Insânia

O Grupo Circondríacos estreia espetáculo que aborda o amor e a vulnerabilidade humana ante a loucura

Insânia - foto: Ramom Moreira

Qualquer pessoa, por mais centrada, tranquila e controlada que seja, está sujeita em algum momento da vida a romper a tênue linha entre a lucidez e a loucura. A partir dessa premissa O Grupo Circondríacos estreia seu segundo espetáculo original, Insânia. Com direção de Jaime Rodrigues e roteiro de Guilherme Mouro, a montagem faz uso da expressão corporal, da atuação teatral e de recursos circenses, como acrobacias, malabarismo e contorcionismo, para contar adversidades da existência humana.

Representando o Homem, um ser humano “comum”, que é transformado por acontecimentos drásticos, os artistas circenses Bruno Carneiro, Davi Hora e Guilherme Mouro dão vida à personagem que tem os pilares de sua lucidez comprometidos perante a perda de sua companheira Moria, figura dramática interpretada aqui pela artista circense Pati Sousa, a amante, cúmplice e refúgio deste homem.

Notadamente todos nós estamos sujeitos a sofrer ações injustas, ou viver situações fora de nosso cotidiano. É do senso comum pensar que algo ruim só acontece com os outrosmas a verdade é uma só… somos todos vulneráveis!, enfatiza Guilherme.

O cenário, assinado por Denise Bernardes, foi desenvolvido a partir de ideias do diretor Jaime Rodrigues e remete ao clima de uma cela de manicômio. Sua estrutura composta por um grande painel de placas brancas serve também de base para projeções de vídeo mapping. O uso dessa tecnologia foi trazida também por Jaime e, associado ao trabalho do designer de luz João Franco, confere cor, textura e vida ao ambiente. A trilha sonora original foi criada por Daniel Gonzaga e é mais uma personagem dentro da narrativa, buscando transmitir, junto com os atores, as sensações e conceitos presentes na trama. 

Este projeto foi patrocinado pela Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro – SMC.

Grupo Circondríacos
O Grupo Circondríacos é uma companhia de circo contemporâneo que nasceu em 2010, no Rio de Janeiro, através da parceria entre artistas formados pela Escola Nacional de Circo/FUNARTE (referência no ensino das artes circenses na América Latina) e profissionais de diferentes áreas artísticas. A ideologia do grupo é levar para o palco a arte circense a serviço da dramaturgia, explorando o corpo como linguagem e fazendo uso das técnicas circenses de modo a revelar ao público um circo atual, voltado para as questões adultas e com roteiros que despertem a discussão de temas ligados à existência humana. Os mecanismos usados pela Cia oferecem ao publico outras possibilidades artísticas, extrapolando o universo infantil que comumente é associado à arte circense.

[justified_image_grid]

Serviço

ARENA CARIOCA DICRÓ – CARLOS ROBERTO DE OLIVEIRA
Endereço: Parque Ari Barroso, s/nº. Penha
Datas: 28 (terça) às 20h; e 29 (quarta) e 30 (quinta), às 15h
Telefone: (21) 3486-7643
Capacidade: 338 lugares
Classificação: 14 anos
Entrada franca
Duração: 60 minutos

Ficha técnica:

Direção: Jaime Rodrigues

Elenco:
Bruno Carneiro
Davi Hora
Guilherme Mouro
Pati Sousa

Roteiro: Guilherme Mouro
Direção de Movimento: Paulo Mantuano
Trilha Sonora Original: Daniel Gonzaga
Espacialização sonora: Alexandre Braütigam
Designer de Luz: João Franco
Sonoplastia/Projeções: Plínio Gomes Pedro
Direção de Arte: Denise Bernardes
Designer Gráfico: Diogo Monteiro
Fotógrafo: Renato Mangolin
Cenotécnico:  Dodô Giovaneti/Isaque Souza
Contra regra: Isaque Souza
Figurinos: Macela Domingos
Maquiagem/Adereços: Gal
Ass. de maquiagem e camareira: Claudia Luísa
Coprodução: Circo Crescer e Viver
Realização e produção: Grupo Circondríacos
Assistente de Produção: Celso José
Assistente de direção: Alice Tibery

Patrocínio: Secretaria Municipal de Cultura da Cidade do rio de Janeiro – II Programa de fomento a cultura Carioca – Cultura Viva – Rio 450 Anos. 

Links: www.circondriacos.com

DEIXE UM COMENTÁRIO