“Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos” no Espaço SESC

Idealizado pela atriz Gabriela Carneiro da Cunha, espetáculo tem dramaturgia de Grace Passô e direção de Georgette Fadel Projeções de imagens feitas por Eryk Rocha no sul do Pará trazem sons e rostos dos camponeses que ainda vivem na região

Foto: Elisa Mendes
Foto: Elisa Mendes

A partir da história de 12 mulheres que lutaram e morreram na Guerrilha do Araguaia – um dos mais importantes e violentos conflitos armados da ditadura militar brasileira – a atriz Gabriela Carneiro da Cunha idealizou o espetáculo “Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos”, selecionado no programa Rumos Itaú Cultural 2013/2014. Com direção de Georgette Fadel e dramaturgia de Grace Passô, a peça estreia no Espaço Sesc, no Rio de Janeiro, no dia 3 de setembro. A temporada será até 27 de setembro, de quinta a domingo. Em outubro, será apresentada na Mostra Rumos, no Itaú Cultural, em São Paulo.

A Guerrilha do Araguaia, que aconteceu entre os estados do Pará e Tocantins na floresta amazônica, reuniu cerca de 70 pessoas – sendo dezessete mulheres que saíram de diversas cidades do país para participar de um movimento guerrilheiro que pretendia derrubar a ditadura e tomar o poder cercando a cidade pelo campo. De abril de 1972 a janeiro de 1975, o regime militar mobilizou de três a dez mil homens que tinham ordem de não fazer prisioneiros.

Por meio de um diálogo entre a ficção e o documentário, “Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos” é um poema cênico criado a partir da história dessas mulheres, de sua luta e das memórias do que elas viveram e deixaram naquela região. A peça também busca iluminar esse importante episódio da história do país ainda tão nebuloso. “Certas coisas devem ser feitas: manter a chama acesa, relembrar e iluminar a história das lutas e dos lutadores, com todas as contradições que cada luta carrega”, destaca a diretora Georgette Fadel.  

Após uma profunda e detalhada pesquisa sobre o tema, Gabriela – que atuará no espetáculo – organizou uma viagem até o sul do Pará com a diretora, a autora e as atrizes Carolina Virguez, Daniela Carmona, Fernanda Haucke e Mafalda Pequenino. Sara Antunes, que também integra o elenco, não participou da viagem pois estava grávida de nove meses na ocasião. Assim como as guerrilheiras eram de diferentes cidades, a equipe é formada por artistas do Rio, São Paulo, Rio Grande do Sul e da Colômbia.

Foram 36 horas de viagem de ônibus saindo do Rio de Janeiro até chegarem às margens do Araguaia, onde ouviram os relatos de quem presenciou esta história, num lugar marcado pela tradição do massacre. Em uma terra de esquecidos e desaparecidos, onde existe uma guerra velada, há um povo que dá voz àqueles que foram mortos. O cineasta Eryk Rocha documentou todo o percurso da equipe durante os quinze dias de viagem. Os registros audiovisuais, entre rostos e paisagens, serão projetados no palco do teatro, criando um diálogo com as atrizes.  Os sons captados do rio acompanham algumas cenas.

“O tema está completamente alinhado com o momento atual do país. No ano passado foram os 50 anos do Golpe Militar, tem o trabalho da Comissão da Verdade e vimos as manifestações de junho detonaram um fluxo de pensamento e questionamentos sobre os rumos do Brasil, tudo isso em um cenário político árido em termos de invenção e identidade. Não é por acaso que os artistas estão trazendo essas questões em suas obras tão fortemente, mas dentro de uma linguagem poética”, acredita a atriz.  

Para criar os figurinos, Desirée Bastos garimpou cerca de 50 peças, entre calças, camisas, vestidos, chapéus, roupas íntimas em brechós no Rio e bazares no sul do Pará. As roupas foram enterradas às margens do rio Araguaia pelas próprias atrizes. Os trajes foram recentemente desenterrados e lavados. O resultado dessas peças deterioradas faz alusão aos corpos que nunca foram encontrados.  

FICHA TÉCNICA
IdealizaçãoGabriela Carneiro da Cunha
Direção:  Georgette Fadel
Dramaturgia: Grace Passô
Elenco:  Carolina Virguez, Sara Antunes, Daniela Carmona, Mafalda Pequenino, Fernanda Haucke, Gabriela Carneiro da Cunha.
Direção áudio visual: Eryk Rocha
Direção musical: Felipe Storino
Cenografia: Aurora dos Campos
Iluminação: Tomas Ribas
Figurinista: Desirée Bastos
Assistente de direção: Julia Ariani
Assistente de dramaturgia: Gabriela Carneiro da Cunha
Operação de Som: Bruno Carneiro
Operação de Luz: Vitor Emanuel
Projeto e Operação de Vídeo: Julia Saldanha
Direção de Produção: Gabriela Gonçalves
Produção: Aline Mohamad
Assistente de Produção: Renato Bavier

SERVIÇO

“Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos”
Espaço Sesc (Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana) – Teatro de Arena
De 3 a 27 de setembro
Sessões extras: 12 e 26 de setembro às 16h.
Informações: 2547-0156
Horários: Quinta a sábado às 20h30. Domingo, às 19h.
Capacidade: 250 pessoas.
Valor: R$ 5 (associados Sesc), R$ 10 (meia-entrada) e R$ 20 (inteira).
Funcionamento Bilheteria: terça a domingo, 15h às 21h.
Ingressos antecipados no local. Pagamento somente em dinheiro.
Classificação: 18 anos
Duração: 90 minutos
Realização: Sesc

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui