos Estados Unidos, vem crescendo a um ritmo acelerado aqui no Brasil. Conforme números divulgados pela ABF – Associação Brasileira de Franchising, a atividade de franchising é responsável por 2,1% do Produto Interno Bruto, com faturamento anual de mais de 75 bilhões de reais. Somente no primeiro trimestre deste ano, o setor cresceu 9,2%.

Um dos pontos que mais atraem novos empreendedores para as franquias é o modelo de gestão já preestabelecido e a transmissão de know how da franqueadora para os franqueados. Isso porque a marca já é conhecida no mercado e as chances de o negócio dar errado são muito menores. Existem hoje diversas marcas franqueadoras, dos mais diversos segmentos. Basta você pesquisar e escolher a que mais se encaixa no seu perfil.

Agora, engana-se quem pensa que abrir uma franquia é algo muito caro, com investimentos fora da realidade da maioria dos brasileiros. Na Encontre Sua Viagem, por exemplo, há modelos de franquias de agência de turismo com taxas a partir de R$ 3 mil e mensalidades de R$ 175, para o modelo home-office. E é possível atingir um faturamento que varia de R$ 5 mil a R$ 100 mil por mês. Também há outros modelos maiores, como quiosque e loja física, com investimentos e rendimentos mais significativos.

Depois disso tudo que expliquei e no mundo globalizado em que vivemos, com tantas opções de negócios e segmentos de mercado, não dá pra ficar estagnado, vendo as coisas acontecerem e insatisfeito com o seu cargo, função ou empresa. Tome decisões, planeje sua vida! Seja feliz trabalhando e ganhando dinheiro com algo que goste.


Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo

DEIXE UM COMENTÁRIO