Grazie Wirtti traz clássicos do cancioneiro latino-americano para a Casa do Choro

Cantora e compositora gaúcha faz show de lançamento de seu primeiro disco, Tunguele, que contou com participação de Milton Nascimento

Grazie Wirtti (foto: Gabi Lopes)
Grazie Wirtti (foto: Gabi Lopes)

Nos dias 24 e 25 de agosto a cantora e compositora gaúcha Grazie Wirtti se apresenta na Casa do Choro, centro do Rio, com o show Tunguele.  Assim como no álbum homônimo, o repertório é um passeio pela canção latino-americana de Violeta Parra (Chile), Eduardo Mateo e Jorge Drexler (Uruguai), Chabuca Granda (Peru), José Dames, Homero Manzi e Matias Arriazu (Argentina), entre músicas autorais que representam a porção brasileira deste trabalho.

Lançado em junho deste ano, o disco Tunguele tem produção musical de Guto Wirtti e participações especiais de Milton Nascimento Bebe Kramer. Nele, Grazie mostra o desejo de integrar a nova produção nacional ao repertório dos países vizinhos. E o faz com a propriedade de sua formação musical na fronteira, de sua passagem pela Argentina, onde viveu três anos, e sua mudança para o Rio de Janeiro, há nove anos. Próxima ao candombe, ao tango e à canção andina, a cantora também inclui em sua bagagem os ritmos de raiz africana, outro ponto de convergência entre os vários momentos do álbum. 

Capa

A faixa-título “Tunguele” foi composta pelo uruguaio Eduardo Mateo, que, por sua vez, foi bastante influenciado pela música brasileira. “Don de Fluir”, de Jorge Drexler, vem em seguida. Do cancioneiro peruano, “Madreselvas”, de autoria desconhecida, é a terceira faixa do disco. “Esa tristeza”, também de Eduardo Mateo, vem na sequência, mesclando guitarras, atabaques e xequerê.

O repertório traz ainda “Cardo o ceniza” da cantora e folclorista peruana Chabuca Granda; “Campo aberto” e “Peito Vazio”, de Guto Wirtti; “Fuimos”, de José Dames e Homero Manzi, com participação do acordeonista Bebe Kramer; “Arriba quemando el sol”, de Violeta Parra; “Memórias de Valparaíso”, emocionante homenagem ao poeta Pablo Neruda, composta por Guto Wirtti e presenteada com a voz de Milton Nascimento; e “Iararê”, última faixa, composta por Grazie Wirtti e Matias Arriazu. 

O disco Tunguele (com exceção de “Memórias de Valparaiso”) foi gravado em 2015 num estúdio em Araras, interior do Rio, reunindo todos os músicos num mesmo espaço, com arranjos espontâneos, compostos e registrados em seguida por Grazie Wirtti nas companhias de Stephane SanJuan (percussões), Guto Wirtti (direção musical, baixo, percussões e teclados de efeito), Claudinho Andrade (teclados fender rhodes), Bernardo Ramos (guitarra), Sergio Valdeos (violão de 7), Fabrício Reis (percussão), e Bebe Kramer (acordeon).

Grazie Wirtti na Casa do Choro
24 e 25 de agosto (quarta e quinta) | 18h30
Casa do Choro – Rua da Carioca, 38 – Centro | (21) 2242-9947 | 100 lugares
Livre | Ingresso: R$ 30 (vendas apenas em dinheiro)

DEIXE UM COMENTÁRIO