Incubadora Cultural luta para manter seu trabalho

Projeto criado para ajudar gratuitamente aos pequenos artistas e produtores culturais tenta renovar sua parceria com a Petrobras

foto: Marcelo Dias
foto: Marcelo Dias

Criada em 2014 pela organização não governamental Pró-Apoio Comunitário (PAC), e presidida pelo cineasta Antonio Molina Burnes, a Incubadora Cultural corre o risco de fechar as suas portas. Seu contrato com a Petrobras termina no dia 30 de setembro e a renovação ainda não foi definida. O projeto é gratuito e tem como objetivo a inclusão através da descoberta e desenvolvimento de talentos e produtos no empreendedorismo cultural. Produtores, artistas, músicos, chefs, atores, escritores, estilistas, contadores de histórias, especialistas em meio ambiente, editores, cineastas, carnavalescos e empresários culturais recebem orientação, consultoria e acompanhamento para o desenvolvimento de seus projetos, formando assim agentes transformadores da realidade social de parcelas não atendidas por mecanismos mínimos de inclusão produtiva em todas as regiões do país.

Os projetos da Incubadora passam por vários processos. No primeiro são desenvolvidas ações pedagógicas voltadas ao desenvolvimento profissional dos empreendedores. Como parte do curso regular são realizados quatro cursos sequenciais, distribuídos em cinco módulos: Idealização, Concepção, Desenvolvimento, Maturação e Desincubação. Dentro de cada módulo estão inseridas matérias referentes a gestão financeira, produção e marketing cultural, elaboração de projetos para patrocinadores, metodologia de pesquisa, planejamento estratégico, direito autoral e elaboração de plano de negócios entre outras. Também como parte do desenvolvimento digital os alunos aprendem e potencializam a suas habilidades no mundo da informática onde mostram a sua competência na utilização das ferramentas digitais para aprimorar seus trabalhos e apresentação dos mesmos. Desde sua implantação, a Incubadora Cultural superou a meta prevista de 150 participantes de 2015 a 2016, alcançando um total de 206 empreendedores inscritos distribuídos em 7 turmas: 4 turmas da noite, 2 turmas da tarde e 1 turma da manhã.  

A Incubadora Cultural também promove palestras com profissionais renomados com o objetivo de orientar os novos empreendedores. No último ano a Incubadora apresentou os temas de “Economia Colaborativa e Novos Planos de Negócios”, “Cultura e Responsabilidade Social”, “Como Transformar Ideias em Projetos e Projetos em Realidade”, “Vivências de um Produtor Cultural” e “Economia, Cultura e Desenvolvimento”. Para esse último mês já estão previstas novas palestras para o segundo semestre de “Imagem e Identidade no Audiovisual”, “Identidade, Religiosidade, Cultura e Diversidade”, entre outras.

Outro foco da Incubadora durante a formação dos novos empreendedores é ministrar aulas magistrais com personalidades reconhecidas no âmbito cultural e de gestão de projetos. As aulas são realizadas através de palestras, workshops e seminários voltados para empreendedores com projetos incubados e também abertos ao público. No último ano foram ministrados 13 workshops com uma carga horária de 20 horas aula cada. Estes eventos somaram mais de 400 participantes entre empreendedores com projetos incubados e empreendedores visitantes inscritos.  

De 2015 a 2016, a Incubadora Cultural também incentivou visitas a atividades culturais na cidade. Além das visitas a teatro, shows e centro culturais, os alunos desenvolveram atividades próprias individuais ou em grupos estendendo o convite aos demais empreendedores, assim como tiveram participações expondo os seus trabalhos em vários espaços. Este processo além de contribuir para o enriquecimento cultural dos participantes também permitiu maior interação entre os alunos gerando uma rede de relacionamentos ainda mais sólida.

Em seminários a Incubadora se superou novamente. Eram esperados três, mas foram apresentados cinco: “Empreendedorismo e Empoderamento Cultural”, “Empreendedorismo Cultural e Políticas Públicas”, “Administração Cultural e Econômica de Mercado”, “Lei de Incentivo, Direito Autoral e Políticas Públicas” e “Acervos e Memoriais”. Também foi lançado o Guia do Empreendedor Cultural, que foi distribuído gratuitamente para alunos, visitantes, professores, consultores e parceiros.

A Incubadora também realiza assessoria para organização dos alunos em grupos. A REDESC (Rede de Desenvolvimento e Sustentabilidade Cultural) é uma iniciativa de fomento produtivo à cultura criada dentro da Incubadora Cultural (PAC).  Composta por pessoas que desejam atuar no mercado cultural, a REDESC tem como finalidade ser um centro de geração de trabalho e renda ao aproximar pessoas de diferentes áreas que atuam ou querem atuar no segmento cultural do País. Outra função da Incubadora é aproximar os alunos e uns trabalharem nos projetos dos outros a partir de suas habilidades e especialidades. Seus diversos trabalhos são levados para diferentes comunidades como forma de desenvolvimento de suas capacidades de gestores culturais e como difusores da cultura local.  

Por fim, a Incubadora também atua como promotora de inclusão digital. Nos primeiros três módulos todos os alunos participam das aulas de informática onde aprendem a trabalhar as principais ferramentas da informática: word, excel, power-point, gestão de e-mail, ferramentas colaborativas de trabalho como o Google Drive, redes sociais e presença virtual. Para além de um simples curso de informática, o foco principal destes conteúdos é o dia a dia de um empreendedor cultural e suas necessidades. Assim a tecnologia é tratada como ferramenta para facilitar o processo de elaboração, captação e gestão de projetos.  O resultado deste modelo pedagógico é que ao final dos encontros os empreendedores são capazes de formatar seus projetos em editores texto de acordo com as regras ABNT, construir tabelas, cronogramas físico e financeiro e planilhas orçamentarias no Excel, criar apresentações de seus projetos em power point seja para pitch ou para outras formas de divulgação. Para isso a Incubadora disponibiliza um laboratório de informática que pode ser utilizado a qualquer hora, dentro do horário de funcionamento da mesma.

A previsão da Incubadora Cultural era de ter 150 projetos incubados. Porém o número superou as expectativas e foram atendidos mais de 600 empreendedores culturais, além do público que pôde participar ativamente de toda a dinâmica, totalizando 383 pessoas no último período. De todos esses projetos, 15 foram selecionados para receberem um acompanhamento complementar e 8 projetos para consultorias adicionais. O acompanhamento complementar compreende uma agenda de 16 horas composta por oficinas e consultorias montada de acordo com as principais necessidades dos empreendedores identificadas na análise de seus projetos. As consultorias adicionais, se referem a uma agenda de 10 horas de consultoria e treinamento.

Ainda que neste processo somente um número reduzido de projetos tenha sido selecionado, todos os participantes demonstraram qualidade na apresentação dos conteúdos dos seus projetos.  Seja individualmente, seja em grupos, os empreendedores percorreram na Incubadora um caminho que transformou suas ideias em projetos estruturados aptos a serem apresentados ao mercado seja para captação direta, por editais, por crowdfunding ou por leis de incentivo.

DEIXE UM COMENTÁRIO