Grupos de música de tradição apresentam sua arte ligada aos cantos de trabalho no Espaço Cultural Escola Sesc

Projeto Sonora Brasil reúne atrações do Norte, Nordeste e Sudeste

Quebradeiras de Coco Babaçu
Quebradeiras de Coco Babaçu

Em sua 18ª edição, o Sonora Brasil chega ao Espaço Cultural Escola Sesc com o tema “Sonoros Ofícios – Cantos de Trabalho”, apresentando ao público o canto como expressão musical relacionada às atividades laborais, fato social presente na cultura brasileira, tanto no ambiente rural quanto no urbano – concentrados, principalmente – na região Nordeste.

Serão quatro atrações musicais, vindas de estados do Norte, Nordeste e do Sudeste, que integram a programação do Sonora Brasil em solo carioca: Destaladeiras de Fumo de Arapiraca e Mestre Nelson Rosa (Alagoas), Cantadeiras do Sisal e Aboiadores de Valente (Bahia), Ilumiara (Minas Gerais) e Quebradeiras de Coco Babaçu (Maranhão). A programação abre no dia 19 (segunda) e se estende até o dia 22 de setembro, sempre às 19h30.  Todos os espetáculos são gratuitos, mediante retirada de senha antecipada.

O Sonora Brasil realiza aproximadamente 480 concertos por ano, passando por mais de 130 cidades, a maioria distante dos grandes centros urbanos. A ação possibilita o contato com a qualidade e a diversidade da música brasileira visando à formação de plateia. Para os músicos, propicia uma experiência ímpar para a difusão de seu trabalho. O Sonora Brasil tem como objetivo difundir expressões musicais identificadas com o desenvolvimento histórico da música no Brasil.

O Espaço Cultural Escola Sesc fica na Avenida Ayrton Senna, 5677 – Jacarepaguá. Informações: (21) 3214-7404, ou no e-mail espacoculturalescolasesc@gmail.com. Confira abaixo os horários e sinopse das atrações:

Dia 19 às 19h30: Destaladeiras de fumo de Arapiraca e Mestre Nelson Rosa (AL)
Duração: 2h | Classificação Etária: Livre | Capacidade: 80 lugares

Sinopse: Grupo formado por cinco mulheres da região de Sítio Fernandes, município de Arapiraca, na zona rural do agreste alagoano, e Nelson Rosa, mestre de coco de roda reconhecido como patrimônio vivo do estado de Alagoas. O cultivo do fumo foi a principal atividade econômica por mais de cinco décadas na região, as mulheres trabalhavam horas a fio sentadas no chão nos “salões de fumo”, destalando e selecionando as folhas ao som de cantigas entoadas para espantar o sono durante as madrugadas. O grupo é formado por Josefa Correia Lima dos Santos, Isabel Cipriano dos Santos, Regineide Rosa dos Santos, Rosália Gomes dos Santos e Rosinalva Farias dos Santos, além de Mestre Nelson Rosa. 

Dia 20 às 19h30: Cantadeiras do Sisal e Aboiadores de Valente (BA)
Duração: 2h | Classificação Etária: Livre | Capacidade: 80 lugares

Sinopse: A cidade de Valente (Bahia) é a principal região brasileira produtora de sisal – matéria-prima de fibras, cordas, tapetes e outros produtos. Nesta região também se concentram fazendas e, consequentemente, aboiadores. As cantadeiras do sisal são mulheres que trabalharam por muito tempo nas várias etapas de produção da fibra, e que hoje são artesãs, ofício que aprenderam a partir de projetos desenvolvidos na região com o objetivo de criar alternativas de trabalho para as mulheres que desenvolviam atividades pesadas e mal remuneradas no ciclo de produção do sisal. O repertório das cantadeiras, é formado por cantigas conhecidas desde a infância e outras que tratam de questões cotidianas da produção sisaleira. O grupo é formado por Izabel, Alda, Ivamarcia, Carminha, Marisvalda e Cássia, além dos aboiadores Ailton Aboiador e Ailton Jr.

Dia 21 às 19h30: Quebradeiras de Coco Babaçu (Nordeste)
Duração: 2h | Classificação Etária: Livre | Capacidade: 80 lugares

Sinopse: O grupo é formado por mulheres que trabalham na quebra do coco babaçu desde a infância e hoje também exercem papel de liderança na defesa e valorização do trabalho das quebradeiras. Atuam politicamente para melhorar as condições de trabalho e a qualidade de vida das pessoas envolvidas nesta atividade, por isso, seu repertório narrava fatos do cotidiano ou aludiam ao universo infantil através de cantigas de roda, mas, principalmente, luta política. Sua formação conta com a participação de representantes das seis regiões onde a instituição possui representação. O grupo é composto por: Dora, Moça e Silena, de Lago do Junco (MA); Nice, de Penalva (MA); Dijé, de São Luís Gonzaga (MA); Iracema, de São Domingos do Araguaia (PA); Francisca Lera, de Esperantina (PI); e Nonata, de São Miguel (TO).

Dia 22 às 19h30: Ilumiara (MG)
Duração: 2h | Classificação Etária: Livre | Capacidade: 80 lugares

Sinopse: Grupo formado por cinco músicos da cidade de Belo Horizonte que também atuam como pesquisadores. Além das músicas apresentadas, o grupo traz em seu espetáculo a contextualização histórico-social dos cantos de trabalho no Brasil. Sua apresentação levará ao público um repertório de cantos de trabalho recolhidos da tradição, diretamente em suas fontes, ou a partir de registros de pesquisadores pioneiros como Mário de Andrade, Angélica Rezende e Ayres da Mata Machado. O grupo interpreta vissungos, cantigas de ninar, canto de lavadeiras, entre outros, em arranjos elaborados a partir de uma visão estética contemporânea. O grupo é formado por Alexandre Gloor, Carlinhos Ferreira, Leandro César, Letícia Bertelli e Marcela Bertelli.

DEIXE UM COMENTÁRIO